Views
3 months ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

THE STATE OF THE NATION

THE STATE OF THE NATION OF MEDIA FrAnciSco PEdro bAlSEMão, ceo da imPresa “O digital é inevitável e mudou a forma de fazer negócio. Mas temos de olhar para o mercado português e perceber as suas características e a sua velocidade muito própria. Temos que ir testando os modelos tradicionais com modelos on-demand” “Os serviços de streaming podem ser uma ameaça ou uma oportunidade. Se não nos anteciparmos a este tipo de tendências, será mais uma ameaça. Temos que nos posicionar de forma correta e com o ritmo certo, para não nos canibalizarmos. Temos de ter os nossos objetivos estratégicos, tendo em conta a enorme concorrência de outras fontes de conteúdo” “Há espaço para todos e para conteúdo de qualidade, seja de entretenimento, seja de informação. A TV vai continuar a ser um ambiente regulado, que garante segurança aos anunciantes, com conteúdo produzido por profissionais que asseguram a sua curadoria e qualidade” lUÍS cUnhA vElho membro do board da media caPital “Os media têm um papel muito relevante na manutenção da democracia. Temos que saber fazer a distinção entre opinião e jornalismo. E, cada vez mais, confirmamos que o jornalismo continua a ter um papel insubstituível na defesa dos valores democráticos” “O peso do digital hoje é importante, mas é visto a vários níveis. Por exemplo, a CNN é um canal, mas tem uma componente digital que o complementa. Isso é fundamental, para atingirmos todos os públicos e para que o espectador, o leitor ou o ouvinte tenham cada vez mais informação” “Quando produzimos conteúdo, fazemo-lo a pensar nas duas vertentes: a emissão e o digital. E isso já está a ser feito com resultados muito positivos. Mas no digital, em termos de escala, não existe ainda rentabilidade. Estamos a caminhar a uma velocidade extraordinária e amanhã poderemos ter as plataformas digitais portuguesas com conteúdos diferenciadores” nicolAU SAnToS, Presidente da rtP “Os operadores passam, como outras empresas, por algumas dificuldades. Com o disparar dos custos da energia, da inflação e da guerra, que exigem um esforço importante. Não sei se é uma tempestade perfeita para todos, mas é uma tempestade. Fazer boa informação custa muito dinheiro. E o mercado publicitário nunca recuperou do trambolhão de 2008” “Para o digital ser rentável, há uma questão de escala, que é fundamental. O problema é que escrevemos em português e a nossa escala é menor do que qualquer site ou jornal que escreva em inglês, ou seja, de uma economia muito forte. O nosso target é relativamente reduzido e isso, em termos de receitas, não é fácil” “Quando não os podes vencer é melhor aliar-te a eles. Portanto, é isso que tem vindo a acontecer. É possível fazer hoje conteúdo que passa nas áreas tradicionais e que tem um grande impacto no streaming ou nas redes sociais. Estamos a tentar fazer alianças com a Netflix, HBO, RTVE ou com a televisão da Galiza, para nos permitir potenciar as diferentes plataformas” TALK PEdro nUno SAnToS, ministro das infraestruturas e da habitação “Portugal é dos países da UE com maior cobertura de redes de elevada capacidade. Mas o país não está totalmente coberto. A importância das redes justifica que o governo assuma a responsabilidade de cobertura total da população com redes gigabit. Por isso, investirá na implementação de redes onde os operadores não investiram ou não têm intenções de investir” “O governo conta com todos, operadores, regulador e autarquias, para lançar o respetivo concurso público até ao final deste ano. Queremos aproximar-nos do país em que desejamos viver: totalmente coeso, sem clivagens digitais e onde todos têm o mesmo acesso a estas redes” “Somos condicionados pela nossa geografia, mas não somos dela prisioneiros. Com os cabos digitais, podemos explorar as potencialidades únicas da nossa localização geográfica. A nossa costa tem excelentes condições para instalação e operação de cabos submarinos e tem ganho projeção crescente, com vários projetos nos próximos anos. As infraestruturas digitais, os centros de dados ou as redes de capacidade elevada servem para tornar a economia mais forte e melhorar as condições do país” 68

THE STATE OF THE NATION OF COMMUNICATIONS Ana Figueiredo, CEO da Altice Portugal “Todo o investimento nas redes de telecomunicações foi feito até agora por privados. Acho que é o momento de os atores públicos criarem as condições e as medidas para investir nas zonas brancas e não deixar ninguém para trás. Todos estamos disponíveis para procurar soluções” “É uma pena que no leilão do 5G tenham promovido a entrada de novos operadores. Nenhum de nós teme a concorrência, mas colocar mais players no mercado, com condições privilegiadas face aos que já cá estão a investir, parece-me que cria um desequilíbrio crucial e que vai penalizar ainda mais a nossa capacidade de investimento no futuro” “Em algumas matérias, temos regulação a mais. Precisamos de reguladores que não tenham crenças do século passado, que não impeçam que o setor cresça de forma sustentável. Sempre que o mercado esteve menos regulado, conseguimos atrair mais investimento. Assumimos investimentos para durarem muitos anos e precisamos de previsibilidade, de saber como e quando haverá retorno” quase 100 milhões de euros por ano em taxas regulatórias. Estas empresas pagam zero, quando faturam num dia aquilo que de forma agregada nós não faturamos num ano. Tem a ver com a inércia legislativa ao nível europeu” “Todos sabemos a importância do 5G na transição digital e os governos com perspetiva estratégica garantiram um investimento sustentável. Em Portugal, fez-se o oposto. Criou-se o mecanismo perfeito para desincentivar, a partir de uma regra absurda, imoral e ilegal, de expropriação de ativos privados em benefício de outros que nada investem. É uma questão estrutural perigosa, porque não é recuperável. Ainda vamos a tempo de mudar” “Os operadores adaptam-se e vão continuar a criar valor, mesmo que pouco. Quem vai pagar a fatura de não termos condições para fazer uma transição digital com sucesso vai ser o país. O 5G é um pilar fundamental e não havendo condições para a criação de um ecossistema dinâmico de inovação, vai ser difícil que estejamos na liderança digital” Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal “O nosso setor, comparado com outros na Europa, é dos que tem menos rentabilidade do investimento. Mas continuámos a investir mais de 20% das nossas receitas, sistematicamente, nos últimos 10 a 15 anos. Quando olhamos para as obrigações do 5G, este nível vai manter-se ou até piorar. Há um custo muito relevante que vai beneficiar terceiros” “No 5G, é essencial ter um ecossistema colaborativo. Todos em conjunto temos que ter abertura, disponibilidade financeira e assumir riscos. O 5G vai ser naturalmente um sucesso, pelo que representa. Mas todo este ecossistema tem que acelerar. Temos de ser capazes de trabalhar em conjunto” CLOSING REMARKS António Costa, Primeiro Ministro de Portugal “Temos um esforço grande a desenvolver nas infraestruturas 5G. É muito exigente, mas que tem de ser cumprido. A meta é que, até ao final de 2023, 75% das populações das freguesias de baixa densidade e das regiões autónomas estejam cobertas por 5G. Este desafio é decisivo para a coesão territorial e para gerar novas oportunidades de emprego” “Portugal habituou-se a ver-se como periférico face à Europa e foi penalizado por isso. Mas a transição digital reconfigura a nossa geografia. A confluência dos cabos em Portugal é uma enorme oportunidade para a localização de investimentos no nosso país. Esta transição digital reposiciona-nos à escala global” “Temos uma oportunidade extraordinária de nos reposicionarmos nas cadeias de valor, mesmo nas indústrias ditas tradicionais. Procurando melhorar a produtividade das que já temos, mas entrando noutras de maior valor acrescentado, para termos uma economia mais competitiva, que gere mais emprego e crescimento sustentável” Miguel Almeida, CEO da NOS SGPS “Cerca de 50% do tráfego de redes da NOS tem origem em três plataformas: Netflix, Google e Facebook. O que pagam para utilizar a nossa infraestrutura é zero. Mas é mais grave que isso: estamos a cumprir a net neutrality e pagamos “A regulação dos últimos anos é como a dos anos 90. Tudo se centra na questão do preço, o que mostra que algo está errado. O preço é a ferramenta mais fácil de disputa competitiva. A questão é como nos diferenciamos na qualidade do serviço e como estamos sempre à frente para ter a melhor tecnologia. Para isso, é preciso incentivo ao investimento, previsibilidade e garantia de sustentabilidade do setor, que deveria ser um dos elementos-chave da regulação” 69

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt