Views
4 weeks ago

COMUNICAÇÕES 244 - Missão: refundar a rede SIRESP

  • Text
  • Estrategia
  • Cisao
  • Potencial
  • Mudanca
  • Casos
  • Digital
  • Tranformacao
  • Evolve
  • Ecossistema
  • Portugal
  • Futuro
  • Entrevista
  • Emergencia
  • Sistema
  • Catástrofes
  • Infraestrutura
  • Soberania
  • Redes
  • Estado
  • Desafios
À CONVERSA - Paulo Viegas Nunes está a refundar a rede SIRESP | EM DESTAQUE – Saiba tudo sobre o EVOLVE, o grande evento de transformação digital | NEGÓCIOS – Um ano depois, veja os impactos do spinoff da IBM e da criação da Kyndryl | MANAGEMENT - Construir uma cultura de empresa ajustada aos novos tempos é o desafio das lideranças | PORTUGAL DIGITAL – Conheça as ambições do Portugal Tech Hub | APDC NEWS – Veja os mais recentes eventos da Associação | ITECH - Bruno Mota é o entrevistado | 5 PERGUNTAS – a Paolo Favaro, líder da Vantage Towers |

em destaque mentos, com

em destaque mentos, com simplificação dos modelos de implementação e redução do time-to-market, para permitir soluções de novos produtos e melhoria de experiências digitais dos clientes, acrescenta Carlos Santana, founder & manager da CMAS Systems, para quem “só assim se fideliza e cria confiança nas organizações”. ter uma forma inteligente de analisar a informação”, Sandra Monraia, sales director da Inetum, diz que a solução desenvolvida pela empresa, além de ser de gestão documental, é ainda de processos de negócio, de segurança e de usabilidade. Foi o que se instalou, faltando ainda introduzir a componente de BI, para tirar partido dos indicadores de gestão. head of corporate communications do Millennium bcp. No fundo, foi pegar no Microsoft Teams e levar a sua utilização a outro nível, profissionalizando-o, adianta Manuel Faria, customer success manager da Microsoft, que diz que o grupo “teve a capacidade de fazer a captação de eventos em tempo real e em streaming, criando conteúdos relevantes e profissionais. A facilidade de adoção da tecnologia permitiu a sua rápida aceitação”. 32 Evolução Digital ao Serviço da EduCAção | Instituto Politécnico de Tomar - Inetum Criar novas formas de trabalho e um novo modelo de interação com os principais stakeholders foram as metas que levaram o Politécnico de Tomar a adotar um processo de transformação digital e de evolução dos sistemas de gestão da informação e processos. Permitiu ainda melhorar a qualidade do serviço prestado, otimizar recursos, automatizar processos e garantir uma total conformidade com os requisitos de segurança em vigor na gestão documental. “Devemos estar preparados e com alguma consciência do que pode acontecer, com ferramentas que nos possam dar alguns alertas através de sistemas implementados. Com esta atualização de programas, queremos ter várias funcionalidades que até agora não tínhamos, como a análise de indicadores de gestão e a agilidade de processos. Transformar é algo que tem de se focar na melhoria”, assegura Joaquim Pombo, IT manager do Instituto Politécnico de Tomar. Porque as “organizações precisam de Transformação DA Estratégia e Canais de ComuniCAção | Millennium BCP - Microsoft Com a pandemia, o Millennium BCP procurou formas inovadoras de comunicação para manter o negócio a correr de forma natural. Assim, implementou o Microsoft Teams Live Events, passando a produzir uma série de eventos, desde conferências a webinars, numa solução destinada a dinamizar as comunicações com colaboradores, clientes e outros stakeholders, de uma forma totalmente inovadora no setor financeiro em Portugal. “O início da pandemia obrigou-nos a repensar tudo, porque tivemos de passar do real para o virtual. Foi um desafio, porque metade das nossas pessoas estão centralizadas e a outra metade nos vários balcões. Precisamos de um fluxo de informação o mais normal possível, por isso, fizemos em tempo recorde este processo de transformação para puxar para dentro do banco a utilização diária das plataformas Microsoft 365 para fazer momentos presenciais digitalmente”, explica Erik Burns, 1° Porto 5G | APDL - NOS Apoiar na segurança do perímetro do porto com elevada flexibilidade e eficiência. Dar assistência aos pilotos dos navios nas suas manobras, através de uma visão aérea e com integração com GPS dos navios para seguimento automático. Facilitar a inspeção de infraestruturas, evitando a necessidade de andaimes e permitindo executar estas tarefas de forma muito mais frequente, eficiente e flexível – foram as metas do projeto, que assenta na implementação de um drone, com recurso a tecnologia móvel 5G. Hugo Bastos, diretor de sistemas de informação da APDL, não tem dúvidas de que “a tecnologia está a mudar a forma como os portos operam. Sendo ecossistemas muito vastos, em que trabalham diversas entidades, têm dificuldades de conectividade”. Porque o 5G já estava no radar e houve uma vontade comum, “pensámos num piloto que nos permitisse obter ganhos rápidos e mostrar a capacidade da tecnologia aos stakeholders e equipas. Atingi-

mos os objetivos, para começar uma transformação da conectividade, a fim de desenvolver os nossos projetos de transformação digital, como a sensorização. O 5G traz um grande contributo, para potenciar outras tecnologias e integrar todas as cadeias logísticas”, acrescenta. Mas houve desafios em termos tecnológicos, a começar pela robustez do drone físico, num cenário de porto. Depois, a segurança, porque no controlo dos navios, o drone tem de tomar decisões autónomas. Por fim, a usabilidade, uma vez que a solução tem de ser útil. Pedro Machado, head of B2B new business da NOS, adianta que “no final, o ponto crítico foi a capacidade para desenvolver uma solução à medida dos desafios concretos”. Microserviços em Cloud | CTT – Devoteam Primeiro, criou-se um protótipo do Portal de Provedores. Depois, templates de acordo com as regras do negócio, para permitir replicar a tecnologia em situações futuras noutras áreas e processos, de forma encapsulada, escalável, rápida e com possibilidade de gestão independente. Além das vantagens específicas para o negócio, há todas as vantagens dos microsserviços em cloud: facilidade e rapidez, maior flexibilidade da infraestrutura, escalabilidade dos serviços, criação de serviços standard e reutilizáveis, redução de custos e perdas e desenvolvimento de práticas DevOps e colaborativas. Rui Pedro Saraiva, CTO dos CTT, diz que o grupo quer criar ecossistemas, através de uma estratégia de omnicanal. Por isso, tudo tem de ser muito costumizável e adaptado às necessidades de negócio, ficando as energias no que é diferenciador. “Para isso, temos de aproveitar o que a cloud nos traz de bom, usando-a em nosso proveito. Como todas as empresas, ou criamos, ou sofremos disrupção. Quem não se ajusta vai estar fora do mercado. O facto de termos 500 anos de história não nos garante o futuro. Temos de olhar para a tecnologia para nos transformar”. Esta tem sido uma transformação digital extensa e com um legado muito grande, deixa claro Bruno Tavares, CTO da Devoteam. Teve de haver “caminho de transição em cima de uma arquitetura já existente”, escolhendo-se as “tecnologias certas para a missão. A transformação vai demorar algum tempo e funciona muito por conseguir dar capacidade ao negócio para criar produtos e funcionalidades diferentes”. A plataforma que foi criada “é a base para a mudança dos próximos tempos e há ainda que fazer muitas migrações de conteúdos”, mas permite agilidade de entrega e de experimentação. Lugar 5G | Sport Lisboa BenfiCA – Accenture – NOS – Nokia Trata-se de uma experiência inovadora, que permite que qualquer adepto do clube possa assistir a um jogo de forma imersiva e em tempo real, como se estivesse no estádio, de forma totalmente remota. Câmaras 360 de alta-definição no campo, uma plataforma de streaming multi-view e óculos de realidade virtual foram a solução para um projeto assente numa rede 5G, que garante elevadas velocidades e reduzidas latências. “O Benfica sempre teve um DNA digital e a transformação digital faz parte da nossa estratégia. O Lugar 5G é um exemplo. Muitas ideias já surgiram em cima deste use case. São formas de ver o desporto de maneira diferente, tanto numa vertente lúdica, como de negócio”, comenta Paulo Martins, diretor de IT e operações do Sport Lisboa Benfica. Assim, o clube está a transformar as condições do estádio, do ponto de vista tecnológico, para criar “um ecossistema de soluções que funcione”. O potencial do 5G é grande “para suportar os casos que antevemos serem relevantes, como a cloud, edge computing e muitas outras tecnologias onde fizemos bastante investimento, como realidade virtual e vídeo analytics. Importa garantir que temos as soluções de software preparadas para as várias indústrias”, acrescenta Tiago Ribeiro, B2B business development director da NOS. Por isso, o operador está a rodear-se de um ecossistema de parcerias e quer perceber os desafios e necessidades dos clientes. Uma das áreas de enorme potencial é o metaverso, que vai revolucionar tudo. José Rodeia, senior manager da Accenture, diz que “este caso mostrou que a tecnologia está pronta para o mercado, já que fizemos este projeto em uma a duas semanas”. Também Ricardo Pinto, customer CTO da Nokia, destaca o potencial do 5G para enriquecer a forma como se consome entretenimento. Este “foi um projeto muito interessante e um primeiro passo para o que será a jornada do Benfica para experiências mais digitais para fãs e sócios” 33

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt