Views
4 weeks ago

COMUNICAÇÕES 244 - Missão: refundar a rede SIRESP

  • Text
  • Estrategia
  • Cisao
  • Potencial
  • Mudanca
  • Casos
  • Digital
  • Tranformacao
  • Evolve
  • Ecossistema
  • Portugal
  • Futuro
  • Entrevista
  • Emergencia
  • Sistema
  • Catástrofes
  • Infraestrutura
  • Soberania
  • Redes
  • Estado
  • Desafios
À CONVERSA - Paulo Viegas Nunes está a refundar a rede SIRESP | EM DESTAQUE – Saiba tudo sobre o EVOLVE, o grande evento de transformação digital | NEGÓCIOS – Um ano depois, veja os impactos do spinoff da IBM e da criação da Kyndryl | MANAGEMENT - Construir uma cultura de empresa ajustada aos novos tempos é o desafio das lideranças | PORTUGAL DIGITAL – Conheça as ambições do Portugal Tech Hub | APDC NEWS – Veja os mais recentes eventos da Associação | ITECH - Bruno Mota é o entrevistado | 5 PERGUNTAS – a Paolo Favaro, líder da Vantage Towers |

management 46 Os alertas

management 46 Os alertas chegam de todos os lados: o novo modelo de trabalho híbrido veio para ficar, mas persiste uma grande disparidade de posições entre líderes e colaboradores. Não havendo soluções únicas, o caminho passa pela adoção de um modelo flexível e em permanente ajustamento, tendo em conta cada caso concreto. Com uma certeza: os líderes vão mesmo ter de se readaptar aos novos tempos, repensar estratégias e estilos, ser claros e, sobretudo, saber ouvir as suas pessoas. O Work Trend Index Pulse Report da Microsoft, sobre “Hybrid Work Is Just Work. Are We Doing It Wrong?”, mostra a urgência de adotar nova abordagem para o envolvimento dos colaboradores, que dê resposta a uma força de trabalho diferente e que a envolva na cultura e missão da organização. É que o trabalho híbrido tem criado uma desconexão crescente entre colaboradores e líderes, que estão em desacordo sobre o que constitui produtividade, como manter a autonomia enquanto asseguram a responsabilização, os benefícios da flexibilidade e o papel no escritório. Para ajudar os líderes a “navegar” nestas novas realidades do trabalho, o relatório sugere três medidas urgentes a adotar: acabar com a obsessão da produtividade, promovendo a clareza e alinhamento em torno dos objetivos da empresa, eliminando tempo improdutivo e ouvindo os colaboradores; aceitar que as pessoas vão ao escritório umas pelas outras e que a comunicação digital é crucial para as manter ligadas; e “re-recrutar” os seus trabalhadores, permitindo-lhes desenvolver as suas competências internamente. O mercado nacional não é uma exceção a este diagnóstico, admite Paulo Simões, partner da Egon Zehnder, especialista mundial em consultoria de liderança e gestão de talento: “A maior parte dos nossos clientes de empresas industriais diz que tudo voltou a ficar igual a 2019. Os líderes estão a obrigar as pessoas a regressar ao posto de trabalho, com o argumento de que não podem ter áreas, como a produção, a trabalhar no O trabalho híbrido tem criado uma desconexão crescente entre trabalhadores e líderes presencial a 100%, e outras, como a contabilidade ou os recursos humanos, em trabalho remoto. Por isso, estão a tentar forçar as pessoas a voltarem ao escritório”, refere. “Sente-se ainda um clima de grande incerteza por parte dos líderes, que ainda não entenderam como fazer a gestão, de forma sustentável, desta nova realidade”, acrescenta Jorge Valadas, consultor da Egon Zehnder. As estratégias que estão a ser tomadas variam entre setores e de acordo com a dimensão das organizações, mas perante as muitas incógnitas e desafios, “assiste-se a grandes diferenças de perspetivas entre líderes: uns dão opções aos colaboradores, outros optam pelo regresso ao formato presencial e outros até preferem um fully remote, porque entendem que funciona perfeitamente e liberta os custos dos escritórios”. Para este consultor, “líderes e executivos têm de aprender a conviver e a comunicar que há funções que podem ser feitas remotamente e outras não. Porque isto terá ramificações na forma como comunicam a proposta de valor aos colaboradores e como constroem as próprias ofertas de trabalho, quando tentam atrair talento. As pessoas sabem se a função que desempenham pode ou não ser feita remotamente e em que grau. As coisas não são binárias, não têm de ser cinco dias por semana em remoto ou cinco dias por semana presencial. Há mixes que se podem fazer”. EQUILÍBRIOS E TRADE-OFFS E porque não há receitas nem caminhos únicos, terá de se encontrar uma solução de equilíbrio, construída com base em trade-offs. Jorge Valadas defende que “há matizes e nuances que deveriam ser consideradas e que as empresas podem, de forma estruturada, abordar, tendo em conta a situação, o setor em que operam, a cultura que querem criar, o quanto fácil ou difícil é atrair e reter talento, o tipo de talento que precisam…” Sendo “fundamental para as empresas encontrarem este equilíbrio e este grau de flexibilidade”, este

é um processo que vai demorar. Por isso, mais do que “tentar encontrar a forma última e perfeita, de acordo com a regra de ouro, faz mais sentido começar a perceber o que é que funciona em cada departamento, como se comunica, como se gerem as tensões e se ajusta esta proposta de valor. Ou seja, ir ajustando o modelo através de um diálogo aberto entre todos”, acrescenta. A experiência mostra a Paulo Simões que “chegámos agora a um ponto em que esta disrupção deveria fazer com que os líderes estivessem mais atentos ao tema de como está a mudar a cultura empresarial e como está a ser percecionada pelos outros. Essa é a parte que nós não vemos, de forma consciente e estruturada nos atuais líderes em Portugal”. Tendo em conta o muito que mudou desde 2019, há que saber aferir como toda a organização perceciona a cultura corporativa e o que é preciso mudar, para alcançar uma visão comum, com convergência entre as pessoas, os processos/sistemas e a estratégia. “Um líder tem de pensar, de mente aberta, sobre o que gostaria que fosse a cultura da empresa e quais são as implicações nas pessoas e no seu desenvolvimento, no talento, nos processos, no cliente… Depois, há que tomar uma decisão consciente e definir as ações a tomar, do ponto de vista do funcionamento da empresa, para ir de encontro a essa visão e objetivo. É isso que põe todos a remar no mesmo sentido”, defende Jorge Valadas, que fala mesmo na necessidade de se criar uma espécie de “mentalidade de startup”, envolvendo-se toda a gente para se motivar toda a gente. Os dois consultores destacam as tecnologias de informação como um dos setores onde já vinham a ser adotados novos formatos de trabalho, como resposta à crescente carência de talento qualificado, num contexto de baixo desemprego e alta procura de pessoas. “A indústria de tecnologia teve de se adaptar e criou modelos de governance das pequenas equipas, com objetivos muito concretos, em que o processo de partilha “A maior parte dos nossos clientes de empresas industriais diz que tudo voltou a ficar igual a 2019”, partilha Paulo Simões está perfeitamente desenhado, e que são paralelos à hierarquia da organização”, explica Paulo Simões. PERCEBER PARA AGIR É neste sentido que se terá de caminhar na generalidade das organizações. “Cada empresa tem de entender para onde quer ir, que tipo de cultura quer fomentar, que valores quer transmitir às suas pessoas. Depois, tem de ser consequente, definindo quais as implicações para as equipas e processos”, deixa claro Jorge Valadas, até tendo em conta que há cada vez mais pessoas, incluindo em Portugal, que estão a sair das organizações quando sentem que já não há um sentido de propósito. A Nokia é um dos exemplos de um grupo que ouviu as suas pessoas antes de tomar decisões no pós-pandemia. Agora, está a adotar novas formas de trabalhar. Sérgio Catalão admite que “há um caminho de aprendizagem a ser feito”, sendo que a prioridade é “criar o 47

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt