COMUNICAÇÕES 239 - Alexandra Leitão: Fazer Política para as Pessoas (2021)

  • Mundo
  • Anos
  • Pandemia
  • Ainda
  • Futuro
  • Tecnologia
  • Forma
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

a conversa muitos outros

a conversa muitos outros interesses. Mas a coisa de que mais me arrependo de não ter feito foi um Erasmus, algum tipo de intercâmbio no estrageiro. Antes de começarmos a trabalhar e de ter outras obrigações, dá-nos muito mundo. Mas cumpriu o desígnio para que a universidade foi feita: as ideias? Totalmente. O que é que a emociona verdadeiramente na vida? Alguma leitura. Lembro-me de registar frases na memória de que nunca me esquecerei… Que frases? No livro “Pais e filhos”, do Turguêniev, por exemplo, há uma passagem que jamais esquecerei. Em que o filho vai visitar os pais, já velhos, camponeses, os pais a ver o filho pródigo que volta a casa, e eles parados no mesmo sítio… Aquilo, na altura quando li o livro, há dez anos, colocou-me mais na posição dos pais do que dos filhos. Os nossos pais são o nosso passado. Os nossos filhos, o nosso futuro. Para eles, nós já somos o seu passado. Seguem a sua vida em frente e nós temos de aceitar. sem resposta. Sentem-se órfãs. A que portas vão bater? Preocupa-me que alguém, alguma vez, se sinta órfã do Estado. É algo que teremos de atacar com grande força a seguir ao verão. Até porque vem aí a pressão do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)… No PRR, na área transversal da Administração Pública, temos coisas importantes em marcha. Primeiro, o Portal Único, a criação de uma interface de ligação com o cidadão. A ideia é que tenhamos apenas um login e uma password. Segundo, teremos mais 20 Lojas de Cidadão e 300 Espaços Cidadãos, porque há pessoas que não têm a tal literacia digital e outras que precisam mesmo de se deslocar presencialmente. Preocupa-me muito quem é deixado para trás pela tecnologia. É uma nova forma de exclusão social, e a COVID veio catapultá-la. Recentemente, António Guterres sublinhou isso mesmo: há uma nova forma de desigualdade que resulta da transição digital. Há um mundo novo que já se abriu para muita gente, mas que continua vedado a outros tantos. Por isso, o PRR disponibiliza cerca de 76 milhões de euros para capacitação da Administração Pública. 22 Portanto, são os livros, sempre os livros… Na verdade, não sendo eu uma melómana, o que me comove verdadeiramente é a música, sobretudo alguma música clássica. Também gosto muito de música ligeira. O Bruce Springsteen é o músico que mais me lembro de acompanhar, desde os 13 anos. Em 2016 vi-o no Rock in Rio e emocionei-me imenso. Sou uma grande fã do homem e da obra. Já confidenciou que a pandemia atrasou alguns processos, mas acelerou claramente a digitalização dos serviços públicos. Quais os grandes desafios que encontrou no último ano e meio e quais as grandes conquistas? O Estado deu uma boa resposta digital à pandemia, e os exemplos são inúmeros: a telescola, a Pensão na Hora, os balcões temporários de serviço ao cidadão, o serviço de vídeo chamada para apoio digital no site ePortugal. Aquilo que mais me preocupa é haver questões para as quais precisamos mesmo do presencial e, aí, ainda termos muitas limitações. Não só porque a pessoa não tem a literacia suficiente para aceder ao digital, mas também porque há assuntos que têm mesmo de ser resolvidos presencialmente. As pessoas não podem ficar Preocupa-me muito quem é deixado para trás pela tecnologia. É uma nova forma de exclusão social e a COVID veio catapultá-la Toda esta transformação implica uma verdadeira revolução de mentalidades nos funcionários públicos. Sente que, neste momento, toda a AP está verdadeiramente envolvida no processo ou a mudança de mentalidades continua a ser um problema? Os trabalhadores da AP precisam de desenvolver a mentalidade de trabalhar para o projeto. Abro aqui um parêntesis para partilhar o seguinte: a AP cresceu assente num modelo de Max Weber, de legitimação pelo procedimento. A decisão administrativa legitima-se por um procedimento – e isso cria um menor foco no resultado. Quando comparamos o público com o privado, esta é a maior diferença, na verdade imposta pela própria lei. O que precisamos é de temperar o deleite do processo com o foco no resultado. Dou um exemplo: queremos criar um portal de transparência para a gestão dos fundos comunitários. Este é o foco – e depois teremos uma série de procedimentos para lá chegar. Mas os trabalhadores da AP têm de se sentir valorizados. Precisamente. As pessoas têm de sentir que o empenho que põe no seu trabalho tem uma relação direta com a progressão que fazem – e que ela não acontece apenas

Is your data center ready for the new NetOps era? Reduce time to network innocence with our modern network operating system (NOS), switching platforms, and operations toolkit As a data center operator, one of the challenges you face is delivering consistent and reliable network performance across your data center and cloud infrastructure. At Nokia, we take a unique approach to building and operating reliable data center fabrics. Our solution includes SR Linux, an open, extensible, and programmable NOS, data center switching platforms and a NetOps toolkit. Operate and automate your data center network – rapidly, easily and with confidence. Are you ready for the new NetOps era? nokia.ly/dcfabric

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt