COMUNICAÇÕES 239 - Alexandra Leitão: Fazer Política para as Pessoas (2021)

  • Mundo
  • Anos
  • Pandemia
  • Ainda
  • Futuro
  • Tecnologia
  • Forma
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

negocios 32 “Tem-se

negocios 32 “Tem-se notado uma crescente notoriedade da marca ‘Portugal’ como destino de IDE”, afirma Sara Lourosa perspetiva é manter o ritmo, sendo na sua maioria projetos inovadores, como o caso da produção de componentes de foguetão, pela alemã do setor espacial RFA, em parceria com o CEiiA. IR MUITO MAIS ALÉM Mas já não basta contar apenas com os fatores tradicionais de atratividade do país, como a localização estratégica, a segurança, a qualidade de vida, a estabilidade social, a fiabilidade e cobertura de infraestruturas (transportes, telecomunicações e energia), o talento ou o ecossistema inovador e tecnológico para o país ser diferenciador. “Portugal não se pode dar ao luxo de depender apenas destes fatores. Inovação, transparência e talento devem ser motores para uma estratégia a longo prazo e os investidores começam a mostrar algumas preocupações sobre se Portugal está a desenvolver consistentemente estas áreas”, comenta o partner da EY-Parthenon. As conclusões do EY Attractiveness Survey Portugal comprovam-no. Apesar de 91% dos investidores destacarem a qualidade de vida (90% em 2020), 77% a estabilidade do clima social (78% um ano antes) e 76% (75% em 2020) as infraestruturas de telecomunicações, há um recuo das perceções em áreas como as skills locais (66%, contra 67% um ano antes), custos do trabalho (59%, face aos 72% de 2019) e disponibilidade de espaços (57% versus 70%). Tecnologia, sustentabilidade ambiental, sistema fiscal simples e talento estão no topo das prioridades dos investidores, sendo tendências alinhadas com o que é pedido para a Europa, enquanto região. Tendo esta realidade em conta, o survey apresenta várias recomendações para que Portugal possa reforçar a sua posição na captação de IDE: a aposta forte no reforço da liderança tecnológica e no desenvolvimento do conjunto certo de talentos; o desenvolvimento de uma estratégia para cleantech e o potencial do país se tornar um líder de mercado em sustentabilidade; o foco na recuperação social e económica; a simplificação do sistema fiscal; e a melhoria da comunicação do país como o local certo para investir. Consciente dos desafios que é preciso endereçar, a AICEP tem já um novo Plano Estratégico para o triénio 2020-2022, com várias medidas destinadas às empresas “que escolhem Portugal para se instalarem, contribuindo para o crescimento da economia nacional e para a notoriedade internacional do nosso país”, como refere Luís Castro Henriques na edição de julho do Portugalglobal. Entre elas estão o alargamento da rede externa da AICEP, com novas delegações na Noruega, Finlândia e em Chicago, nos Estados Unidos, assim como o reforço da rede de FDI Scouts (especialistas de captação de investimento) na Europa e noutras geografias. Destaque para o lançamento da marca “Portugal”, previsto para 2022, uma “iniciativa a concretizar na próxima década, para aumentar a notoriedade do país no mundo”, fortalecendo dessa forma a estratégia de angariação de investimento estrangeiro.

Mark Making the way forward We promote the transformation of business and society, through innovative solutions and services, setting people at the center of everything. Welcome to the human technological revolution. www.minsait.com

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt