Views
1 week ago

COMUNICAÇÕES 243 - Digitalizar é a sua password

  • Text
  • Portugal
  • Europa
  • Trabalho
  • Talento
  • Simplex
  • Dbc2022
  • Congresso
  • Mudanca
  • Governo
  • Campolargo
  • Cryptomoedas
  • Businesscases
  • Empresas
  • Economia
  • Futuro
  • Mercado
  • Tecnologia
  • Digital
  • Digitaltransformation
  • Digitalbusinesscommunity
À CONVERSA - Mário Campolargo acredita que o futuro se faz com passos SIMples; EM DESTAQUE - 31º Digital Business Congress: o balanço; NEGÓCIOS - Como se vai reposicionar o mercado depois do crash das criptomoedas?; MANAGEMENT – Não há revoluções sem dor; 5 PERGUNTAS a Andrés Ortolá, diretor-geral da Microsoft; I TECH - Ricardo Martinho, presidente da IBM; CIDADANIA - Um modelo de recrutamento muito à frente

a conversa “essa ideia

a conversa “essa ideia de que não estou a viver nada que os meus antepassados já não tenham vivido é muito importante na minha vida. mudei- -me para bruxelas, a 2.000 quilómetros da minha aldeia, mas o meu avô teve a coragem de ir de barco para a Califórnia” 18 retor e fui subindo os vários degraus dessa escada até à direção-geral. Isso teve custos pessoais? Claro. As minhas filhas vieram estudar para Portugal, deixámos de estar juntos enquanto família, mas sempre incuti nelas que somos cidadãos do mundo. Temos a dimensão local e a dimensão mundial. Aliás, a cidadania europeia e a cidadania nacional são duas construções não exclusivas. Sente-se igualmente cidadão português, cidadão de Ílhavo e cidadão europeu? Sim. São vivências complementares. Sou alguém que nasceu e viveu na Gafanha de Aquém, mas que tem uma dimensão global. E adaptou-se bem quando foi para fora? Quando chegou a Bruxelas nunca tinha comprado um quilo de batatas! Isso é extraordinário! Sim, na minha aldeia ou se plantavam batatas, ou se davam as batatas! Não se compravam batatas! As saudades que sentia dessas pequenas coisas eram evidentes. Estar tanto tempo fora provoca mais do que saudades. São custos que temos de pagar. É muito duro! E só funciona quando a família está unida num desígnio maior. E na verdade a história repete-se... Sim, essa ideia de que não estou a viver nada que os meus antepassados já não tenham vivido é muito importante na minha vida. Tenho esta noção de que estou ligado a uma gesta de pessoas que, noutros contextos, tiveram exatamente os mesmos desafios. mudei-me para Bruxelas, a 2.000 quilómetros da minha aldeia, mas o meu avô teve a coragem de ir de barco para a Califórnia e ser um agricultor que trouxe para Portugal produtos como os espargos, que não era habitual por cá. Como todos os imigrantes, quando voltou, construiu a casa mais bonita da sua aldeia. É muito ligado ao seu passado, a essas referências afetivas... Sendo secretário de Estado para a Digitalização, sei que o mundo tem duas dimensões: o físico e o digital. É esta complementaridade que nos enriquece. Eu luto por um mundo digital inclusivo, seguro, mas adoro a beleza do físico. Adoro a noção da casa de família. Adoro quando as pessoas se juntam à volta de uma mesa para celebrar a amizade. Assim como adoro o cheiro do

papel, o prazer de ler um livro. É esta multiplicidade que nos reinventa a cada momento. Quando foi para Bruxelas teve grande necessidade de apoiar à comunidade portuguesa. Fale-nos da sua experiência de voluntariado nesses tempos. Nunca vi a sociedade “guetificada”, sempre lutei por um mundo multifacetado. E para não perder o sentido da realidade, que é algo que pode acontecer quando se tem a sorte de se ter sucesso, sempre tive necessidade de me confrontar com a realidade mais dura – que no caso de uma cidade como Bruxelas se reflete muito nas comunidades imigrantes. Com alguns professores da Escola Europeia, demos imensas explicações, ajudávamos as pessoas a estudar... E tinha de estudar para ensinar, não era? Ajudámos pessoas a fazer o ciclo preparatório e outras que chegaram a ir para a universidade. Isso foi extraordinário! Um dia, estava a explicar Geografia a uma aluna, eu que nunca tinha aprendido Geografia no liceu, e ela, que tinha praticamente a minha idade, disse-me: “Senhor Mário, não é melhor ir para casa estudar para depois me explicar isto como deve ser!?” (risos). Depois veio a vaga da digitalização. Criámos um pequeno centro de apoio, e foi bonito ajudar as pessoas a usar um computador, a falar com os amigos por vídeochamada, ou a ver fotos da sua aldeia na internet. Agora, tantos anos depois, todas essas experiências são-lhe úteis? Sente que a sua carreira internacional está ao serviço do seu país, em duas áreas determinantes: a modernização do Estado e a digitalização da economia? É a experiência pessoal e profissional que se reflete no meu dia a dia. A experiência pessoal, porque tenho uma visão europeia de alguns dos desafios, podendo comparar as melhores práticas, pensar na melhor forma de mudar a cultura da Administração Pública. Depois, há toda a experiência profissional, de anos a ajudar a indústria europeia a usufruir das disrupções tecnológicas, como o 5G, a cloud, a internet das coisas. Para não falar da sua experiência na digitalização da Comissão Europeia, na definição e implementação da sua estratégia digital.... Sim. Foi uma bela experiência. E durante a pandemia criou-se um olhar novo sobre todos os desafios que tínhamos pela frente. São os momentos de rutura e dirupção que nos trazem ideias novas. Pensar o digital numa perspetiva mais abrangente é um desafio para si? Sim. Mas é preciso ter em conta que o digital não resolve nada se não tivermos a coragem de mudar a cultura das empresas, reconceptualizar processos. Há aqui uma aprendizagem mútua. Acredita que Portugal tem um desígnio europeu claro no que toca à digitalização da sociedade? Sim. Veja a centralidade que Portugal desempenha a nível europeu no que toca à digitalização, que não tem, de todo, no mundo físico. No digital, Portugal já não está na periferia. O que queria deixar como legado, após esta minha passagem pelo governo, é posicionar Portugal na sua centralidade, dando-lhe preponderância europeia e mundial. Juntar digitalização com modernização administrativa é, já de si, uma tarefa hercúlea. É uma vantagem este desígnio estar na dependência direta do Primeiro-Ministro? Sendo duas áreas absolutamente transversais a toda a Administração Pública, não corremos o risco de deixar uma para trás e acelerar a outra? A digitalização e modernização administrativa são duas faces da mesma moeda. Não há país digital sem ter uma Administração Pública digital. Os custos de contexto de uma AP não digital são incompatíveis com a criação de uma sociedade digital nas suas várias perspetivas. Queremos uma AP centrada no cidadão, polarizada nas empresas. A transversalidade destas matérias é refletida quando Antonio Costa chama até si esta competência? Exato. Isto é muito inovador. O Primeiro-Ministro reflete na estrutura do próprio governo a importância que dá a este tema e à transversalidade da digitalização. E não é por acaso que na estrutura orgânica do governo criámos o Conselho Interministerial para a Digitalização. Para que serve? Independentemente de todo o trabalho que já foi feito em toda a Administração Pública nos seus vários órgãos, o que este governo introduz de novo é uma coordenação estratégica ao nível do digital. A perceção que o cidadão e as empresas têm de passar a ter é que interagem com uma única administração e não com uma multiplicidade de entidades. É por isso que há um esforço tão grande com a partilha de dados? Sim. Temos enorme preocupação em implementar o conceito de “uma só vez”. Quando alguém partilha com o Estado informações relevantes, não as deve ter de partilhar uma segunda vez. Se conjugarmos este conceito com o “digital by default”, então começamos a dar passos na digitalização da AP como processo inspirador para o resto da sociedade. 19

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt