COMUNICAÇÕES 239 - Alexandra Leitão: Fazer Política para as Pessoas (2021)

  • Mundo
  • Anos
  • Pandemia
  • Ainda
  • Futuro
  • Tecnologia
  • Forma
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

a abrir 10 NUMEROS 1

a abrir 10 NUMEROS 1 BILIÃO É o valor, em dólares, que o Facebook ultrapassou a 29 junho em bolsa, passando a integrar o restrito clube de empresas norte-americanas com esse ou maior valor de mercado constituído pela Apple, Microsoft, Amazon e Alphabet (dona da Google). O novo máximo foi atingido depois de um tribunal dos Estados Unidos ter rejeitado as acusações de monopólio apresentadas pela Federal Trade Commission e um grupo de estados norte-americanos. 177 MIL MILHÕES É a fortuna, em dólares, acumulada por Jeff Bezos, considerado o homem mais rico do mundo pelo ranking da Forbes “World Billionaires List 2021”. A seguir ao fundador da Amazon surgem o patrão da Tesla, Elon Musk, com 151 mil milhões, e Bernard Arnault, líder da LVMH, a maior empresa de artigos de luxo do mundo, com 150 mil milhões de dólares. Nem a pandemia impediu que os homens mais ricos do mundo continuassem a ver a sua fortuna crescer. 225 MILHÕES É o número de imagens que contém o mapa em 3D mais detalhado de sempre ao cérebro humano. Foi criado por investigadores da Google e da Universidade de Harvard, com a ajuda de ferramentas de IA, depois de mais um ano de trabalho e milhares de horas de supercomputação. Chama-se H01 e abrange apenas um milímetro cúbico do sistema nervoso central, incluindo várias camadas e tipos de células do córtex cerebral, região do cérebro responsável por funções como o pensamento e a linguagem. Os tecidos foram fotografados num microscópio eletrónico de impressão com uma resolução de 4 mm, resultando em 225 milhões de imagens.• ILUSTRAÇÃO STORIES/FREEPIK CONFIANÇA DIGITAL INDUZIDA PELA PANDEMIA CRIA EFEITOS COLATERAIS A ABORDAGEM descontraída dos consumidores face à segurança, aliada à rápida transformação digital por parte das empresas durante a pandemia, pode fornecer aos atacantes mais oportunidades para propagar ciberataques em todas as indústrias – desde o ransomware ao roubo de dados. O alerta é do “IBM Security X-Force”, que diz que os maus hábitos de segurança pessoal também se transportam para o local de trabalho e podem levar a incidentes de segurança dispendiosos para as empresas, com credenciais de utilizador comprometidas, que representaram uma das principais fontes de ciberataques em 2020. Concluiu-se que as preferências resultantes da conveniência muitas vezes superaram as preocupações de segurança e privacidade, levando a escolhas erróneas em torno de palavras-passe e outros comportamentos de cibersegurança. Este estudo, que abrangeu 22 mil inquiridos em 22 mercados, identificou vários efeitos da pandemia nos comportamentos de segurança dos consumidores: o boom digital vai durar mais É urgente passar a uma abordagem zero trust, que use Inteligência Artificial e analítica avançada para detetar potenciais ameaças que os protocolos pandémicos; a sobrecarga de contas leva à fadiga da palavra-passe; e a conveniência supera a segurança & privacidade. Esta realidade pode ter um custo para a segurança e privacidade dos dados, pelo que as organizações devem agora considerar os efeitos desta dependência digital no seu perfil de risco de segurança. Uma das formas de se adaptarem, para além da autenticação multifatores, é passar para uma abordagem zero trust, aplicando IA e analítica avançada ao longo do processo para detetar potenciais ameaças, em vez de assumir que um utilizador é confiável após a autenticação.•

to economic development

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt