Views
4 weeks ago

COMUNICAÇÕES 244 - Missão: refundar a rede SIRESP

  • Text
  • Estrategia
  • Cisao
  • Potencial
  • Mudanca
  • Casos
  • Digital
  • Tranformacao
  • Evolve
  • Ecossistema
  • Portugal
  • Futuro
  • Entrevista
  • Emergencia
  • Sistema
  • Catástrofes
  • Infraestrutura
  • Soberania
  • Redes
  • Estado
  • Desafios
À CONVERSA - Paulo Viegas Nunes está a refundar a rede SIRESP | EM DESTAQUE – Saiba tudo sobre o EVOLVE, o grande evento de transformação digital | NEGÓCIOS – Um ano depois, veja os impactos do spinoff da IBM e da criação da Kyndryl | MANAGEMENT - Construir uma cultura de empresa ajustada aos novos tempos é o desafio das lideranças | PORTUGAL DIGITAL – Conheça as ambições do Portugal Tech Hub | APDC NEWS – Veja os mais recentes eventos da Associação | ITECH - Bruno Mota é o entrevistado | 5 PERGUNTAS – a Paolo Favaro, líder da Vantage Towers |

itech Bruno Mota De

itech Bruno Mota De pequenino se escolhe o destino 38 Aos 12 anos, a tecnologia permitiu-lhe transformar o sonho em realidade. Apaixonado como era por futebol, poder gerir equipas e até colocar em campo um jogador com o seu nome na camisola era bom demais para ser verdade. Esses primeiros jogos eletrónicos determinaram o seu futuro. Texto de Teresa Ribeiro | Fotos de Vítor Gordo/Syncview Não era miúdo para ficar muito tempo em casa. Vivia na linha de Sintra e cresceu num bairro onde moravam muitas crianças da sua idade, em número suficiente para se organizarem em equipas e jogarem ao vivo e a cores. Mas em casa, era o Fifa e outros jogos semelhantes que o prendiam. Como não tinha irmãos, a ação só podia estar dentro do Family Game, onde corriam esses jogos. O fascínio foi tanto que, de certa forma, determinou a sua vida. Decidiu, por essa altura, que quando fosse grande só podia ser engenheiro informático e a verdade é que a ideia nunca o abandonou. Quando chegou o momento, Bruno Mota ingressou no ISEL para frequentar esse curso, que tanto fantasiara. Mas como tantas vezes acontece, o que configurara na sua imaginação não correspondia à realidade. O código afinal não era assim tão sexy e a perspetiva de trabalhar mergulhado na abstração dos números não o encantou. A primeira experiência profissional que teve foi como consultor informático e só serviu para confirmar o que já pressentira: que não tinha vocação para aquilo. Hoje o CEO da Devoteam sabe identificar o que na altura lhe faltava: “Sou uma pessoa de pessoas. Estar sempre em frente a um ecrã de computador não era para mim”. Com base na sua formação académica, percebeu que era possível direcionar a atividade para algo que fosse, para si, mais aliciante: “Depois de ter passado pela Sonae.com como consultor informático, procurei uma área mais comercial dentro do IT e encontrei uma posição como business manager numa empresa que estava a começar”. Foi lá que ganhou experiência como gestor. Para cimentar os seus conhecimentos na área que começava agora a explorar, tirou um curso de gestão empresarial no ISCTE. Depois, aconteceu tudo naturalmente. Quando deu por si já estava com um amigo a lançar uma empresa, a Bold, que depois deu origem à atual Devoteam, que continua a ser a menina dos seus olhos, porque, tal como os jogos de antigamente, lhe proporciona tudo o que deseja: o contacto com pessoas e o desafio de as ajudar a fazer, nas suas empresas, a transformação digital. Nas suas palavras, a transformação digital é uma “never ending story”, porque a tecnologia é uma fonte de criatividade inesgotável. Gosta disso, de adivinhar o que vem a seguir. A tecnologia digital que agora viu ser usada na guerra da Ucrânia deixou-o boquiaberto, pela sofisticação que se atingiu e pelo poder que encerra, para o bem e para o mal. Bruno Mota tem dois filhos. Uma menina com seis e um menino com dois. Diz que já sabem mexer no Google Home para acender as luzes da casa ou pôr música. Acha a sua desenvoltura com a tecnologia normal e a curiosidade que revelam um sinal positivo: “Acredito que são bons os estímulos que recebem nesta interação”, afirma. Como pai, só se preocupa em introduzir regras para que não se transformem em miúdos dependentes. Quanto a ele, confessa que quase nunca desliga: “Talvez só quando vou, às segundas-feiras, com os amigos, jogar futebol (risos)”. Nem nas férias abandona o seu iPhone 11. Lembra-se de, na Tailândia, ter andado a saltar de barco em barco com o portátil atrás – um MacBook Pro –, “porque nesse dia tinha que dar ordem de pagamento dos salários aos meus colaboradores (risos)”. Cuba foi talvez o sítio em que, por questões de rede, teve de se desligar à força. A experiência não o stressou muito, mas não faz questão de a repetir. Também já chegou a atender telefonemas no duche, pois embora depositado a uma distância segura em relação ao chuveiro, deixa o telemóvel suficientemente perto, de modo a que, em caso de necessidade, o possa alcançar. Vive bem com isso. Afinal, como em miúdo, continua apaixonado pela tecnologia…•

Habituou-se ao iPhone não muito tempo depois de terem saído as primeiras versões. Gosta do Macbook Pro porque é leve e simples de transportar Tem um smartwatch da Apple que gosta de utilizar quando sai para fazer corrida: “É para saber qual foi o esforço”, explica 39

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt