COMUNICAÇÕES 237 - Que Portugal Digital Queremos Construir? (2020/2021)

  • Outsourcing
  • Eanes
  • Hubs
  • Residency
  • Upskill
  • Digital
  • Digital
  • Remoto
  • Minsait
  • Huertas
  • Salesforce
  • Braz
  • Ainda
  • Digitais
  • Futuro
  • Clientes
  • Forma
  • Pandemia
  • Portugal
  • Empresas
APDC 237 - Que Portugal Digital Queremos Construir? Janeiro 2021

apdc news Webinar -

apdc news Webinar - Private Wireless Networks Alavanca fundamental de transformação O ecossistema de IT está pronto a responder a todas as necessidades das empresas, olhando para 2021 como um ano de grandes oportunidades. É que haverá muitos apoios para se fazer uma digitalização sem paralelo em todas as áreas da economia portuguesa. Texto de Isabel Travessa 62 https://youtu.be/IQfFxf_YPR0 As ofertas tecnológicas estão a evoluir rapidamente, para dar resposta aos novos desafios das empresas, e antecipa-se que vão ganhar um potencial verdadeiramente disruptivo com o arranque do 5G. Depois das aprendizagens e da urgência da transformação digital trazidas pela pandemia, a adoção de modelos híbridos é cada vez mais uma realidade, sendo as private wireless networks uma componente essencial para as áreas mais críticas. Estas redes são, na opinião de Ricardo Pinto, Solutions manager da Nokia, uma alavanca fundamental de transformação em setores com operações críticas, como o portuário, aeroportuário, utilities ou o automóvel. No início do webinar sobre “Private Wireless Networks”, o gestor explicou que só as redes privadas móveis garantem segurança, conectividade, alto desempenho em débito e latência e universalidade, potenciando verdadeiramente a indústria 4.0. Esta solução coexiste com várias outras, alojadas em clouds públicas, em modelos tecnológicos que envolvem um ecossistema de operadores, parceiros industriais e outros players do mercado, como integradores, fornecedores de cloud e consultores. A IBM é um dos parceiros nesta

oferta de soluções de redes móveis privadas. Nesse sentido, tem estado a desenvolver várias ofertas cloud e edge, assentes numa plataforma híbrida de multicloud, que disponibiliza “uma arquitetura muito estruturada e olha para a componente de infraestrutura, esteja ela onde estiver”, adianta Paulo Coelho, diretor de Multicloud Services and Solutions da IBM. Que explica que este tipo de soluções trará uma maior complexidade à gestão de infraestruturas, já que ao invés de se ter uma computação centralizada num ou dois data centres, o número multiplica-se por centenas ou milhares. Por isso, a tecnológica está a desenhar soluções para garantir uma gestão mais simplificada. Com mais de 200 data centres em todo o mundo, a Equinix tem capacidade para levar as redes privadas até todas as localizações onde os clientes têm de se ligar, no âmbito deste novo paradigma de ecossistemas complexos, com interligações a vários players, fornecedores e clientes. Carlos Paulino, managing director da Equinix, não tem dúvidas de que “o mundo ficou mais complexo na forma como faz negócios. E que, para competir na economia digital, as empresas têm de tornar os seus negócios digitais”. Face a sistemas muito complexos, com múltiplos devices interconectados, a capacidade de manter a privacidade surge como um desafio adicional para as indústrias, porque todas estão em transformação e a concorrência pode surgir das mais variadas formas e lugares. Por isso, “cada um tem de procurar as melhores soluções dentro do que será o As private wireless networks são um dos recursos tecnológicos que podem ajudar a acelerar a recuperação em 2021 paradigma das novas capacidades, incluindo do 5G, que será totalmente revolucionário”, assegura este responsável. Os portos são um dos setores que mais valor poderão retirar de uma rede móvel privada. Nos nove portos nacionais, há duas décadas que se aposta na digitalização, com o desenvolvimento da Janela Única Portuária, sistema colaborativo para dar resposta às necessidades operacionais de cada porto, para integrar com autoridades e agilizar processos. Recentemente, o sistema foi alargado à cadeia de transportes, para criar uma plataforma de colaboração entre todos os atores, com informação em tempo real, alinhamento, harmonização de procedimentos e sincronização, como explica Claúdio Pinto, Information Systems Division manager da Associação dos Portos de Portugal (APP). E o passo seguinte será a ligação a outras plataformas e serviço. É neste âmbito que as redes privadas móveis poderão servir de acelerador da transformação e em 2021 começarão a ser programadas as medidas, com a ambição de se aproximarem dos portos mais competitivos da Europa. Comentando o impacto da pandemia nos investimentos, os oradores admitiram que trouxe alguns constrangimentos e atrasos. Mas como veio colocar em cima da mesa a necessidade de digitalização, 2021 é olhado com otimismo. É que com os programas de apoio, “há uma oportunidade para fazer projetos de digitalização que de outra forma não seriam feitos”, embora os clientes procurem soluções com retornos mais imediatos. Agora, há que acelerar.• CARLOS PAULINO, Managing director, Equinix CLAUDIO PINTO, Information Systems Divison manager, APP PAULO COELHO, Director of Multicloud Services and Solutions, IBM RICARDO PINTO, Solutions manager, Nokia ISABEL TRAVESSA, Content manager, APDC 63

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt