COMUNICAÇÕES 224 - A Senhora Simplex (2017)

  • Apdc
  • Ainda
  • Dados
  • Clientes
  • Novas
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Forma
  • Mercado
  • Portugal
  • Digital
APDC 224 - A Senhora Simplex Setembro 2017

estado da nação

estado da nação 2017 ti – protagonistas 1 Perante a LISTA DE megatendêNCIAS TECNOLógICAS, que não PARA DE CRESCER, como estão a antecipar o futuro? 2 PREVêem gRANDES ALTERAções da vossa estratégia e posicionamento? 3 A FALTA DE RECuRSOS huMANOS COM as qualificações CERTAS constitui um entrave à vossa operação, ou é ultrapassável? - Redes, computação e armazenamento: banda larga em qualquer lado, com nuvem distribuída, armazenamento quase infinito e um supercomputador no bolso de cada utilizador é cada vez mais uma realidade; - Internet das Coisas: mais de um bilião de sensores conectados gerarão enormes benefícios para pessoas e empresas; - InteligênciaAumentada: novas ferramentas ajudarão no processo de tomada de decisão e a automação de tarefas permitirá melhores resultados: - Interação Homem-Máquina: realidade aumentada e virtual, novos interfaces baseadas na voz e gestos, chips implantáveis e objetos inteligentes, reformulação na forma como interagimos com as máquinas. - Economia social e de confiança: a economia partilhada vai expandir-se e a natureza do dinheiro será alterada pelas moedas digitais, tornando a confiança e a segurança essenciais; - Digitalização e ecossistemas: as empresas continuarão a digitalizar operações, a realidade irá estender-se ao universo dos consumidores e da biologia, com novas tecnologias radicais, como a impressão em 3D de órgãos para transplante. As redes de hoje não conseguem satisfazer os níveis de desempenho do futuro. É necessária uma enorme transformação em escala e modelo, para um novo sistema mais eficiente, ágil e seguro. Com novos requisitos tecnológicos - inteligentes, adaptados e com segurança incorporada. O acesso será em grande escala: ultra-local, convergente e com uma latência impercetível. Esta nova realidade exigirá inúmeros avanços tecnológicos e de arquitetura de rede. Criar a tecnologia para conectar o mundo é uma função para a qual a Nokia está muito bem capacitada. O nosso negócio vai além das necessidades das redes de alta performance. Estamos focados na forma como a tecnologia é implantada e utilizada, porque quando falamos de inteligência aumentada, economia social e de confiança ou da interação homem-máquina, falamos sobre tendências que trazem enormes implicações. Criar a tecnologia para criar o mundo traz uma grande oportunidade e responsabilidade, que a Nokia está empenhada em alcançar. Não há falta de recursos com 3 as qualificações certas. Portugal registou esforços notáveis para melhorar as capacidades de recursos humanos na área STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics), produzindo mais graduados e mais investigadores que a média da UE (Eurostat). As universidades portuguesas estão no topo de rankings internacionais e as principais escolas de engenharia têm programas para capacitar engenheiros para áreas STEM. O desafio é a elevada procura de perfis tecnológicos. Frederico Paiva, country business director, Samsung Electronics Acreditamos que os próximos 1 cinco anos vão definir os próximos 50. Há um conjunto de megatendências que estão a criar o que designamos por “4ª Revolução Industrial”. AI, IoT, realidade virtual e gestão do big data são paradigmas de um movimento onde o grupo está na vanguarda. Somos pioneiros na realidade virtual, que continuamos a desenvolver, através de conteúdos e parcerias inovadoras. Temos a ambição de democratizar o conceito de casa inteligente e até 2020 teremos concluída a ligação de cada novo dispositivo à IoT. A plataforma Samsung Connect

permitirá que todos os equipamentos IoT estejam conectados, independentemente do seu sistema operativo. Os esforços continuarão a estar focados na expansão das vendas dos produtos emblemáticos, desenvolvimento de software (como o KNOX, software de segurança empresarial) e serviços relacionados com cloud e AI. Estamos na linha da frente da inovação e queremos 2 continuar a fazer produtos que permitam às pessoas fazer o que antes não lhes era possível. O objetivo é desafiar barreiras e contribuir para o progresso tecnológico, como fizemos no passado. Os nossos laboratórios de R&D, centros de design, instalações industriais e de fabrico e o centro de desenvolvimento na Europa (Samsung Next) são a prova de uma forma de estar no mercado, que aposta na qualidade do produto e pioneirismo. Continuaremos a apostar numa estratégia sustentada no ecossistema Samsung, que permita uma conectividade inteligente. Quer se trate de dispositivos, serviços ou software, a nossa tecnologia foi projetada para se adequar às necessidades dos utilizadores. Mas a conectividade inteligente acarreta responsabilidades, pelo que assumimos o compromisso de garantir a segurança de dados e conteúdos, questão transversal a todo o negócio. Estamos numa era em que já 3 não é suficiente ter só conhecimento técnico. Acredito muito no nível de motivação, comunicação, trabalho de equipa, capacidade de acrescentar valor e vontade de aprender. No grupo, as pessoas passam de umas áreas para outras, numa rotação que traz valor. Temos a cultura que a maioria das pessoas procura no local de trabalho. Em Portugal, temos um programa de talentos transversal, onde são selecionadas três pessoas por ano para um programa de desenvolvimento, um programa de estágios forte e muitas ferramentas de formação. Acima de tudo, há orgulho no que fazemos. As 17 subsidiárias na Europa são submetidas a avaliação e, nos últimos anos, os recursos portugueses têm estado nos primeiros lugares. Luís Urmal Carrasqueira, diretor- -geral, SAP Portugal Como sempre o temos feito: um 1 forte investimento em I&D, a aquisição de empresas estratégicas em termos de oferta e maior proximidade ao mundo da inovação e das startups tecnológicas. Atenta às tecnologias que estão hoje disponíveis, a SAP tem vindo a incluir nas suas soluções de gestão empresarial funcionalidades de IoT, machine learning, realidade aumentada e AI, visando a transformação digital dos nossos clientes e o ganho de novas vantagens competitivas. Para o comprovar, saliento o investimento da SAP, de dois mil milhões de euros, no lançamento da plataforma SAP Leonardo, para ajudar as organizações a beneficiarem da proliferação de sensores, dispositivos inteligentes e big data. Grande parte do sucesso que 2 temos hoje já foi antecipado há cerca de seis anos, com o lançamento de uma plataforma tecnológica de nova geração, na altura completamente disruptiva face ao que existia no mercado. Veio permitir um desempenho bastante elevado e uma aceleração no tratamento e processamento de volumes massivos de dados, tanto em modelo de instalação nos próprios servidores dos clientes, como em modelo cloud. É esta plataforma que nos permite hoje disponibilizar diferentes opções de inovação e a transformação dos modelos e processos de negócios. Até ao momento não foi um 3 grande entrave. No entanto, reconhecemos que é preciso fazer algo para que a situação não constitua um verdadeiro obstáculo. O crescimento do número de centros de serviços remotos instala-

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt