Views
9 months ago

Digital Union: Soberania Digital & Cibersegurança

2ª SESSÃO | DIGITAL

2ª SESSÃO | DIGITAL UNION: SOBERANIA DIGITAL & CIBERSEGURANÇA André Baptista Security researcher and bug bounty hunter; Professor at University of Porto; Founder & CTO at PENTHACK “Em 2020 fomos invadidos pela era digital e há uma dependência clara dos processos tecnológicos. Temos que saber desligar. Às vezes é preciso fazer um reset e ver quais os efeitos da utilização massiva de tecnologia” “Será que dependemos das redes e das tecnologias e somos controlados por elas? As tecnologias facilitam a nossa vida, tornam tudo mais fácil, mas serão uma ameaça? A internet está em desenvolvimento e os seus efeitos sociais são imprevisíveis. Conseguiremos ter liberdade e soberania digital a mesmo tempo? Espero que sim” “Apesar das empresas terem planos de backup e implementações de segurança, há hackers como motivação. Uma das soluções que complementam esta defesa é o ataque, tentando encontrar vulnerabilidades complexas de explorar, com o talento qualificado para isso” Paulo Moniz Information Security & IT Risk, EDP “Todos os sistemas que funcionam à nossa volta estão impregnados de tecnologia, que é cada vez mais commodity vulnerável. No mundo digital, por muitos esforços que existam, só a atuação das entidades não é suficiente para defender a nossa soberania. Num conceito de guerra digital, um ataque pode ser feito até por uma pen” “Awareness, comunicação e resiliência são fundamentais num ataque informático. Quando nos acontece, ficamos muito mais alertas para tudo” “Qualquer operador tem que ter planos de segurança, para garantir continuidade do negócio. É certo que os backups são cada vez mais tecnológicos e também eles são atacáveis. Mas a ideia é ter resiliência: quando a organização sofre um impacto, seja digital ou não, tem que ter um plano de emergência e de continuidade de negócio. Nunca pode ser esquecido”

7 centrar para recuperar alguma soberania, que será precisamente nos dados, incluindo os metadados sobre nos próprios. Não podemos deixar que continuem a ser guardados fora do território europeu. A soberania digital que não está perdida, mas está muito debilitada”. Reiterando as afirmações de António Gameiro Marques, Paulo Moniz, Information Security & IT Risk da EDP não tem dúvidas de que, cada vez mais, todas as infraestruturas e sistemas que funcionam à nossa volta estão “impregnados de tecnologia, ela própria cada vez mais uma commodity vulnerável aos riscos digitais”. “No mundo digital, nas infraestruturas controladas digitalmente, por muitos esforços que se façam, só a atuação das entidades não é suficiente para defender a nossa soberania. Acho que isso está a ficar claro com a legislação europeia. Num conceito de guerra digital e de um ataque à nossa soberania por via digital, a defesa não pode ser só feita pelo que conhecemos no mundo convencional. É que um ataque pode vir até de uma pen”, considera, pelo que além da regulação, há que ter a certeza de que “as organizações asseguram a segurança do seu negócio, mas também da sociedade como um todo”. DEFINIR O QUE É ESSENCIAL Já André Baptista, security researcher and bug bounty hunter, professor da Universidade do Porto e fundador e CTO da startup PEN- THACK, centrada em serviços de cibersegurança disruptivos e inovadores, mostra-se muito preocupado com os impactos do digital na vida das pessoas, sobretudo nas faixas etárias mais novas. “Esta era digital em que vivemos teve início no ano passado, com a pandemia e a com a invasão e dependência clara dos processos tecnológicos. Não era uma realidade nova, mas claramente acelerou. Entrar o digital tem sido um mergulho, mas Temos de saber desligar e parar. Às vezes é preciso fazer um reset”, alerta. Destacando o apagão das plataformas do Facebook, que “veio demonstrar e colocar várias questões. Será que dependemos das redes e das tecnologias e somos controlados por elas?”, considera que “temos que ver os efeitos da utilização massiva da tecnologia. Ela facilita a nossa vida, torna tudo mais fácil e rápido, mas será já uma ameaça à liberdade?” Apesar da CE ter vindo a desenvolver um conjunto de iniciativas na área de cibersegurança, o facto é que “os ataques têm vindo a tornarse cada vez mais frequentes e sofisticados, com efeitos devastadores a nível pessoal e coletivo”. Por isso, o caminho terá que passar, nomeadamente, por colocar os hackers a defender a Europa, com “tecnologias modernas de segurança da informação, através do poder do hacking. A internet está em desenvolvimento e os efeitos sociais são imprevisíveis. Conseguimos ter liberdade ou soberania digital a mesmo tempo? Espero que sim”, remata. Questionado sobre se a Europa ainda tem espaço para ganhar algum do tempo perdido no que respeita à soberania tecnológica mundial, o líder do GNS considera que “não poderá tentar reganhar a soberania fazendo coisas que outros já fazem melhor”. Sendo a UE um “grande espaço económico onde a centralidade do ser humano releva em relação aos outros”, defende que há que definir o que é essencial que esteja sediado na Europa no domínio digital.

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt