Views
1 year ago

Directório Global das TIC | Empresas e Profissionais | 2018/2019

  • Text
  • Principais
  • Workplace
  • Empresas
  • Mobile
  • Dados
  • Digital
  • Portugal
  • Lisboa
  • Computing
  • Disponibilizadas

30 | OPINIÃO DIRETÓRIO

30 | OPINIÃO DIRETÓRIO DAS TIC | 31 NESTE CONTEXTO, A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DAS PME TRADUZ-SE COMO UM DOS PRINCIPAIS FATORES IMPULSIONADORES DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, REVELANDO-SE UMA RESPOSTA ALTAMENTE EFICAZ PARA ADOÇÃO DE NOVAS PRÁTICAS DE GESTÃO. As dimensões empresariais a abordar no projeto englobam: Liderança, Omni-experiência, Recursos Humanos e Competências, Modelo Operativo e Informação. Liderança: Conjunto de áreas permite às PME desenvolverem uma visão para a transformação digital dos serviços e das experiências. Omni-experiência: Esta dimensão descreve uma abordagem omnipresente e multidimensional ao ecossistema das PME necessária para amplificar a experiência dos produtos e/ou serviços. Recursos Humanos: Esta dimensão abrange a evolução do modo como as PME irão alcançar os seus objetivos de negócio através da contratação, implementação e integração de recursos internos (funcionários a tempo inteiro e a tempo parcial) e externos (contratos, freelancers, parceiros). Modelo Operativo: Esta dimensão descreve a capacidade de executar operações mais ágeis e eficazes, potenciando produtos/serviços, bens, pessoas e parceiros digitais. O Modelo Operativo define “como” é que o trabalho é executado em termos de transformação digital. Informação: A transformação da informação é a abordagem focada na extração e desenvolvimento de valor e utilidade da informação relativa aos clientes, mercados, transações, serviços, produtos, bens físicos e experiências comerciais. As organizações transformadas tratam dados e informação como tratariam qualquer outro bem de valor. O ISQ promove este projeto em conjunto com alguns parceiros da sua rede como o TICE.PT- Cluster para as Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica e a ESMAD- Escola Superior de Media, Artes e Design do Instituto Politécnico do Porto. O TICE.PT representa um forte conhecimento de toda a cadeia de valor das tecnologias de comunicação, assegurando também as interfaces com as PME, o mundo académico e institutos de I&D. A ESMAD constitui uma entidade com fortes competências na área da produção de conteúdos digitais informativos e formativos um dos outputs relevantes previstos no projeto PME Digital. O Projeto conta ainda com a IDC como entidade de assistência técnica. A experiência e conhecimento da IDC ao nível do contexto internacional e no apoio às empresas na transformação digital será também essencial para alcançar os resultados do projeto. Entidades como a Mobinov - Associação do Cluster Automóvel, Associação Plataforma para a Construção Sustentável e da Associação Cluster Portugal Mineral Resources, representam também entidades de apoio ao projeto e que facilitarão o conhecimento das fileiras e o contacto com as PME. Um dos outputs mais importantes que o projeto pretende alcançar será a plataforma “HUB acelerador digital”, que por um lado facilitará o apoio às organizações nos processos de transformação digital e digitalização, e por outro a interação entre as PME, as entidades detentoras de conhecimento científico e as entidades fornecedoras de soluções. Como outputs relevantes destacam-se também a disponibilização de uma ferramenta para a avaliação da maturidade para a transformação digital das PME nas dimensões empresariais referidas anteriormente; Conteúdos formativos e informativos; Estudos de benchmarking nacional e internacional no âmbito da transformação digital; Sessões de informação e sensibilização das PME, bem como um concurso onde algumas PME serão selecionadas para um diagnóstico detalhado da sua maturidade digital, que fornecerá um roadmap para a transformação digital em sintonia com a suas estratégias empresariais e objetivos de negócio. IMPORTÂNCIA DO PROJETO PME DIGITAL PARA A ECONOMIA NACIONAL A Europa enfrenta atualmente importantes desafios relacionados com a necessidade de adoção do novo paradigma industrial, a indústria 4.0 com diferentes impactos quer ao nível de cada estado membro, a nível regional e a nível das empresas que compõe o tecido empresarial. Fazer face a estes desafios com políticas, incentivos e mecanismos adequados, privilegiando na inovação e as ferramentas e tecnologias I4.0, resulta em maior capacidade de gerar investimento local e consequentemente, novos empregos. Tendo por base a Estratégia Regional de Investigação e Inovação para a Especialização Inteligente (RIS3) e os Estudos setoriais - que se constituem como os quadros de referência para a definição das políticas regionais de desenvolvimento das regiões Norte, Centro e Alentejo - o projeto apresenta um forte contributo para as políticas definidas no que concerne à competitividade empresarial em fileiras estruturantes. Este contributo resulta do forte alinhamento com vários domínios prioritários da RIS3 Nacional como o automóvel, aeronáutica e espaço; habitat; materiais e matérias-primas, tecnologias de produção e indústrias de processo e produto e TIC. No que concerne a intensidade dos impactos na competitividade critica local e regional para o Norte, Centro e Alentejo, destacam-se alguns dos resultados que se preconizam no projeto PME Digital: I. Alteração de comportamentos face à importância da gestão empresarial, suportada em ferramentas e tecnologias I4.0, como um recurso crítico para a competitividade. II. Capacitação dos empresários para a transformação digital e implementação de ferramentas, tecnologias, e metodologias I4.0. III. Promoção de um maior espírito cooperante entre empresas do setor e entre estas e o Sistema Científico Tecnológico Nacional. IV. O potencial de alavancagem junto dos setores-satélite das fileiras estudadas, a montante e a jusante. V. A capacidade de transferibilidade do modelo deste projeto para outros setores e outras regiões. VI. A projeção e visibilidade das fileiras abordadas para o País, que se prepara para a adoção da Indústria 4.0. IMPORTÂNCIA DO PROJETO PARA AS PME As PME são espinha dorsal e o alicerce da maioria das economias e Portugal não é exceção. No entanto, para se manterem competitivas, têm constantemente de adaptar os seus produtos e serviços a mercados em permanente e acelerada mudança devido aos avanços JOSÉ MEDINA | DIRETOR, ISQ José Medina é licenciado em Engenharia Eletrónica e de Telecomunicações com Pós-graduação em Engenharia da Qualidade pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e Pós- -graduação em Gestão, Economia e Gestão Empresarial pela AESE Business Scholl. Iniciou a sua atividade no Instituto Eletrotécnico Português como técnico de laboratório. Em 1998 integra os quadros do ISQ como responsável pela Gestão dos Laboratórios de Metrologia Elétrica, Acústica e Ótica do Laboratório de Metrologia. tecnológicos e comportamentos dos consumidores. Adicionalmente, as PME têm o potencial de serem a fundação para um crescimento económico sustentável se lhes forem disponibilizadas as ferramentas e o suporte adequados. No entanto, no contexto da I4.0, as PME são muitas vezes confrontadas com constrangimentos principalmente ligados aos elevados custos/riscos associados ao investimento necessário e à pouca informação disponível acerca da temática. Esta situação induz a uma falta de clareza por parte dos empresários relativamente aos benefícios que advêm da adoção de metodologias, tecnologias e ferramentas I4.0. As preocupações relacionadas com a diminuição dos custos de exploração das PME, e com a necessidade de criação de produtos diferenciados para uma maior competitividade num mercado global, são por demais evidentes em particular nas pequenas empresas. Nestas empresas a minimização dos custos de exploração é essencial para uma permanência sustentada no mercado atual. Neste contexto, a transformação digital das PME traduz-se como um dos principais fatores impulsionadores da competitividade empresarial, revelando-se uma resposta altamente eficaz para adoção de novas práticas de gestão. CONCLUSÃO A cadeia de valor digital assentará em novos modelos de negócio suportados por planeamentos colaborativos entre clientes, parceiros e fornecedores. Está experiência inovadora de cocriação com interação entre partes distintas deverá ser orientada para uma resposta digital efetiva. Esta resposta deve permitir acoplar e integrar soluções de conetividade e de gestão, capazes de orientar as PME na obtenção contínua de um negócio mais fiável, mais sustentável e mais competitivo. Assumir este desafio, bem como entender a atual alteração de paradigma é fundamental. De 2003 a 2008 foi responsável do Laboratório de Metrologia do ISQ. Desde 2009 é Diretor da Direção de Laboratórios do ISQ que engloba os Laboratórios de Metrologia, Laboratório de Química e Laboratório de Ensaios Elétricos e de Compatibilidade Eletromagnética. É também Presidente do Conselho de Administração do Centro Nacional de Embalagens, Gerente do Labmetro Espanha e Gerente do Labiagro - Laboratório Químico e Microbiológico.

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt