Views
8 months ago

Digital Union: Soberania Digital & Cibersegurança

2ª SESSÃO | DIGITAL

2ª SESSÃO | DIGITAL UNION: SOBERANIA DIGITAL & CIBERSEGURANÇA “Temos que fazer este pensamento conjunto, porque só assim é que efetivamente teremos algo a dizer nas três dimensões do digital, sobretudo na tecnológica. Aprendemos alguma coisa, agora vamos ver se somos consequentes e de transformamos isso em ações o nível europeu ou se cada estado-membro trata da sua vida separadamente. Era o que esperaria que acontecesse”, acrescenta. Awareness, comunicação e resiliência foram as grandes aprendizagens retiradas pela EDP no ataque informático de que foi alvo em abril do ano passado. Paulo Moniz explica que a detentora de uma infraestrutura crítica nacional tem a “obrigação e o dever de aproveitar a situação para construir coisas melhores. O ataque criou awareness, pois ficámos muito mais alerta, quando acontece alguma coisa. Os efeitos criaram urgência e premência e consciencialização dentro da organização”. Fator essencial é também, na sua ótica, a comunicação. “Todos temos um meio de comunicação nas nossas mãos e é muito natural haver descontrolo da informação que sai, gerando-se uma onda que provoca reações, nomeadamente de receio nos stakeholders”, pelo que há que, através dos canais de comunicação com todas as entidades, fazer uma informação correta, não deixando que esta se propague de forma descontrolada. Finalmente, na resiliência, “qualquer operador tem que ter planos de segurança, para ter continuidade do negócio”. CENTRAR E CONJUGAR ESFORÇOS Mas, apesar das empresas terem planos de backup, há um conjunto de vulnerabilidades que continuam a ser detetadas. É que, “com motivação, os hackers podem sempre entrar nas organizações, mesmo aquelas que implementam soluções defensivas”, garante André Baptista. Uma das soluções para complementar esta defesa passa pelo ataque, com o recurso ao hacking para “tentar encontrar vulnerabilidades complexas de explorar” e, dessa forma, as prevenir. E garante que Portugal tem talento, como ficou provado no recente European Cybersecurity Challenge 2021, organizado pela ENISA, onde a equipa nacional ficou na 7ª posição entre 19 países concorrentes. O problema é que os melhores continuam a sair do país para grandes grupos internacionais. “Precisamos de investir à séria na educação e na formação e as nossas organizações têm que conseguir oferecer competitividade de mercado, evitando que as pessoas saiam do país, porque são necessárias em termos de defesa. Há já exemplos de países que criaram unidades de defesa ofensiva e a Europa e Portugal têm que investir nesta área”, remata. Um dos temas abordados foi a certificação em cibersegurança, com duas frentes a serem trabalhadas: a certificação de conformidade com o Quadro Nacional de Referência em Cibersegurança e o selo digital, uma medida prioritária do Portugal Digital. António Gameiro Marques diz que o CNCS tem neste momento tudo o que é necessário para desenvolver a framework e criar as entidades que vão fazer a acreditação, assegurando ainda o respetivo financiamento, não só para criar todo o processo, mas também para ajudar as empresas. Mas Paulo Moniz deixa claro que “uma orienta-

9 ção puramente por compliance pode não representar uma segurança. O tema da certificação tem esta nuance, do lado mais negro do cenário”. Terá assim de ser uma certificação “orientada ao risco, sob pena de se poder ter uma falsa sensação de segurança”. Mas ajuda claramente “num processo de supply chain. Temos uma cadeia de valor imensa, que é um aspeto crucial em cibersegurança. O facto de ter este processo mais facilitado na triagem aos fornecedores dá muito mais confiança às organizações e à sociedade. Será uma certificação muito bem-vinda, se for bem feita”, remata. Também André Baptista diz que as “certificações, por si só, não serão suficientes para conseguir garantir a segurança. É completamente impossível estamos 100% seguros. Há sempre vulnerabilidades a surgir porque se trata do jogo do gato e do rato. É uma questão de colocar esforços e minimizar a probabilidade de se sofrerem ataques. E, ainda assim, podemos sempre ser atacados, como o mostra o recente caso do Twitch”. Sobre a segurança das redes 5G, uma preocupação que levou até Bruxelas a apresentar uma toolbox, António Gameiro Marques deixa claro que o 5G se trata de um “assunto fundamentalmente do regulador Anacom”. Ainda assim, o CNCS trabalhou no desenvolvimento de um primeiro estudo de risco para aprofundar o tema e contribuir para a toolbox da CE, produzindo um conjunto de recomendações que foram entregues às tutelas. Uma delas foi a de que o Conselho de Segurança do Ciberespaço se deverá pronunciar sobre as grandes opções tecnológicas das soluções 5G a colocar em Portugal. E relembra que “há que estar em alinhamento com as orientações de Bruxelas. Todos sabemos que a questão mais importante do 5G não é tecnológica, mas sim geoestratégica”.•

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt