COMUNICAÇÕES 224 - A Senhora Simplex (2017)

  • Apdc
  • Ainda
  • Dados
  • Clientes
  • Novas
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Forma
  • Mercado
  • Portugal
  • Digital
APDC 224 - A Senhora Simplex Setembro 2017

estado da nação

estado da nação 2017 ti – protagonistas 1 Perante a LISTA DE megatendêNCIAS TECNOLógICAS, que não PARA DE CRESCER, como estão a antecipar o futuro? 2 PREVêem gRANDES ALTERAções da vossa estratégia e posicionamento? 3 A FALTA DE RECuRSOS huMANOS COM as qualificações CERTAS constitui um entrave à vossa operação, ou é ultrapassável? plataformas de automação particularmente sofisticadas. Muito trabalho é hoje feito por software. É preciso desenvolver pessoas que possam participar na criação destas soluções diferenciadoras. Para nós, o significado de qualificação vai muito além da componente técnica. Continuaremos a “fazer tecnologia” de nível mundial, sem abdicar do propósito e compromisso nos valores que nos orientam enquanto pessoas e organização. E aplicar não só em Portugal, mas também exportar nos mercados que a AXIANS Portugal tem a responsabilidade de desenvolver, e através da rede VINCI. É isto que queremos: capitalizar o nosso tão característico ADN português de conquista e criatividade, que a história se tem encarregado de demonstrar. Olivier Spreafico, BU leader Southern Europe & Brazil, CGI Estamos num momento de 1 transformação profunda e muito acelerada das organizações e da forma como se posicionam e operam. O processo será muito mais rápido do que se poderia equacionar há algum tempo atrás e é uma inevitabilidade para as organizações (clientes e fornecedores). São tempos desafiantes e transformadores, e as organizações terão de percorrer um caminho que lhes permita estarem preparadas para responder às novas necessidades e a questionar os seus modelos de negócio que, em muitos casos, irão igualmente sofrer grandes alterações. Estes novos modelos trarão grandes alterações para as empresas de consultoria, TI e outsourcing, exigindo uma mudança de paradigma e a revisão dos perfis e modelos de gestão dos recursos humanos. Há, inevitavelmente, ajustes que 2 vamos fazendo e que vão sendo antecipados e geridos atempadamente. A CGI distingue-se por traçar caminhos estratégicos sustentados por uma grande proximidade com clientes e um profundo conhecimento das áreas de tecnologia e transformação digital. Ouvir os clientes é fundamental, e por isso o estudo anual “Voice of the Clients” é crucial para a definição do Plano Estratégico. Em todo o mundo, realizamos mais de 1300 reuniões face to face com os IT e business leaders, para ouvir a sua opinião sobre as tendências e a forma como afetam o seu negócio. Desta forma, em colaboração com as nossas equipas que acompanham e analisam as tendências, conseguimos antecipar o futuro de modo concreto e sólido. As linhas que ditam a nossa estratégia e posicionamento têm duas vertentes. Por um lado, a visão de alto nível dos objetivos macro goza de uma perenidade que nos permitiu crescer durante mais de 40 anos e ser uma das empresas mais sólidas e de confiança nas consultoras de TI. Essa visão resulta num rumo estável, onde ambicionamos a excelência e a melhor qualidade no que entregamos. Por outro lado, pautamos a nossa atuação por uma adaptação célere e pela aposta em novas formas de acrescentar mais valor aos clientes. É um tema de preocupação. 3 Há universidades e politécnicos já com cursos adaptados e de muita qualidade, mas o número de recursos que sai anualmente e que fica a trabalhar no país não é suficiente para as necessidades, sobretudo num contexto de intensificação do ritmo da transformação digital. Na CGI, a questão tem sido contornada com formação interna a novos talentos, que têm o perfil e o drive necessários, para os preparar para assumirem o papel de consultores capacitados e serem uma mais-valia para a empresa e os nossos clientes. Na Unidade de Negócio da ECS, temos a nossa própria Academia CGI, cujo objetivo é o reskilling e upskilling, permitindo a especialização ao nível do conhecimento do negócio, tecnologia e processos.

Sofia Tenreiro, diretora-geral, Cisco Portugal 1O crescimento exponencial de dados e de dispositivos ligados está a desafiar a capacidade dos departamentos de TI. É necessário redefinir a rede, aproveitando AI, conhecimento dos aparelhos (machine learning) e capacidade analítica avançada. A Cisco apresenta a rede do futuro, intuitiva, capaz de aprender, de se adaptar e de evoluir. Informada pelo contexto e estimulada pela intenção/ necessidade de negócio, quanto mais se utiliza, mais intuitiva se torna. Assim, transformamos a rede, ao redesenharmos o nosso hardware desde o princípio, integrando-o com o software mais avançado. Há 30 anos que o grupo ajuda 2 empresas e administrações públicas a construírem redes inteligentes e a integrarem soluções de TI, para aproveitar as oportunidades digitais do futuro e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Contribuiu para a definição das principais transições tecnológicas, como VoIP, vídeo, computação unificada, cloud, Internet of Everything ou a rede intuitiva, a nova geração de redes auto adaptáveis às necessidades. Tudo graças aos 21 mil engenheiros e nove centros de inovação que desenham novas soluções. Destinamos mais de seis mil milhões de dólares por ano à I&D –13% dos rendimentos globais – e temos uma oferta de produtos e serviços organizada em quatro arquiteturas tecnológicas – Colaboração, Data Center/Cloud, Segurança e Enterprise Networking – que constituem a base para facilitar a transformação digital. A Cisco mantém o seu compromisso com a formação 3 em novas tecnologias, através da Networking Academy (NetAcad). É uma iniciativa de responsabilidade social, sem fins lucrativos, para formar jovens, desempregados ou pessoas que queiram desenvolver capacidades digitais. Desde a sua fundação, o projeto contribuiu com mais de 350 milhões de euros na formação de professores, elaboração de currículos específicos e contribuição de infraestruturas na UE. As NetAcads contribuem para a inserção de novos trabalhadores no mercado de trabalho, ou reinserção de desempregados: 53% dos alunos conseguiram um novo trabalho depois de obterem o diploma. Em finais de junho, foram anunciados novos programas de formação e desenvolvimento, para acelerar a adoção de redes auto adaptáveis perante os 28 mil profissionais de rede que participaram no Cisco Live. O grupo estará sempre muito comprometido em ajudar os países a acelerarem a sua transformação digital, sendo a formação um dos pilares que permitem a digitização mais rápida. António Lagartixo, Deloitte partner A única certeza que podemos 1 ter na evolução tecnológica é que continuará a superar as melhores estimativas. Foi assim no passado e continuará a ser no futuro. Mas existem áreas em que a certeza de mudança é hoje muito alta. Podemos apostar que a utilização massiva das capacidades ligadas à AI/machine learning e as potencialidades baseadas em connected devices (ou IoT), será um pilar para as transformações de curto prazo mais impactantes. Implicam grandes evoluções tecnológicas em aspetos mais core, mas essenciais, como o aumento exponencial da capacidade de computação e de armazenamento de dados ou a capacidade e velocidade das redes de comunicação. Há ainda um conjunto de riscos adicionais que devem ser bem ponderados. Quando praticamente toda a vida em sociedade está dependente e assente em recursos tecnológicos, temas como cibersegurança, segurança física de recursos e proteção de dados, são cada vez mais críticos. As enormes evoluções tecnológicas obrigam a ajustar a 2 forma como planeamos o negócio no futuro. Temos como pilar central da estratégia continuar a

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt