Views
4 weeks ago

COMUNICAÇÕES 244 - Missão: refundar a rede SIRESP

  • Text
  • Estrategia
  • Cisao
  • Potencial
  • Mudanca
  • Casos
  • Digital
  • Tranformacao
  • Evolve
  • Ecossistema
  • Portugal
  • Futuro
  • Entrevista
  • Emergencia
  • Sistema
  • Catástrofes
  • Infraestrutura
  • Soberania
  • Redes
  • Estado
  • Desafios
À CONVERSA - Paulo Viegas Nunes está a refundar a rede SIRESP | EM DESTAQUE – Saiba tudo sobre o EVOLVE, o grande evento de transformação digital | NEGÓCIOS – Um ano depois, veja os impactos do spinoff da IBM e da criação da Kyndryl | MANAGEMENT - Construir uma cultura de empresa ajustada aos novos tempos é o desafio das lideranças | PORTUGAL DIGITAL – Conheça as ambições do Portugal Tech Hub | APDC NEWS – Veja os mais recentes eventos da Associação | ITECH - Bruno Mota é o entrevistado | 5 PERGUNTAS – a Paolo Favaro, líder da Vantage Towers |

em destaque 34 O Gémeo

em destaque 34 O Gémeo Digital 5G | Efacec - Altice Centralizar toda a informação de planeamento, operação, qualidade e logística e ao mesmo tempo ter, em tempo real, uma visão global, era a meta. Objetivo: entregar os melhores produtos. A ferramenta implementada, a solução Fábrica 3D (Gémeo Digital) deu resposta, ao criar uma réplica digital do chão de fábrica, animada em tempo real com informação das máquinas e dos trabalhadores, obtida a partir de sensores e de câmaras. “Sentimos a necessidade de ter algo que nos diferenciasse. Em todos os negócios, os clientes estão muito mais exigentes, o que nos obrigou a uma reflexão interna. Tínhamos sistemas produtivos não muito organizados e isso levou-nos a fazer uma reestruturação. Foi uma transformação ao nível industrial, com conhecimento e informação. Conseguimos ter uma fábrica inteligente”, explica Hélder Almeida, diretor de operações da Efacec Power Solutions, para quem “a transformação digital é um dos pilares estratégicos da empresa”. O resultado desta aposta já é bem visível, uma vez que se conseguiu quase duplicar a capacidade numa das linhas de produção e otimizar ainda mais as operações. Foi inevitável meter o 5G num projeto destes, porque alavancou o processamento. Já temos o embrião, agora é só expandir”, acrescenta. Para Mário Seborro, diretor comercial da Altice Empresas, este é um exemplo de “um caso de sucesso no contexto industrial. Com ganhos de produtividade e correção de falhas, informação em tempo real e visão integral de todos os processos de informação. A tecnologia é um enabler, conjugada com os processos e alinhada com a estratégia da organização. Gostamos que os nossos clientes nos desafiem, porque cada caso é um caso”. GORA - Gestão e Operação de Redes de Água | Águas do Douro e Paiva - HPE Numa verdadeira “digitalização das águas”, esta é uma solução de telegestão da água 100% virtual, com integração de sistemas industriais e da qualidade, entre outros, e informação online estruturada, transparente e disponível para os clientes. Trata-se de uma solução tecnológica à medida, para armazenar e tratar os dados de caudais da rede de distribuição, controlar os registos de caudal e pressão para faturação e controlo de perdas. “O GORA é um projeto que envolve muitas áreas da empresa e todas as componentes operacionais, tecnológicas e de compras. É completamente transversal, com uma visão clara da administração em projetos de valor acrescentado que trazem qualidade de serviço e de organização. Inovar tem de impactar e trazer valor acrescentado para as empresas, clientes e parceiros”, comenta Carlos Fernandes, coordenador de sistemas de informação & CISO da Águas do Douro e Paiva. Sendo o desafio “a manutenção da solução, potenciar as infraestruturas e desenvolvê-las ainda mais”, a parceria com a HPE surge de forma natural, porque “é um projeto de vários anos, só possível com parceiros de qualidade”. “Estar envolvido neste projeto toca em dois ativos muito relevantes: os dados e a componente da água, que é fundamental. Temos uma presença muito forte no setor público, de uma forma geral, e estamos muito habituados a este tipo de exigência. Garantindo o nível de resposta adequado, para que não haja interrupções num bem essencial como é a água”, destaca Carlos Leite, southern Europe head of partner sales & Portugal managing director da HPE. Que deixa claro: “Endereçamos a tecnologia que o cliente precisa, evitando desperdícios”. 5G na Gestão de Cargas | Administração do Porto de Aveiro – Ericsson - VoDAfone É um exemplo de utilização do 5G. Destina-se a monitorizar e gerir a carga em tempo real, através de soluções de replicação digital e de aplicações e dispositivos de realidade virtual e realidade aumentada. Permite ainda reduzir a pegada ambiental das atividades e melhorar a eficiência, segurança e rentabilidade das operações. Assenta numa rede privada 5G de última geração, em software logístico dedicado e em câmaras de alta-definição. Ricardo Mendes, técnico superior de informática da Administração do Porto de Aveiro, destaca os objetivos: ser um smart, blue e green port.

“Temos 66 hectares de porto que precisamos de gerir muito bem, partilhados com terceiros. Queremos aumentar a eficiência e descer emissões, com redução de custos associados à operação, através da sensorização do porto”. No início de 2023, serão verificados os resultados e as eficiências obtidas pelo projeto, acrescenta Nuno Roso, head of digital services da Ericsson, que adianta que o projeto surge na sequência de um outro introduzido no Porto de Livorno, com resultados muito positivos. Assenta numa rede 5G, conjugada com outras tecnologias, como realidade aumentada e virtual e um expert system. “A componente do 5G foi a mais fácil, mas pôr a funcionar as coisas no mundo real, com processos reais, é o desafio”, diz. “Este projeto foi construído com base numa rede privada 5G, o que permite a confidencialidade absoluta, essencial em muitas áreas, assim como o processamento local, com o edge computing. A computação de todo este tipo de aplicações é feita localmente e junto da rede e as latências são muito mais baixas, sem atrasos”, explica Fernando Videira, desenho e pré-venda de soluções empresariais da Vodafone. Com o objetivo de ser um smart, blue e green port, o Porto de Aveiro deu ok a um projeto construído com base numa rede privada de 5G, que permite a confidencialidade absoluta O trabalho colaborativo como enabler para a nova organização do grupo EDP | EDP - Minsait O projeto central de restruturação das salas de videoconferência do grupo arrancou em 2021, para garantir o melhor regresso possível dos colaboradores aos escritórios no pós-pandemia nas diferentes geografias, e responder aos desafios dos novos modelos de trabalho. Foi instalada em todo o universo EDP e mudou significativamente a vida e a rotina dos colaboradores, reforçando a aposta na transformação digital dos locais de trabalho (smart workspace) e na inovação do modo de trabalhar. Esta solução surgiu não só da necessidade de responder à pandemia, mas da adaptação a uma nova forma de trabalhar, não por geografia, mas por plataformas globais de negócio, com colaboradores de várias nacionalidades, explica Marta Belo, corporate services director da EDP Global Solutions - Shared Services. Para comunicar de “forma instantânea e colaborativa, com salas de reuniões que, no futuro, podem trazer a realidade para o virtual, com o metaverso”, a opção recaiu sobre uma tecnologia que permite trabalhar em modo híbrido e multi-geográfico. Uma forma de inovar “se não tivermos medo de arriscar, fazendo pilotos e parcerias, para aprender em conjunto”, diz esta responsável. João Januário, responsável pela energia da Minsait em Portugal, diz que o projeto assenta numa plataforma que responde ao trabalho colaborativo, sendo o projeto desenvolvido com a Microsoft e a Poli. “Este tipo de solução permite que as pessoas percebam que faz sentido trabalhar em comunidade e em colaboração, porque só assim se consegue evoluir. Nas empresas, temos ainda de perceber para onde vão os nossos clientes porque, cada vez mais, somos um ecossistema onde todos temos de trabalhar em conjunto”, considera. Customer Data Hub | FideliDADe – DXC O objetivo é transformar a forma como se utilizam os dados, como princípio central da estratégia de transformação digital para uma organização focada no cliente. A criação do Customer Data Hub vai alimentar iniciativas data-driven para melhorar o relacionamento com os clientes e criar oportunidades de crescimento. “Este projeto acaba por ser um pilar de ativação de uma estratégia omnicanal. O que pretendemos, que é essencial numa organização com heterogeneidade de sistemas e alguma dispersão de dados, é ter uma visão 360 sobre o cliente. O que não é propriamente algo simples” considera António Dias, enterprise architect da Fidelidade. A solução encontrada foi a ideal, na sua perspetiva: “Trata-se de uma plataforma extremamente simples, a curva de aprendizagem é curta e os conceitos são quase intuitivos. O que acaba por ser um valor. No tema da escala, foi com surpresa agradável que se viu esmagar montanhas de informação em 35

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt