Views
3 months ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

62 INNOVATING FOR A

62 INNOVATING FOR A GREENER INTELLIGENT WORLD Tony li, ceo da huaWei Portugal “Saber como podemos na indústria das TIC responder aos desafios de sustentabilidade e de Green IT é essencial. Para tal, devemos apostar na descarbonização e na digitalização. Devemos implementar sistemas mais sustentáveis” “Para reduzirmos as emissões de carbono, acreditamos na aplicação de green sites, de redes sustentáveis e de green data centers. Estamos, por exemplo, a aplicar refrigeração líquida ou aplicação de gestão inteligente para otimizar o funcionamento e reduzir as emissões” “Considero que no nosso caminho tem de estar a abordagem dos 3 R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. É uma abordagem essencial. Devemos trabalhar em conjunto para construirmos um mundo mais verde e mais tecnológico” THE NEXT GENERATION MATThEW GriFFin, fanatical futurist “Realidade aumentada, realidade virtual, IA, blockchain, impressão 3D ou 5G. São todas tecnologias exponenciais e a base sobre a qual todos os produtos e serviços serão construídos. Estão integradas em quase todas as partes da sociedade e vão criar as próximas gerações de ofertas. Quando olhamos para o que as tecnologias nos podem dar nos próximos dez anos, como o 5G, é espantoso” “Quando pudermos fazer o uploading da computação, memória e armazenamento da cloud 5G, veremos coisas interessantes. A tecnologia será cada vez mais pequena, mais barata e com maior performance. Quando pensarem na utilização do 5G no futuro, não assumam que vão usar dispositivos que usam hoje. Porque não vão. Há um vasto conjunto de nuances que nunca vimos antes. Até se poderá pôr a ver uma pessoa considerada legalmente cega” “A combinação de múltiplas tecnologias permite fazer um sem número de coisas. Estamos apenas a tocar a superfície das possibilidades trazidas pelo 5G, que nos abre realmente a porta para oportunidades fantásticas e novos casos de uso. É uma fase entusiasmante. Enquanto o 5G é bidimensional, o 6G será tridimensional e chegará por volta de 2030 ou 2035. Portanto, haverá enormes oportunidades” ENABLERS THAT ARE TURNING 5G INTO REALITY SoFiA vAz PirES, ceo da ericsson Portugal “Como em qualquer outra área, nas TIC é fundamental que trabalhemos em conjunto nos investimentos – empresas, operadores e governos. Precisamos que todo o ecossistema olhe para esta componente de inovação e tecnologia como um veículo transformador para a indústria e para a sociedade. Temos que encontrar projetos que revolucionem a nossa sociedade” “Há uma nova forma de olhar para Portugal: estamos no centro entre a América e a Europa e podemos ter o papel de ponte entre os dois continentes. Os cabos submarinos são um exemplo e o 5G pode complementar essa rede. Acresce o mar e o seu potencial. O 5G aplicado à possibilidade de retirar mais valor económico do mar tem muitas possibilidades e oportunidades” “O 5G pode dar garantias ao nível da segurança. Qualquer sociedade avançada e sofisticada necessita de uma rede de telecomunicações que seja robusta. Posicionando-se o 5G como um elemento transformador da sociedade e das empresas, a componente da segurança é mais importante como nunca. Esperamos que a indústria colabore para definir standards” SérGio cATAlão, country manager da nokia “O mundo mudou e enfrentamos desafios como a pressão climática e a desigualdade nos acessos. A tecnologia é fundamental para resolver os problemas, criando infraestruturas críticas de comunicação como o 5G, que é um enabler de outras tecnologias disruptivas essenciais para a transformação digital” “O setor tem uma oportunidade única de participar numa nova revolução industrial. O 5G é um enabler fundamental para que isso aconteça. Vai permitir voltar a colocar as fábricas junto dos consumidores, mais simples e mais pequenas. Há uma oportunidade imensa para a Europa se reindustrializar nesta 4 a revolução industrial” “O 5G convoca todos a não deixar ninguém para trás. Sendo uma das redes críticas de comunicação que vai ligar coisas e pessoas, tem que ser visto como uma oportunidade para reestabelecermos o acesso aos recursos, que continua a ser desigual. Num novo ciclo de crescimento, a segurança é essencial” TELECOM INFRASTRUCTURES - COVERAGE SOLUTIONS nUno cArvAlhoSA, ceo da cellnex Portugal “As infraestruturas de telecomunicações são os alicerces da comunicação de dados. A atividade que tem havido em fusões e aquisições a este nível em Portugal, de acordo com o princípio da especialização, tem garantido aos operadores liquidez para investir em áreas mais importantes, como qualidade de serviço, inovação, diferenciação e reforço da sua competitividade”

“Em menos de três anos, foram investidos nas infraestruturas em Portugal quase 4,5 mil milhões de euros. A opção dos operadores por não gerirem diretamente esta área resulta de um natural evoluir do mercado, com a consciencialização de que a detenção de infraestruturas já não é um fator estratégico de diferenciação entre operadores verticalmente integrados” “Este negócio presta-se a ser explorado de uma forma pan-geográfica. A Cellnex e a Vantage são exemplos disso, com presença em toda a Europa. E há outros que estão em mais do que um continente. Neste momento, a Cellnex só em infraestruturas para comunicações móveis, gere mais de 100 mil infraestruturas nos 12 países onde estamos” Paolo Favaro, Managing director da Vantage Towers Portugal “Falamos de algo tangível quando falamos de infraestruturas distintas, como torres, infraestruturas no topo dos edifícios ou infraestruturas dedicadas a necessidades específicas. Coletivamente, funcionam como um enabler para a transmissão do sinal” “O mercado de infraestruturas é um grande negócio e vai continuar a crescer. O que vemos agora na Europa aconteceu uns anos antes em mercados como os EUA. Vamos ter cada vez mais players especializados na construção, manutenção e operação de infraestruturas, libertando os operadores dessas tarefas” “Estamos num diferente estádio de maturidade do mercado. É cada vez menos importante para os operadores de telecomunicações deterem esta área, que está cada vez mais centralizada em players específicos, que têm aí o seu core business. E vamos continuar por este caminho, oferecendo qualidade dos ativos, capacidade de entrega e detenção do know-how certo para o negócio” 5G GREAT TELCO CTO DEBATE João Teixeira, Chief Technology Officer da Altice “Tivemos um período complicado do leilão. Perdemos algum tempo face à Europa, mas conseguimos de alguma forma aprender com coisas que funcionaram bem e mal. Hoje, o 5G é uma realidade e estamos disponíveis para levá-lo para a frente” “A tecnologia é nova para todos. Existem mercado mais maduros, com use cases que funcionam e outros não. Estamos a dar os primeiros passos, mas ainda temos muito para aprender. Trata-se de uma tecnologia nova. É mudar o paradigma e abrir uma série de oportunidades. É preciso que o mercado e as empresas acreditem e que venham para a equação” “Muito já foi feito de use cases com o 5G. Agora temos que partir para a ação. O setor está preparado. Temos que convidar as empresas a virem, tem que haver uma vontade grande do setor empresarial para se envolver e passar à ação” Jorge Graça, Administrador da NOS “O 5G é um enabler para as empresas se desenvolverem. Foi um tempo perdido para as empresas perceberem os ganhos. Esse é o atraso que agora é mais complicado de recuperar, porque não depende só de nós. Objetivamente, é preciso tempo. Não dá para acelerar. Esse foi o tempo que foi perdido e não é recuperável” do 5G é a existência de tanta infraestrutura já instalada no país, às vezes em triplicado. A rede 5G é também fixa e precisa da infraestrutura. Não haveria 5G sem fibra” “Todos os use cases são exemplos das indústrias mais avançadas no planeta. O tecido económico do futuro de Portugal vai precisar do 5G e se as empresas não fizerem esta evolução vão ficar para trás. O que estamos a fazer é facilitar a evolução tecnológica. Sabemos que é inevitável. Mas os ciclos de investimento são longos e o upskilling do talento demora tempo” Paulino Corrêa, Chief network officer da Vodafone Portugal “O 5G é uma rede poderosa e muito mais aberta. Temos que construir a rede como uma plataforma, que será integrada com serviços, permitindo desbloquear mais valor. O ecossistema tem que ser alimentado por parceiros e clientes e as grandes soluções vão ser encontradas pelos clientes, com impactos no consumidor final, em muitas áreas que ainda nem sequer sabemos” “A plataforma de conetividade do futuro terá que ter 5G, que tem um potencial que ainda não se consegue prever. A criação de valor vai ter que envolver vários atores e não pode ser feita por amor à tecnologia em si, mas para problemas reais que têm de ser endereçados. É um investimento que é necessário e temos de estar preparados” “Ninguém está 100% livre de um ciberataque. Isto é uma nova realidade e temos de criar condições para que situações destas nunca se voltem a repetir. Ou, se acontecerem, há que saber diminuir o risco. Quem diz que está livre, está a enganar-se a si próprio. Enquanto operador, somos, de facto, um veículo de ataque” “Enquanto país temos a sorte de ter ótimas infraestruturas, quando outros não o tinham. Uma das coisas que facilita o desenvolvimento 63

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt