Views
8 months ago

Digital Union: Soberania Digital & Cibersegurança

2ª SESSÃO | DIGITAL

2ª SESSÃO | DIGITAL UNION: SOBERANIA DIGITAL & CIBERSEGURANÇA Que soberania queremos na Europa a 27? Perdida a batalha da soberania tecnológica, a UE terá que saber definir o que quer ter sediado no espaço europeu em termos digitais. Com ações que envolvam todos, para garantir que ganha soberania digital. A cibersegurança é essencial neste processo, mas o novo pacote de medidas não chega para reganhar relevância. O PAPEL DA CIBERSEGURANÇA é central no reforço da soberania digital europeia. Mas, embora estejam a ser dados passos importantes, a UE já foi ultrapassada em termos tecnológicos por outras geografias, pelo que as pessoas e os processos terão de ser agora a aposta. Há que saber gerir a proliferação e complexidade do quadro legislativo, sob pena do seu impacto nas organizações e na sua defesa contra as crescentes ameaças cibernéticas. A adoção de tecnologias modernas de segurança da informação, através do poder do hacking, é um dos caminhos, até porque está sempre tudo a mudar no mundo online e a imprevisibilidade é única constante, como ficou claro nesta 2ª sessão do ciclo ‘Digital Union’, uma parceria da APDC com a VdA para analisar os grandes temas do digital, que decorreu a 7 de outubro. O tema da soberania digital, se já era debatido na Europa nos últimos anos, ganhou uma nova dimensão com a pandemia de Covid-19 e a crescente dependência das tecnologias digitais. É que a realidade veio mostrar uma crescente dependência de um diminuto grupo de empresas globais, sediadas fora do espaço comunitário, que controlo o mercado e os dados das pessoas e das organizações, começou por alertar Inês Antas de Barros, Associada Coordenadora da VdA, na sua apresentação inicial sobre o tema desta iniciativa: Soberania Digital & Cibersegurança. Bruxelas tem a consciência da perda de controlo sobre os dados pessoais na UE, assim como da dificuldade em criar e implementar legislação, o que coloca em risco o desenvolvimento económico, já que as poucas empresas tecnológicas europeias que existem apenas operam em nichos de mercado. Acrescem as preocupações em termos do impacto social desta realidade, com o aumento do digital divide e das ameaças ambientais, e uma “crescente vulnerabilidade ao cibercrime e aos ataques”, explica. Por isso, “o legislador europeu, percebendo o que são as fraquezas da UE relativamente à

3 Bruxelas tem várias iniciativas já aprovadas e outras em processo de aprovação, de forma a responder à dependência excessiva de tecnologia estrangeira, ao número reduzido de fornecedores e à utilização dos dados de forma transparente soberania digital, decidiu atuar. Há várias iniciativas já aprovadas e outras em processo de aprovação, para responder à dependência excessiva de tecnologia estrangeira, a um número reduzido de fornecedores e à utilização dos dados para diferentes finalidades e de uma forma não transparente”. Assim, além da aprovação da Estratégia Digital Europeia, foram definidas várias ações para consolidar a soberania digital: regulamento dos serviços digitais, estratégia para os dados, regulamento dos mercados digitais, estratégia industrial, conetividade, computação de alto desempenho, conetividade, competências digitais e cibersegurança. O objetivo é colocar a tecnologia ao serviço dos cidadãos, criar uma economia digital justa e competitiva e fomentar uma sociedade aberta e justa, acrescentou. UM PAPEL CENTRAL O papel da cibersegurança é central e Inês Antas de Barros detalha que são cinco os objetivos da UE neste âmbito. A começar pelo reforço da resiliência coletiva da Europa contra ciberameaças, assim como o reforço da liderança da UE em termos de regras e normas internacionais do ciberespaço e o aumento da confiança dos cidadãos e empresas nos serviços e ferramentas digitais. A promoção de um ciberespaço à escala mundial aberto, estável e seguro e o reforço da soberania tecnológica também são metas para todos os estados-membros.

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt