Views
8 months ago

SURVIVAL OF THE FITTEST: CANDIDATE EXPERIENCE IN THE IT WORLD

  • Text
  • Tic
  • Tecnologia
  • Digitalbusinesscommunity
  • Apdc
  • Candidato
  • Marca
  • Branding
  • Employer
  • Mercado
  • Empresa
  • Talento

WEBMORNING - SURVIVAL OF THE FITTEST: CANDIDATE EXPERIENCE IN THE IT WORLD Bernardo Bettencourt Ribeiro Key Account Manager, Indeed Glassdoor “Falar de employer branding é falar exclusivamente da marca da empresa, das condições de trabalho, das ofertas de emprego. Mas os resultados em concreto dependem da forma como é trabalhada. Não é um fim em si mesmo, mas um meio com o objetivo de melhorar o recrutamento” “Há exemplos práticos de empresas reais do setor tecnológico que comprovam a importância de ter um employer branding trabalhado. As que o fazem têm cerca de 10 vezes mais probabilidades de captar talento no mercado” “A importância do employer branding é brutal na hora de passar a mensagem do que é a empresa. Assim como na atração do talento num mercado tão competitivo como o IT é atualmente” Débora Roncon Customer Development Manager, Codility “As empresas têm de se tornar atrativas no processo de recrutamento. Há pontos fulcrais: o tempo, pois a entrevista tem de ser curta e eficaz; a dificuldade e duração dos testes, que tem muito peso na adesão; e a antiguidade da pessoa no cargo. Um candidato sénior não vai responder tão bem a um teste normal, quer algo mais personalizado “Os papéis inverteram-se. Ao invés dos candidatos agradarem às empresas, estas é que têm de agradar aos candidatos. Todas as empresas precisam hoje em dia de talento tech, pelo que a procura é muito forte face à oferta” “Um ponto muito importante, que tem vindo a ser muito desenvolvido recentemente, é a confiança com quem se trabalha, que foi reforçada com a pandemia. Na área tech, há muitas pessoas que preferem trabalhar a partir de casa”

5 Afinal, o processo de recrutamento é “a cara da empresa”, afirma. E o mercado tecnológico nacional está neste momento em “grande evolução”, garante Miguel Luís, Marketing and Employer Branding Manager da The Key Talent. É que o país é visto como um dos principais locais para a implementação de hubs tecnológicos, competindo diretamente com países como a Holanda e a Irlanda, o que tem como consequência uma crescente falta de talento tech para dar resposta ao nível da procura. O ELEFANTE NA SALA Acresce o que chamou de “elefante na sala”: os salários oferecidos, que estão a fazer com que muitas pessoas optem por trabalhar lá fora, onde as ofertas têm níveis muito mais elevados. “As empresas que operam em Portugal perdem muito da sua atratividade, desde logo pelos salários. As expetativas o talento tech são muito superiores ao que oferecem, quando comparadas com as internacionais”. Ainda assim, há muitas áreas que poderão ser trabalhadas para reforçar a capacidade de atrair e reter perfis tecnológicos. A começar por saber como posicionar a marca empregadora da empresa. Depois, há que saber melhorar a experiência dos candidatos. “A taxa de abandono dos processos de recrutamento é muito elevada, pelo que há que adicionar áreas inovadoras e mais atrativas para estes perfis”, explica, garantindo que há muitos exemplos de organizações de vários setores de atividade que ficam “surpreendidos com o resultado destas medidas”. Área também “muito relevante e que é muito colocado à margem do pensamento estratégico das organizações” é a do placement. É que a tendência é fazer o que que se fazia há anos, quando hoje a escolha do local onde se colocam as vagas de emprego “vai influenciar o sucesso ou insucesso do processo. Tem a ver com a confiança e esta decorre de um sentido de pertença”, diz. Até porque “uma marca já não é o que dizemos aos candidatos, mas sim o que estes dizem que é”. “A marca controla muito pouco sobre o que é a perceção externa que os candidatos e colaboradores têm. Portanto, no placement e, especificamente, na área de tecnologia, há locais onde o talento de encontra”, explica Miguel Luís, exemplificando com plataformas como a Teamlyzer, totalmente dedicada ao universo tech, a GitHub, Stackoverflow, Discord, Twitch ou a Slack. São comunidades tech onde os candidatos procuram ligações, pelo que estar lá é relevante para as organizações. O gestor enumera entre os pilares de uma candidate experience a analítica, a centralidade no candidato, a tecnologia para ganhar velocidade, a costumização da experiência e a seleção de interfaces adaptadas e adequadas. É que “o processo já não é linear como o era há uns anos”, existem múltiplos touchpoints que as empresas terão de saber trabalhar e o talento quer desafios e um ambiente de trabalho dinâmico. “É um dos handicaps que continuamos a ver. Há projetos extraordinários que não são comunicados, o que reduz a atratividade para o talento tech. É preciso quebrar estas linhas”, alerta, deixando claro que “tem que se saber construir processos de atração de talento tech. É importante pensar no placement, nas mensagens e em toda a estratégia que está subjacente”, salienta.

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt