Views
1 year ago

Livro 30 anos APDC

  • Text
  • Pedro
  • Grande
  • Portugal
  • Momentos
  • Presidente
  • Setor
  • Vogal
  • Livro
  • Anos
  • Apdc
30 anos APDC

Em apenas seis meses,

Em apenas seis meses, Pinto Balsemão e a sua equipa montaram uma televisão. “As instalações da SIC são num antigo armazém de bananas da Madeira!”, recorda divertido. Fizeram as obras, compraram o material, recrutaram pessoas… “Foi uma maratona, mas corrida com muita rapidez.”. Balsemão lembra-se de levar a primeira grelha de programação ao famoso Bony, diretor de programas omnipotente da Globo: “Destruiu completamente a nossa proposta. Voltei e tivemos que refazer a grelha toda.”. Como último contratempo, a sua diretora de programas (Maria Elisa), no último mês, diz que não quer ficar e Emídio Rangel acaba, assim, por acumular essa função com a direção de informação. A 6 de outubro de 1992, Alberta Marques Fernandes, desconhecida jornalista de 24 anos, conduz o Primeiro Jornal e inaugura as emissões do primeiro canal privado português. “Foi um grande dia! Um dos dias que recordo com mais felicidade e com mais sentido de realização profissional. Acho que aquilo que senti, quando fomos para o ar, deve ser o mesmo que um general sente quando ganha uma grande batalha. Um sentimento de satisfação, de dever cumprido, de vitória”. 34 | 30 anos, 30 momentos extraordinários APDC Livro 30anos_MIOLO.indd 34 13/11/15 18:53

O lançamento do 1º canal de TV privado foi um marco extraordinário... “… porque foi uma grande luta, começada em 1986. Durante muito tempo, só tivemos dois canais, bastante controlados pelo poder político. Conseguimos congregar pessoas dos mais variados setores que também entendiam que deveria haver televisão privada e nos autorizaram a utilizar os seus depoimentos, desde Amália Rodrigues a José Cardoso Pires, passando por Agustina Bessa Luís, Manuel Cargaleiro, Alçada Batista, Eduardo Prado Coelho, Helena Vaz da Silva, Raul Solnado, Pinto da Costa, António Pedro Vasconcelos, João David Nunes… Portugal atrasou-se, o processo demorou bastante tempo e não foi fácil. Francisco Pinto Balsemão A SIC foi uma lufada de ar fresco que obrigou a RTP a fazer um esforço para melhorar. Mas pensava que íamos em pouquíssimo tempo passar à frente nas audiências e enganei-me completamente. Só em 1995 é que atingimos a liderança. Esses dois anos e meio foram duros. Tive de convencer os acionistas a dois aumentos de capital… Um estava previsto, mas para mais tarde, e o outro não estava planeado de todo. Os acionistas confiaram em mim e depois nenhum se arrependeu. Todos gostaram de estar na origem de um projeto novo, completamente diferente. E todos ganharam dinheiro quando mais tarde venderam as suas ações…” Pinto Balsemão, fundador da SIC Televisão Sem Barreiras | 35 APDC Livro 30anos_MIOLO.indd 35 13/11/15 18:53

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt