COMUNICAÇÕES 238 - MULHERES E TECNOLOGIA O NAMORO QUE ACABARÁ EM CASAMENTO (2021)

  • Apdc
  • Pandemia
  • Infraestruturas
  • Mulheres
  • Tecnologia
  • Digital
  • Empresas
  • Portugal

portugal digital

portugal digital Localização das Infraestruturas Tecnológicas mapeadas e dos Laboratórios Colaborativos Tipologias de Infraestruturas Tecnológicas Infraestruturas Tecnológicas Centros e Interfaces Tecnológicos Infraestruturas de Acolhimento e Valorização de Atividades de C&T Infraestruturas Tecnológicas existentes, por tipologia 161 Infraestruturas Tecnológicas Centros Tecnológicos 7 Centros de Valorização e Transferência de Tecnologia 48 Outras Infraestruturas de valorização da I&D 59 Infraestruturas Integradas em IES 50 Centros Tecnológicos Centros de Valorização e Transferência de Tecnologia Outras Infraestruturas de Valorização da I&D Parques de Ciência e Tecnologia Incubadoras de Base Tecnológica Unidades de Transferência de Tecnologia e Conhecimento Infraestruturas de I&D e Educação 1 8 Laboratórios Colaborativos (CoLAB) Parques de Ciência e Tecnologia 17 Incubadoras de Base Tecnológica 30 Fonte: ANI, Mapeamento das Infraestruturas Tecnológicas portuguesas - 2020 46

Não há dúvida que as infraestruturas tecnológicas são, hoje, figuras fundamentais do Sistema Nacional de Inovação. Nos últimos anos, a sua importância cresceu no que diz respeito à valorização, circulação e transferência de conhecimento e tecnologia, para não falar na sua capacidade de gerar valor e impacto. Desta forma, é essencial aprofundar o conhecimento sobre a sua realidade, sobretudo num contexto pós-pandémico. “Os países europeus estão mais ou menos iguais em termos de impacto negativo da pandemia. Estão todos a tentar criar condições para voltarem a ser competitivos, através da investigação e da inovação e da atração de mais empresas e startups”, reconhece António Bob dos Santos. Para o administrador da Agência Nacional de Inovação (ANI), entre julho de 2018 e abril de 2021 “o mapeamento das infraestruturas tecnológicas é, assim, muito importante, pois através dele consegue saber-se que entidades estão a fazer investigação, quem é que pode dar resposta aos problemas das empresas e que entidades fazem a ligação entre elas”. RAIO-X MINUCIOSO O Mapeamento das Infraestruturas Tecnológicas 2020 atualizou um trabalho idêntico realizado em 2016. Coordenado pela ANI, manteve a base conceptual e a metodologia então utilizadas, de forma a garantir coerência e comparabilidade entre os dois relatórios. No entanto, o Mapeamento de 2020 incorpora alguns desenvolvimentos ocorridos desde 2016, de forma a melhor refletir uma realidade que é dinâmica e algo complexa de retratar. “Durante estes quatro anos, surgiram novas atividades e até novas tipologias de entidades. Por exemplo, em 2016, não havia os Laboratórios Colaborativos, os chamados CoLABS”, especifica António Bob dos Santos. Foram, assim, criados três questionários diferentes – um para Centros e Interfaces Tecnológicos, outro para Parques de Ciência e Tecnologia, e um último para Incubadoras de Base Tecnológica – de forma a que se adaptassem às diversas realidades e às questões específicas que se pretendiam identificar. A estrutura dos questionários foi simplificada e a sua dimensão reduzida, por forma a diminuir a complexidade e o tempo necessário para a resposta. Os inquéritos estiveram disponíveis online, para preenchimento voluntário, entre 14 de fevereiro e 17 de abril de 2020. Desta forma, os dados apurados e incluídos neste mapeamento não refletem o impacto negativo da pandemia, causada O mapeamento faz uma descrição pormenorizada de caracterização física, dos recursos humanos e das ações das entidades pela COVID-19, na atividade das entidades retratadas. Após vários meses de validação e uniformização da informação recebida, criaram-se fichas de caracterização para cada uma das entidades e efetuou-se a análise dos dados. O relatório do mapeamento foi divulgado durante o primeiro trimestre de 2021. “É um trabalho muito exaustivo, que não é possível ser efetuado todos os anos. Trata-se de uma descrição muito pormenorizada de caracterização física, de recursos humanos e das atividades desenvolvidas e/ou a desenvolver por todas as entidades”, reconhece o ex-administrador da ANI. A adesão foi muito positiva, tendo sido consideradas como enquadráveis as respostas de 161 entidades. “Este mapeamento é uma forma de ter visibilidade e dar a conhecer às pessoas e ao sistema de inovação quais são as entidades, as suas competências e a sua performance. As organizações compreendem que é muito importante estarem incluídas num exercício deste tipo. Existe informação, está espalhada por vários sítios, nomeadamente no Portal da Inovação (www. portaldainovacao.pt), mas este é o único relatório que agrega as principais infraestruturas e que faz um exercício de comparação e análise de dados”. QUATRO ANOS POSITIVOS A realidade das infraestruturas tecnológicas, neste mapeamento, é caracterizada em termos territoriais, tendo por base as NUTS II (incluindo as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores), permitindo maior clarificação da realidade de cada uma das “regiões” em termos de capacitação para as atividades de I&D e de Inovação. António Bob dos Santos revela que o Mapeamento de 2020 continua a revelar várias assimetrias regionais em termos de localização das entidades. “A maioria encontra-se no litoral. As infraestruturas mais antigas estão fixadas onde há maior densidade empresarial, o que tem a ver com o histórico da estrutura produtiva do país. Em relação às novas infraestruturas, que foram criadas nos últimos anos, a disparidade geográfica já não se nota tanto: os laboratórios colaborativos encontram-se um pouco por todo o país e uma grande parte no interior. E, em relação às incubadoras, já são raros os municípios que não têm uma infraestrutura para apoiar startups. Hoje, temos startups a nascer em qualquer parte do país. Há grande dinamismo e, por isso, também surge a necessidade de aparecerem estas infraestruturas tecnológicas”. Verdadeiros motores de desenvolvimento, estas infraestruturas assumem”um 47

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt