COMUNICAÇÕES 224 - A Senhora Simplex (2017)

  • Apdc
  • Ainda
  • Dados
  • Clientes
  • Novas
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Forma
  • Mercado
  • Portugal
  • Digital
APDC 224 - A Senhora Simplex Setembro 2017

estado da nação

estado da nação 2017 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Crescer e exportar soluções Há mais investimentos de grandes grupos internacionais, mais projetos em curso e mais parcerias no ecossistema. As TI nacionais aproveitam o potencial do país para crescer e exportar inovação. O setor ganhou este ano dois novos protagonistas: a DXC Technology e a AXIANS Portugal. A primeira resultou de um spin-off da HP Enterprise (HPE), em parceria com a CSC, criando um gigante de serviços de TI end-to-end centrada nas soluções de próxima geração, em especial cloud e mobilidade. O plano? Crescer com base em serviços de nearshore, focando-se na cloud, analítica, segurança e BPM. Banca, seguros, saúde e transportes são setores prioritários. A AXIANS surgiu na sequência da venda, pela Novabase, da subsidiária IMS à VINCI Energies. Já tem duas subsidiárias para desenvolver negócios em África - Angola e Moçambique – e integra a marca da VINCI para as soluções TIC e serviços, apoiando os clientes em projetos TIC, desde as infraestruturas às aplicações. Por sua vez, a Novabase, agora sem no negócio de infraestruturas e serviços de gestão, avança no crescimento através da internacionalização. Assume-se como fornecedor especializado em áreas que geram mais valor para o mercado global, sendo aposta as soluções tecnológicas para telecomunicações e soluções verticais para setores como banca, energia, transportes e AP. O internacional já vale 60% das suas receitas. Já a HPE está centrada nas soluções para a transformação digital nos vários setores de atividade. A subsidiária dispõe de um portefólio de soluções para dar resposta ao mercado, assentando a oferta na visão de que o sucesso das organizações passa por dominar e unificar dois elementoschave: TI híbridas e inteligência nos dispositivos ligados à rede. No primeiro trimestre, segundo a IDC, liderada o negócio dos servidores, com uma quota de 31,4%. Também a HP Portugal, que na sequência da cisão da gigante mundial HP em 2016, ficou com os negócios de computação e impressão, está a crescer em receitas e unidades vendida. Está em 2º lugar na venda de desktops, portáteis e híbridos, com 17,7% do mercado português (dados IDC) e no ano passado passou a liderar o segmento de consumo. A impressão 3D é a grande aposta. MAIS CENTROS DE COMPETÊNCIAS Mas há mais novidades. A subsidiária da CGI reforçou a sua operação nacional, com a abertura do Cloud Innovation Center, que fornecerá serviços para gerir a informática das empresas em 40 mercados. Cerca de 30% das receitas resultam da exportação de software e serviços de consultoria e outsourcing e a meta é duplicar esse valor. Também a Cisco Portugal dispõe de um centro de operações

Agora a produção em massa consegue responder aos objetivos individuais. Até aos da Carla. Isto é Ingenuity for Life * . Até hoje aplicava-se na produção o conceito: ou rápido ou flexível. A produção industrial controlada de forma inteligente altera agora as regras do jogo. Um fabricante de cosméticos, por exemplo, pode encher toda a produção de champôs usando apenas uma linha de montagem, colocando os seus produtos nos pontos de venda em metade do tempo. Isto significa conseguir reagir a solicitações dos diferentes clientes de forma seletiva e eficiente. Uma vantagem competitiva para o fabricante, e novos impulsos para a produção industrial. Quando percebemos o que é realmente importante, isto é Ingenuity for Life * . Em Portugal também estamos a ajudar a revitalizar a indústria, tornando-a mais rápida, mais flexível, e, acima de tudo, mais competitiva. siemens.pt/ingenuityforlife CGCB-A10118-00 | * Engenho para a vida

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt