APDCPT
Views
8 months ago

COMUNICAÇÕES 245 - O Ímpeto Reformista de Pedro Tavares

Fomos ver o que está a acontecer na Justiça, num À CONVERSA com o secretario de Estado da Justiça. À frente de uma das áreas mais difíceis há um ano, Pedro Tavares diz que o dinheiro do PRR dá ao país uma oportunidade única. E são muitas as mudanças em curso, através do digital e da tecnologia, com os desafios a atropelarem-se todos os dias. E está preparado para a tarefa hercúlea. O novo ChatGPT está EM DESTAQUE, já que veio provocar um terramoto na IA, com a análise de quem está dentro do tema. Há um NEGÓCIO que promete revolucionar tudo nos media: falamos da web3. No MANAGEMENT, fica claro que a procura de talento vai aumentar e que os profissionais têm menos vontade de mudar, apesar de estarem mais insatisfeitos do que nunca. Fomos ainda fazer 5 PERGUNTAS a Nuno Silva, o novo head of Hybrid and Multi-cloud da Devoteam. E convidámos Bruno Santos, executive director da Capgemini Engineering, para o ITECH.

management 46

management 46 de passar pela diferenciação, com uma aposta forte na tecnologia. “Não somos uma economia que consiga massificar, não temos condições para tal. Por isso, temos de trabalhar a qualidade. Temos bons exemplos de empresas que exportam para o mundo, aportando qualidade”, destaca. INSATISFAção sobe, receios ainda mais Há outro fator que representa um novo entrave à contratação de talento: os profissionais começam a mostrar que não estão dispostos a mudar de emprego. O Guia da Hays mostra que a disponibilidade para uma mudança de emprego de 70% dos empregados, acusa uma queda de 4% face a um ano antes. Na área das TI, é de apenas 59%. Em paralelo, os profissionais nunca estiveram tão insatisfeitos. No top 3 de razões para terem avançado com uma mudança de emprego em 2022 foram apontadas a falta de progressão de carreira (para 66%); o salário reduzido (56%); e a falta de oportunidades de desenvolvimento/formação (48%). E, de uma forma geral, todos os entrevistados se mostram insatisfeitos com os seus empregadores em termos de perspetivas de progressão (68%), prémios de desempenho (67%), salário (63%), formação (56%) e comunicação interna (55%). Esta aparente contradição pode ser explicada pelo atual momento que se vive na Europa, que está a ter fortes impactos na vida das pessoas. “A instabilidade é cada vez maior e deixámos de jogar entre o certo e o incerto. O ano de 2022 foi de ressaca da pandemia, de início da guerra e de novas incertezas. Os profissionais estão insatisfeitos, mas também não antecipam que uma mudança possa ser proveitosa”, explica o gestor. “Todas as incertezas trazem paradoxos aos profissionais. Há oportunidades de mercado, mas qual é o risco real da mudança? No final do ano passado, com a crise das criptomoedas, tivemos muitos profissionais que ficaram traumatizados e querem agora mais estabilidade”, acrescenta. Resultado: a contratação de talento qualificado está cada vez mais complexa e difícil. O caminho terá de passar por uma aposta estratégica e crescente na requalificação de pessoas, com reskilling e upskilling. “A capacidade de adaptação orgânica do Ensino Superior ao que são as necessidades das empresas tem de ser, A grande novidade é que os profissionais agora começam a mostrar que não estão dispostos a mudar de emprego cada vez mais, um imperativo. Não podemos continuar a trabalhar com três anos de formação académica para ter, no final, pessoas sem competências que sejam valorizadas pelo mercado. Não faz sentido”, diz. Para este responsável, o país tem profissionais muito qualificados e muito maduros, mas não em quantidade suficiente: “Tem de haver um trabalho conjunto entre a sociedade civil, governo e empresas, para criar condições para que todos tenham acesso a formação e novas competências. A ideia de um trabalho para a vida desapareceu e temos de estar sempre a evoluir”. E exemplifica: “Alguns dos melhores profissionais de analytics vêm das áreas da contabilidade e da matemática, que nunca sequer estiveram relacionados com as tecnologias. Com uma requalificação, tornaram-se extremamente relevantes para o mercado de trabalho”. Uma alternativa é a atração de talento estrangeiro para o país, nomeadamente do Brasil. Outro desafio identificado no estudo são as discrepâncias entre as expetativas dos empregadores e do talento e os pontos que ambas as partes valorizam. No caso da oferta salarial e do plano de carreira, a percentagem de profissionais que os valorizam é muito superior à de empregadores que dizem estar entre os pontos fortes para a atração e retenção de talento. Nos benefícios, prémios de desempenho e planos de formação, a situação é similar. Já fatores considerados relevantes para os empregadores, como a dimensão da empresa, o prestígio no mercado e o ambiente familiar, são pouco valorizados pelos profissionais. “Os temas da cultura e da comunicação são muito importantes dentro de uma organização. O problema é, muitas vezes, a diferença entre a mensagem passada pelas chefias e a perceção dos profissionais, o que leva à criação de entropias e enviesamento dos processos de comunicação. Uma correta gestão de recursos humanos é crítica e é um dos principais desafios que as empresas têm em Portugal. Durante muitos anos, olharam para as pessoas como um custo e não como o principal ativo das empresas”, comenta Gustavo Rodrigues. Para quem o caminho terá de ser de aprendizagem. Para o talento e para as empresas.•

There’s no substitute for experience. Let’s do Cloud Right. dxc.com/CloudRight

Copied successfully!

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt