COMUNICAÇÕES 237 - Que Portugal Digital Queremos Construir? (2020/2021)

  • Outsourcing
  • Eanes
  • Hubs
  • Residency
  • Upskill
  • Digital
  • Digital
  • Remoto
  • Minsait
  • Huertas
  • Salesforce
  • Braz
  • Ainda
  • Digitais
  • Futuro
  • Clientes
  • Forma
  • Pandemia
  • Portugal
  • Empresas
APDC 237 - Que Portugal Digital Queremos Construir? Janeiro 2021

apdc news O Futuro dos

apdc news O Futuro dos Negócios - Novos Modelos de Consumo de TI Responder à medida e com flexibilidade A pandemia veio acelerar a procura de soluções de IT as a service em quase todos os setores de atividade. Há claras vantagens nestas ofertas e os fornecedores estão atentos e têm respostas cada vez mais ajustadas à dinâmica do mercado. Texto de Isabel Travessa 58 https://youtu.be/er1zr-yUBrM Flexibilidade, disponibilidade, escalabilidade, time-to-market e redução de custos, em paralelo com o desenvolvimento de processos de inovação digital e de transformação – estas são as grandes vantagens que justificam a crescente procura de serviços e soluções de IT as a service. No webinar sobre “Novos Modelos de Consumo de TI”, ficou claro que o novo normal da pandemia veio acelerar uma tendência que já era evidente em todos os setores de atividade, seja em IaaS (Infraestrutura como Serviço), SaaS (Software como Serviço) ou PaaS (Plataforma como Serviço). Para Luís Lança, sales director da Cilnet, do lado do IT solutions provider, “qualquer debate sobre a utilidade de uma cloud pública foi deixado de lado com a pandemia”. As organizações tiveram de passar para o teletrabalho, priorizar softwares de colaboração, ter gestão de dispositivos móveis diferenciada e garantir segurança à distância, o que “transformou a forma como estamos a fornecer e a operar nestes modelos, criando formas de consumo flexível para dar resposta a necessidades concretas”. Trata-se de disponibilizar

uma oferta diferenciada, com novas soluções que permitam gerir a incerteza em que vivemos. Um dos clientes da Cilnet que está a acelerar a utilização destas soluções é o BNP Paribas. Tiago Leitão, Diretor de IT e CTO para Portugal, refere que apesar do grupo ter uma política relativamente conservadora em termos de IT, definiu uma estratégia de adoção do modelo as a service bastante ambiciosa, com o objetivo de transformar completamente a sua realidade até 2025. Assente numa parceria estratégica com um fornecedor e num processo à escala global do 9º maior banco mundial, passa pela criação de uma cloud privada gerida pelo IT central do grupo, que atuará como cloud solutions provider para todas as áreas de negócio e subsidiárias. Também a HPE disponibiliza mundialmente modelos de as-a-service há mais de dez anos. No mercado nacional tem já um grande leque de clientes em todos os setores de atividade e, através da sua oferta Greenlake, fornece ao cliente a tecnologia que este precisa, no seu datacenter, em modo flexível de consumo e sob o seu controlo absoluto, como destaca Dennis Teixeira, PointNext Services Sales Manager da subsidiária portuguesa. A Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), que opera em áreas tão distintas como a produção de moeda, gráfica de segurança, segurança digital e moeda, publicações oficiais, contrastarias e a edição e cultura, é um dos clientes desta solução. Segundo o seu diretor de Sistemas de Informação, Nélio Marques, o DNA da empresa - a segurança - não mudou, mas passou agora a ser cada vez mais digital. Destacando a inovação como “crucial”, ela só é possível através de uma grande aposta Flexibilidade, nas tecnologias de escalabilidade e informação. “Quem redução de custos são, não inovar e quem entre outras, razões não pensar fora da para a procura de caixa vai estagnar soluções IT as a service e eventualmente até desaparecer”, acrescenta. Já a Galp é cliente SAP nos três modelos de cloud estratégica para a adoção dos diferentes perfis de consumo. A meta na aposta de soluções as a service é obter a máxima flexibilidade, “num grupo com um landscape de sistemas muito complexo e que se encontra num ambicioso processo de transformação digital, onde se pretende que a agilidade e a entrega rápida sejam vitais e o fio condutor”, como refere o seu Corporate CIDO, Nuno Pedras. Por isso, adotou-se um modelo híbrido que permite ter soluções à medida, numa estratégia assente na cloud que usa os modelos IaaS e PaaS mas que não exclui outros modelos, tudo dependendo das necessidades de negócio e dos custos associados. O cloud sales director da SAP confirma que o crescimento da procura tem sido sobretudo nas ofertas cloud e as a service. Saber dar resposta às enormes alterações nas cadeias de abastecimento, adaptando-se à realidade, ou reforçar as formas de chegar às pessoas, tanto colaboradores como clientes, são tendências citadas por Joaquim Freire que atravessaram todos os setores e onde todos estão a fazer investimentos.• LUIS LANÇA, Sales director, Cilnet DENNIS TEIXEIRA, PointNext services sales manager, HPE JOAQUIM FREIRE, Cloud sales director, SAP Cliente SANDRA ALMEIDA, Executive director, APDC TIAGO LEITAO, Director of IT and CTO Portugal, BNP Paribas NÉLIO MARQUES, Diretor de Sistemas de Informação, INCM NUNO PEDRAS, Corporate CIDO, Galp 59

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt