Views
1 week ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

a conversa 20 O PRR

a conversa 20 O PRR reflete este desígnio? Sim. Há um esforço enorme de digitalização das empresas, das startups e da AP. Queremos transformar Portugal numa “startup nation”. Queremos acolher talento. E o que estão a fazer? A investir em incubadoras, a criar condições para haver mais capital de risco, a tomar medidas a nível fiscal... Não corremos o risco de estar a criar um Portugal digital só para alguns? Não! Não queremos este Portugal só para as grandes empresas ou para as startups. Veja os investimentos que estamos a fazer, por exemplo, na C Academy, juntando esforços com as universidades e politécnicos para criar cursos, com o objetivo de formar as pessoas da AP e das empresas privadas na área da ciberseguranca… E como respondem às necessidades das PME? Como é que as empresas se podem digitalizar se as pessoas que as criaram são infoexcluídas? Estamos a investir muito nas pessoas que ainda não são digitais, mas querem ser. Temos plena noção de que isso incentiva a coesão social. O programa “Sou Digital” é particularmente interessante. Permite a identificação de um mentor – pode ser um jovem da geração Z, ou alguém com competências específicas – que vai passar conhecimento aos outros. A ação governativa tem a função de mobilização da sociedade, criando estratégias. O que é importante é mantermos o foco na estratégia. E qual é a estratégia? Consegue resumir? Nós temos boas infraestruturas, excelentes competências na área das TIC, indicadores muito positivos nos serviços públicos digitais, mas temos um desafio: o número de pessoas que não utiliza a internet no seu dia a dia. Esse desafio é um desígnio nacional. Aquilo que ambiciono é transformar este desígnio num movimento alargado. Para atingirmos os 10% da população que ainda não usa a internet precisamos de um movimento nacional. Precisamos que os meios de comunicação social, as juntas de freguesia, as associações de jovens, as paróquias, as universidades seniores, os centros culturais, as bibliotecas, e por aí fora, se unam neste desígnio que é fazer com que o nosso vizinho, que ainda não entrou nesta dimensão digital, consiga entrar. Para que ele próprio trate o digital por tu. Estes dois anos de pandemia vieram criar nas pessoas outra propensão para o digital. Mas, na prática, sobretudo na AP, não subsistem ainda muitas entropias? A função de um governo é espicaçar continuamente o statu quo. O desafio é contínuo. Não há varinhas mágicas. Há desafios que crescem quando damos os primeiros passos. Mas olho para a AP hoje e vejo que se apropriou desse sentimento maior traduzido pelo Simplex. Tem hoje no seu ADN esta noção de simplificação. O mote da edição de 2022 do Simplex, já definido sob a sua liderança é “SIMplex, diz SIM às pessoas e às empresas”. É mais um passo no processo? Anunciámos 48 novas medidas para o Simplex que são sobretudo medidas com enorme preocupação de ter impacto. Quando pensamos num desafio como é o Simplex dos licenciamentos, as pessoas percebem a nossa preocupação com a diminuição dos custos de contexto. Este desafio só agora está a ser endereçado. Quando investimos para simplificar a disponibilização dos dados médicos à distância de um clique, ou quando estamos a trabalhar para termos os resultados das análises online, isso é importante para o cidadão. Porque os dados são do cidadão, não são da AP ou do hospital. São medidas que exigem uma enorme interoperabilidade e cooperação... Sim, as medidas são apenas a ponta do icebergue. Por baixo está toda a articulação entre o público e o privado, a transferência de dados, o facto de a informação dever chegar ao mesmo tempo ao utente e ao hospital e a boa notícia de que o médico não vai ter de os introduzir manualmente... há aqui uma desmaterialização clara dos processos. Primeiro digitaliza-se para depois reconceptualizar processos? Exato. É aqui que o governo está a apostar. Cada dia fazemos uma disrupção com os novos passos que vamos dar na adoção, por exemplo, de processos biométricos, nas inovações que estamos a introduzir no cartão de cidadão – queremos transformá-lo em líder a nível mundial – ou quando articulamos várias entidades para fornecer um melhor serviço. Um bom exemplo é o certificado eletrónico da gravidez, que dá às mães um subsídio. Esse certificado recorre a dados da Segurança Social e da Saúde. E o que fazemos no Simplex é criar um sistema fluido, sem necessidade de intervenção do cidadão, o que permite que, de forma automática, possa usufruir dos benefícios que o Estado tem para ele. Sem papeladas, sem ter de se candidatar... Sim! Até para evitar que quem desconhece os seus direitos – maioritariamente quem está nas franjas da sociedade, os mais desfavorecidos – não seja prejudicado. As franjas que este governo tem como objetivo principal trazer à inclusão digital. Conseguir concretizar todas estas medidas no espaço de um ano não será demasiado ambicioso?

Nós anunciámos 48 medidas que terão de estar implementadas até 2023, que é o nosso compromisso. Para o ano voltaremos a falar não sobre a concretização das medidas, mas o impacto que elas tiveram na vida das empresas e das pessoas. Comprometemo-nos a prestar contas aos cidadãos. As 48 medidas resultaram de um diagnóstico do que seria, neste momento, mais eficaz e mais necessário? Este Simplex reflete a análise deste governo quanto à perspetiva de centralidade do utilizador e do impacto que terá nas suas vidas. Mas claro que não estão aqui todas as medidas importantes que gostaríamos de implementar. Porque à importância temos de juntar a nossa capacidade de intervenção neste ano. E fá-lo-emos da mesma maneira no próximo ano. Não explicou o porquê da adoção de um mote para o Simplex... Se reparar, a primeira ideia que nos vem com o nome Simplex é simplificação. Mas se olharmos para as primeiras três letras, elas são muito inspiradoras. Porque dizem “sim”. E as pessoas queixam-se de que na AP ouvem demasiados “nãos” e não compreendem porquê. Esse é o grande desafio cultural? Dizer “sim” em vez de “não”? Exato. Porque queremos servir o país e não ser servidos por ele. É crucial a ideia de que não é o cidadão que tem de se adaptar às idiossincrasias da AP... Sente que as empresas estão a ficar assustadas com a conjuntura económica desfavorável e isso poderá ter um impacto negativo neste processo de mudança? A nossa missão é transformar medos em oportunidades. Mostrar que as empresas mais maduras digitalmente têm mais oportunidades de se saírem bem numa conjuntura desfavorável. Perceber que com a desmaterialização dos processos teremos uma economia mais ágil. As empresas que apostam no digital não têm apenas mercado local, podem escalar internacionalmente. A aposta no digital é sempre ganhadora – quando a economia está a crescer, ou nos momentos de crise. Há pequenas medidas que podem fazer a diferença – ou só as grandes estratégias terão impacto? Uma pequena medida, mas muito importante, para Os custos de contexto de uma Administração Pública não digital são incompatíveis com a criação de uma sociedade digital atrair os jovens digitais foi reconhecermos as cartas de condução emitidas por países estrangeiros. Um nómada digital estará em Portugal quatro ou cinco anos e depois voltará ao seu país. Temos de lhe dar as condições para se sentir bem-vindo. Porque é que o investimento nos cabos submarinos é tão importante? Porque a periferia geográfica transforma-se em centralidade digital. Hoje, estando conectados a África, à América Latina, ao oriente e, no futuro, a outras áreas geográficas, com os cabos mais recentes do mercado, transformamos Portugal num hub tecnológico importante. Isso terá o efeito bola de neve – transformará Portugal num líder a nível europeu. Toda a gente diz que, com a nova injeção dos fundos estruturais, como o PRR, é a nossa grande oportunidade, talvez a última, de nos tornarmos num player relevante na Europa e no mundo. É assim? Não pode ser a última. Nunca pode ser a última. Se os nossos desígnios nacionais estiverem dependentes de contextos circunstanciais, é porque não temos uma estratégia para o futuro. O desafio que se coloca hoje aos governos é mais volátil do que no passado. O PRR é, seguramente, uma grande oportunidade, não só para Portugal como para todos os países europeus. É uma oportunidade porque disponibiliza um conjunto importante de verbas, mas temos de articular essa injeção de capital com a nossa estratégia. Por isso respondemos ao desafio da União Europeia e atribuímos 20% das verbas à digitalização. Mas consideramos que ela, per si, não faz sentido. Só faz sentido quando é aplicada em projetos com efeitos positivos na vida dos cidadãos. O PRR é um começo e não um fim. É quase como uma escada. Damos um passo e estamos noutro patamar. O PRR é importante porque nos permite dar um salto de três degraus. Mas o quarto e o quinto degraus são desafios que nos cabe a nós subir e que ficarão para o futuro de Portugal. Qual o maior legado que quer deixar? É ser um agente transformador para uma sociedade mais coesa, onde as pessoas se sintam tão bem no mundo digital, como no físico. Pode parecer um paradoxo, mas isso é a leveza do peso do meu trabalho.• 21

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt