Views
1 week ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

apdc news Jantar

apdc news Jantar Reservado – Com Mário Campolargo Fazedores do futuro digital Só há políticas públicas eficazes quando governo, sociedade e atores económicos se mobilizam para endereçar os problemas. Por isso, reforçar a colaboração é uma prioridade para que a execução dos fundos estruturais torne Portugal num país verdadeiramente digital. Texto de Isabel Travessa Fotos de Vítor Gordo/Syncview 36 Se o país se tem vindo a distinguir na Europa no âmbito do governo eletrónico, é preciso fazer mais. Este é “um processo continuado, de muitos anos. É fácil a inércia instalar-se, mas nunca se deverá deixar esmorecer”, defendeu o Presidente da APDC na abertura do Jantar Reservado com o Secretário de Estado da Digitalização e da Modernização Administrativa, Mário Campolargo, que decorreu a 27 de maio, e onde o governante apresentou as suas prioridades governativas. Para Rogério Carapuça, há que fazer “pequenas reformas, que vão tornando o Estado mais eficiente e com uma máquina mais amiga do cidadão. A forma certa de medir a eficiência da AP, do ponto de vista da sua simplicidade e digitalização, não é saber quantos serviços estão online, mas sim quanto tempo demora a resolver um problema do cidadão”. A chegada de Mário Campolargo “representa um sinal de continuidade deste esforço que tem, de facto, modernizado o país, mas que é necessário continuar e fazer, cada vez mais e melhor”. Neste encontro, reservado aos presidentes dos patrocinadores anuais

da APDC e membros da direção, que decorreu num formato informal, visando o reforço da colaboração e o estreitamento de relações com as empresas TIC, Mário Campolargo começou por destacar a relevância da associação no panorama nacional, já que agrega um conjunto de empresas essenciais para o futuro da transformação digital do país. REMOVER OBSTÁCULOS E CUSTOS Considerando que juntar as áreas da digitalização e da modernização administrativa numa única Secretaria de Estado “tem uma força muito importante”, sendo “os dois lados de uma moeda, extremamente importantes para desenvolver uma economia”, o governante defende a necessidade de remover obstáculos e custos de contexto, assim como da implementação do trabalho da transição digital, iniciada pelo anterior governo, que terá agora de ser aprofundado. Já na modernização da AP, o mais importante é “simplificar e racionalizar”. Para o secretário de Estado, é fundamental que os compromissos assumidos com as medidas inscritas “Comprometo-me sempre a ouvir, para tomar decisões a partir de dados objetivos e evidências. As empresas podem e devem colaborar nesta jornada para tornar o país mais digital. E dar pistas sobre coisas que estão a ser mal endereçadas ou que são parte de um desafio do futuro” “Na Administração Pública persistem ainda silos e entropias que há que resolver. Temos de fazer um procurement inovador, criar uma dinâmica mais rápida e com maior agilidade. Há esquemas internacionais que teremos de estudar para respondermos ao mercado” no PRR e no Plano de Ação para a Transição Digital “levem a resultados na sociedade. Não há políticas que sobrevivam ou sejam eficazes quando o governo pensa que consegue resolver os problemas, que hoje são muito mais diversos e complexos, interagem entre múltiplas disciplinas e áreas governativas”. Para Mário Campolargo, “é pela mobilização da sociedade civil e dos atores económicos e sociais que conseguimos levar as políticas à prática”. Por isso, pede a todos os players o compromisso para se continuar a avançar em áreas de grande relevância, como a literacia digital, ou a experimentação em test beds. Há que deixar de falar “numa política governamental para falar de uma política que tem o ownership dos atores e do país. Porque só assim é que Portugal se pode transformar num parceiro internacional credível na área digital. Na APDC, existem empresas que são chave neste processo e para o país. E é da confluência e convergência de interesses que podemos avançar”, em temas como a capacitação das empresas, literacia, PME e talento. O governante defende que “Portugal, 37

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt