Views
9 months ago

JANTAR RESERVADO - MÁRIO CAMPOLARGO

  • Text
  • Administração pública
  • Digitalbusinesscommunity
  • Apdc
  • Portugal
  • Sociedade
  • Reservado
  • Governo
  • Capacidade
  • Desafio
  • Campolargo
  • Digital
  • Empresas

JANTAR

JANTAR RESERVADO - MÁRIO CAMPOLARGO é que os compromissos “levem a resultados que tenham impacto na economia e na sociedade. É isso que temos de fazer, com as medidas que estão inscritas no PRR e no Plano de Ação para a Transição Digital”. “Não há políticas que sobrevivam ou sejam eficazes quando a AP e o Governo se arrogam a perceção de que conseguem resolver o problema. Os problemas hoje são muito mais diversos e complexos, interagem entre múltiplas disciplinas e áreas governativas, e é de facto pela mobilização da sociedade civil e dos atores económicos e sociais que conseguimos levar as políticas à prática”, acrescenta. Por isso, pede a todos o compromisso para se continuar a avançar “em áreas que são importantes para Portugal, como a literacia digital ou a experimentação em test beds para ajudar as PME com infraestruturas que possamos pôr à sua disposição. Se todos entendermos que há uma oportunidade de ganhar tração, quando pensamos nas Zonas Livres Tecnológicas, ou quando ajudamos o comércio local a digitalizar-se e a ganhar valor, ou quando apoiamos as startups para que se possam internacionalizar e criar massa crítica, atraindo talento, seria para mim ideal”. Para o Secretário de Estado, há que deixar de falar “numa política governamental, para passar a ser uma política que tem o ownership dos atores e do país. Porque só assim é que Portugal se pode transformar num parceiro internacional credível na área digital. Na APDC, existem empresas que são chave neste processo e para o país. E é da confluência e convergência de interesses que podemos avançar”. Assim, lançou aos presentes o desafio de abordarem duas perspetivas “particularmente importantes: exteriorizarem áreas onde as empresas TIC possam ajudar, fazendo com que as políticas que estão a ser seguidas pelo Governo possam ser mais efetivas; e destacarem os pontos que ainda têm que ser endereçados”. Mário Campolargo compromete-se “sempre a ouvir, para poder tomar decisões a partir de dados objetivos, evidências e com uma elaboração de contexto que seja importante. As empresas podem e devem colaborar nesta missão, nesta jornada para tornar o país mais digital e, ao mesmo tempo, dar pistas sobre coisas que ou estão a ser mal endereçadas ou que são parte de um desafio do futuro”. CAPACIDADE HUMANA E TECNOLÓGICA PRECISAM-SE Os líderes das empresas TIC presentes responderam ao desafio, enunciando as áreas onde consideram que terão de ser tomadas mais medidas para acelerar a digitalização e a modernização da AP e do tecido empresarial nacional. Capacitação das empresas, literacia, PME e, sobretudo, o talento e a sua crescente escassez no mercado nacional foram temas abordados no período de debate deste encontro. Questionado sobre a visão que tem da capacitação das empresas para enfrentar com sucesso o desafio da digitalização, o governante considerou que “não é possível desenvolver uma estratégia nacional, particularmente no digital, sem ter em conta a capacidade do país para a levar para a frente. Portugal como nação digital tem de refletir as empresas do digital, mas ir muito além delas. Se algumas são core, como as do setor TIC, porque são enablers e catalisado-

5 O presidente da APDC considera fundamental que o Estado consiga garantir um ambiente de negócios competitivo. O que passa por eliminar um conjunto de custos de contexto que têm a ver com a forma como a AP Pública funciona ras de alguma disrupção, há toda uma miríade de empresas que têm de saber beneficiar dessa capacidade e de evoluir”. Para Mário Campolargo, “terá de haver uma crença absoluta na capacidade do tecido empresarial”, que terá de se saber desenvolver tecnologicamente e em termos de capacidades digitais. Citando os dados do DESI, que mostram a persistência de um défice nacional na utilização das ferramentas e serviços digitais, considerou ser necessário apostar numa estratégia que permita ultrapassar definitivamente este constrangimento: “temos de encontrar capacidade humana e tecnológica para responder verdadeiramente ao desafio do mundo digital”. O tema do talento centrou todas as atenções, dadas as crescentes dificuldades das empresas em conseguir encontrar profissionais qualificados para o digital, face a uma concorrência internacional que oferece melhores condições

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt