COMUNICAÇÕES 238 - MULHERES E TECNOLOGIA O NAMORO QUE ACABARÁ EM CASAMENTO (2021)

  • Apdc
  • Pandemia
  • Infraestruturas
  • Mulheres
  • Tecnologia
  • Digital
  • Empresas
  • Portugal

t ema de capa Empresas

t ema de capa Empresas alinhadas No setor empresarial, nomeadamente o tecnológico, o tema da inclusão de género ganhou expressão nos últimos anos. E para que não restem dúvidas sobre a importância dispensada à questão, as iniciativas têm-se sucedido nas mais diversas organizações. MICROSOFT PORTUGAL A Microsoft, que em Portugal integra a Carta Portuguesa para a Diversidade, do iGen – Fórum de Organizações para a Igualdade (https:// forumigen.cite.gov.pt/forum-igen/), foi das primeiras tecnológicas a fazer parte da iniciativa “Engenheiras por Um Dia”, organizada pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género. Mas todos os anos a empresa promove uma iniciativa destinada a inspirar jovens mulheres interessadas numa carreira profissional nas TIC, o “Do It Girls”. Além disso, na sua força de trabalho, tem aumentado a representação do sexo feminino e no Conselho de Administração, composto por 12 membros, cinco são mulheres, sendo que uma delas, Paula Panarra, é a CEO da empresa. ACCENTURE Na Accenture, as mulheres constituem 45% da sua força de trabalho global, o que corresponde a 215 mil mulheres, mais 115 mil do que em 2013. Este rácio reflete uma política para as questões de género que está presente em muitas iniciativas da empresa, desde a criação do Comité da Inclusão e Diversidade, a programas como o Women’s Choice, que preparam as mulheres para cargos de liderança, ou de apoio no regresso ao trabalho, pós-licença de maternidade. Além destas políticas internas, a consultora tem uma parceria com a organização Girls in Tech (https://girlsintech.pt/), que tem o objetivo de incluir cada vez mais perfis femininos na área TIC. Ligada ao iGen, a Accenture Portugal comprometeu-se a elaborar este ano um plano de igualdade, para garantir o cumprimento da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres dentro da empresa. VIEIRA DE ALMEIDA & ASSOCIADOS A sociedade de advogados Vieira de Almeida & Associados (VdA), não sendo uma empresa tecnológica, tem nas TIC uma das suas mais importantes áreas de trabalho. Foi pioneira em Portugal a dedicar-se às matérias jurídicas relacionadas com o setor e quando o fez, foi pela mão de duas mulheres. Margarida Couto, então líder da equipa, recorda que para prestar um bom serviço, tiveram de estudar: “Recorremos à própria PT, nossa cliente, para fazer formação. A partir daí construímos um arquétipo mental, que nos permitiu, à medida que as novas tecnologias iam surgindo, acompanhar essa evolução”. Correu tudo bem, nada na sua experiência as fez sentir menos dotadas para trabalhar nesta área e quando a tecnologia explodiu e foi necessário recrutar mais advogados, foram mais uma vez as mulheres a responder maioritariamente à chamada. Por isso, é com ironia que Margarida Couto afirma, que em matéria de incompatibilidades entre as mulheres e as STEM, na VdA “o mundo sempre foi ao contrário”. Mas não é por isso que a sociedade de advogados deixa de colaborar em iniciativas que promovem a equidade neste setor: “Lançamos, de tempos a tempos, no âmbito da Fundação Vasco Vieira de Almeida o concurso “VdA Got Social Talent”, concurso em que os advogados da VdA apresentam projetos para a fundação desenvolver. Muitos estão relacionados com a desmistificação, através do exemplo, da incompatibilidade entre as mulheres e as STEM, mensagem que passamos às escolas, com o testemunho das nossas advogadas que trabalham para clientes das áreas STEM. Um dos projetos que está agora em desenvolvimento chama-se “WIT – Women in Technology” e o nome, diz quase tudo. 20

CAPGEMINI ENFINEERING PORTUGAL A Capgemini Engineering Portugal é mais uma empresa do setor tecnológico que está comprometida com as questões relativas à igualdade de género. Célia Reis, hoje deputy managing director Engineering Centers – Capgemini, enquanto CEO da Altran Portugal, fez questão de participar em conferências e debates públicos sobre o tema e deu luz verde a projetos como o “We Can Do It”, campanha que se realizou em 2018 para incentivar a integração de mulheres nas áreas das engenharias. A igualdade de género é, de acordo com a empresa, uma prioridade na sua força de trabalho. A prová-lo estão as regulares ações internas que decorrem nos seus escritórios com o intuito de promover a equidade. O reforço que a tecnológica tem feito nos últimos anos para atrair mais raparigas para o programa que desenvolve em parceria com a Câmara Municipal do Fundão e a Universidade da Beira Interior, o “Ignite Your Future”, destinado a aliciar estudantes do preparatório e secundário para as carreiras de engenharia, é outro exemplo da atenção que dispensa à causa da equidade de género. IBM Frisando que “a diversidade e inclusão é parte integrante da cultura e dos valores da IBM”, esta tecnológica também tem investido em iniciativas destinadas a atrair e destacar as mulheres no setor. Exemplo disso é o “Women Leaders in AI”, que este ano distinguiu 40 líderes empresariais inovadoras de 18 países, que estão a utilizar o IBM Watson para promover a transformação, o crescimento e a inovação numa grande variedade de indústrias. A IBM aposta também em iniciativas que ajudem a fazer a diferença desde cedo, como o “STEM for Girls”, que pretende melhorar a educação e os percursos profissionais de jovens raparigas de escolas indianas, ou o “CyberDay- 4Girls”, que tem por objetivo promover a consciencialização sobre a cibersegurança como uma opção de carreira, a nível global, junto de estudantes. Também ligada ao iGen – Fórum Organizações para a Igualdade e parceira do “Engenheiras por Um Dia”, a IBM orgulha-se, nas palavras do seu presidente para Portugal, José Manuel Paraíso, “de apoiar e aumentar a diversidade nesta área”. De acordo com um estudo realizado pelo IBM Institute for Business Value, “a igualdade de género ainda não é uma prioridade para 70% das empresas globais”. Prova de que todo o esforço conjunto que se está a fazer ao nível de governos, sociedade civil e entidades supranacionais, não só é necessário, como determinante. Já estivemos pior? Sim. Mas ainda há um longo caminho a percorrer. 21

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt