Views
3 months ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

52 diz que o problema

52 diz que o problema não é a tecnologia e o digital, mas sim as pessoas: “São pessoas que atacam pessoas, não nos devemos esquecer disso”. Não tendo dúvidas de que se assistirá a “um aumento de competição geopolítica entre Estados, que será mediada pela tecnologia”, diz que a cibersegurança se está a tornar num “elemento cada vez mais importante nas relações entre Estados”. Por isso, “os governos devem tentar criar uma framework comum e reagir em conjunto a ciberataques”. Uma das grandes tendências tecnológicas do momento é o metaverso e as tecnologias imersivas, que prometem mudar o mundo e que estão na mira das big tech. Charlie Fink - XR’s explainer-in-chief, colunista da Forbes e autor de ebooks sobre realidade aumentada, assegura que o metaverso “ainda tem muitos obstáculos” até se tornar realidade. Entretanto, e para preparar “o futuro digital com o metaverso”, há que programar, desenvolver e educar as pessoas para trabalhar com as novas ferramentas. Governance e organizações descentralizadas, assim como regulação, serão essenciais. Para já, e quando a pandemia veio acelerar a necessidade da transformação para o digital, nem tudo é um ‘mar de rosas’. Michael Wade, professor de Inovação e Estratégia e professor e diretor do Global Center for Digital Business Transformation, do IMD, assegura que 87% dos programas de transformação digital das organizações que estudou falharam. Porquê? Porque ainda se pensa da forma tradicional: foco no digital apenas por ser digital; foco nos disruptores e não na disrupção; e gestão do digital por silos. Deixa claro que estamos a falar de um “constante processo de evolução. É trabalho duro, é transformar ideias em soluções”. o debate entre os Cto dos operadores de telecomunicações centrou-se no potencial do 5g. mensagem: há que partir para a ação para mário Campolargo, a tecnologia tem imenso potencial, mas é um facilitador e não um fim em si mesmo Governance, organizações descentralizadas e regulação serão essenciais para preparar o futuro digital com o metaverso Mas o futuro promete, já que vivemos cada vez mais num mundo de tecnologias exponenciais, que serão a base onde se construirão todos os produtos e serviços nos próximos anos. Pelo menos na perspetiva de Matthew Griffin. Conhecido como um futurista fanático, ele veio falar sobre o potencial do 5G: “A combinação de múltiplas tecnologias permite fazer um sem número de coisas. Estamos apenas a tocar a superfície das possibilidades trazidas pelo 5G,

que nos abre realmente a porta para oportunidades fantásticas e novos casos de uso”, frisou. Na abertura do 2º dia do congresso, António Costa Silva garantiu haver “um desígnio muito forte de fazer a transformação estrutural da economia” Como será a post-Covid economy? Sérgio Rebelo deu o mote ao debate, analisando o poder das big tech e as grandes tendências que se perfilam “Recovery and Resilience Plan - Digital is ‘The Way Forward’ Toward Nation’s Progress and Prosperity” – mudar mindsets é fundamental TRANSFORMAÇÕES ESTRUTURAIS Só que a tecnologia e o digital não podem ser um fim em si mesmos, mas sim facilitadores da mudança nas pessoas e das organizações, como alertou o secretário de Estado da Digitalização e da Modernização Administrativa. Mário Campolargo garante que o executivo está a “criar estratégias com tecnologias disruptivas e planos de ação alinhados com os princípios europeus e baseados em boas-práticas internacionais” Objetivo: ter uma “nação digital modernizadora, que não deixe ninguém para trás”. O ministro da Economia, António Costa Silva, na abertura do 2º dia do congresso, deixou uma mensagem de esperança: “Acredito profundamente na espécie humana. É inventiva, criativa e desenvolve sempre novas ideias para fazer face aos desafios. Estamos numa era de grande transformação das economias e a inclusão das tecnologias digitais tem um impacto muito forte nessas mudanças. Falamos de transformação estrutural e Portugal é um caso em que os desenvolvimentos tecnológicos podem produzir um efeito transformador”. O “país está preparado para isso”, garante. Será, no entanto, necessário mais investimento. Não nas coisas do costume, mas sim em novos negócios que tragam mais valor acrescentado, defende Sérgio Rebelo. Para o economista e chair do Departamento de Finanças do Kellogg School of Management, o que muitos denominam como Global Business Services Industry “é a nova Autoeuropa para Portugal”. Atrair novos centros de serviços para exportar para o mundo deverá ser um desígnio nacional. 53

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt