Views
1 year ago

A Economia Digital em Portugal 2018

  • Text
  • Permite
  • Resultados
  • Plataforma
  • Desafios
  • Economia
  • Portugal
  • Forma
  • Digital
  • Dados
  • Tecnologia

a economia

a economia em portugal 2018 digital 1.2 Blockchain | Crypto Currency 26 The World Economic Forum's analysis has yielded six key findings regarding the implications of distributed ledger technology (DLT) on the future of financial services Key findings 1. DLT has great potential to drive simplicity and efficiency through the establishment of new financial services infrastructure and processes 2. DLT is not a panacea; instead it should be viewed as one of many technologies that will form the foundation of nextgeneration financial services Infrastructure 3. Applications of DLT will differ by use case, each leveraging the technology in different ways for a diverse range of benefits 4. Digital Identity is a critical enabler to broaden applications to new verticals; Digital Fiat (legal tender), along with other emerging capabilities, has the ability to amplify benefits 5. The most impactful DLT applications will require deep collaboration between incumbents, innovators and regulators, adding complexity and delaying Implementation 6. New financial services infrastructure built on DLT will redraw processes and call into question orthodoxies that are foundational to today's business models Fonte: http://www3.weforum.org/docs/WEF_The_future_of_financial_infrastructure.pdf, páginas 18 e 19 diversos como a identidade ou a moeda, e terá tanto maior impacto quanto maior for a participação (colaboração) entre instituições na aplicação da tecnologia aos processos que suportam as cadeias de valor entre elas. Assim, para melhor classificar os casos de uso potenciais, devemos procurar as seguintes motivações base para a criação de plataformas assentes em blockchain: Possuir diversos participantes; Procurar a simplificação operacional; Aumentar a eficiência regulatória; Reduzir riscos e tempos de execução de processos entre organizações; Minimizar a fraude. A Aliança Portuguesa de Blockchain é uma coligação de empresas, academias e entidades governamentais que procuram aumentar os seus conhecimentos sobre esta tecnologia emergente todo o mundo inovador sobre o futuro da nossa sociedade. No âmbito destes concelhos, destaca-se a rede dedicada ao estudo do futuro do blockchain, reconhecendose assim esta tecnologia como uma componente fundamental para o futuro das indústrias, governos e sociedade em geral. Este grupo de personalidades, representantes das mais diversas organizações a nível mundial, têm vindo a publicar os resultados da sua análise, com saliência para a publicação feita em agosto de 2016 na habitual conferência anual em Davos, onde se estudavam os potenciais impactos da tecnologia blockchain para o futuro das infraestruturas de serviços financeiros (ver quadro com as conclusões chave do World Economic Forum). Complementarmente, desta análise resultou um conjunto de evidências (ver quadro da página ao lado) que se aplicam de forma mais abrangente a outros setores de atividade e nos ajudam a avaliar potenciais casos de uso por forma a extrair o máximo benefício da aplicação desta tecnologia. Resumidamente, o blockchain potencia a simplificação de processos. Assumidamente será utilizado como suporte a representações digitais de ativos Os melhores casos de uso serão aqueles onde estes benefícios são devidamente quantificados e onde o desenho das plataformas contempla o atingimento de um ou mais dos mesmos. Casos de aplicação em Portugal Em Portugal destacam-se as iniciativas de investigação a nível universitário, com particular destaque para os estudos e projetos desenvolvidos na área dos sistemas distribuídos, que levaram algumas universidades portuguesas a desenvolver relações de parceria com multinacionais e a colaborar na investigação de tópicos fundamentais para o blockchain, como sejam escalabilidade e protocolos de consenso. Destacamos as iniciativas em curso pela Universidade do Minho e TecnINESC, na realização das conferências Chain-In (www.chain-in.org) que visam reunir peritos das áreas académica, tecnológica e industrial no debate de diversos temas relacionados com o desenvolvimento da tecnologia. Também muito relevante é a estreita parceria entre a divisão de pesquisa

27 a economia digital avançada da IBM na Suíça e diversas instituições académicas portuguesas (Universidade do Minho, Instituto Superior Técnico e Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) que, ao longo dos últimos 15 anos, têm desenvolvido ativamente um conjunto de iniciativas de pesquisa em sistemas distribuídos, e mais recentemente no âmbito do blockchain. Este ano fica também marcado pelo nascimento da Aliança Portuguesa de Blockchain (www.all2bc.com), que imediatamente começou a desenvolver um importante trabalho de divulgação e apoio ao tecido empresarial e ao próprio governo português, do qual se esperam resultados efetivos na mudança de comportamento organizacional face a esta nova tecnologia, com boas perspetivas de, num futuro próximo, se realizarem diversos projetos nos mais variados setores de atividade em Portugal A Aliança Portuguesa de Blockchain é uma coligação de empresas, academia e entidades governamentais que procuram aumentar os seus conhecimentos sobre blockchain, uma tecnologia emergente que ganha cada vez mais tração em todo o mundo e nos mais variados setores económicos. Uma das iniciativas que a Aliança promove são os Blockchain Challenges, desafios de negócio baseados em blockchain. Estes reptos constituem desafios criativos e tecnológicos com base em distributed ledgers e são orientados para vários setores, como banca, seguros ou retalho, por exemplo, e que procuram responder a uma ou mais necessidades identificadas nesses setores e que o blockchain pode ajudar a resolver. Entidades como a Abreu Advogados, BCSD, EMEL, Fidelidade e REN já lançaram os seus desafios de blockchain que tocam vários setores que vão ser impactados por este paradigma. A sustentabilidade e a mobilidade, por exemplo, são dois dos desafios lançados no site Distributed ledger technology has great potential to drive simplicity and efficiency through the establishment of new financial services infrastructure and processes The following six key value drivers for DLT were identified through the in-depth examination of nine use cases from across financial services. da Aliança Portuguesa de Blockchain, assim como o setor energético, seguradores e advocacia, para além de um desafio aberto, promovido também pela Aliança, onde qualquer ideia baseada em blockchain pode competir. Casos de aplicação no estrangeiro Value drivers 1. Operational simplification DLT reduces/eliminates manual efforts required to perform reconciliation and resolve disputes 2. Regulatory efficiency improvement DLT enables real-time monitoring of financial activity between regulators and regulated entities 3. Counterparty risk reduction DLT challenges the need to trust counterparties to fulfil obligations as agreements are codified and executed in a shared, immutable environment 4. A Clearing and settlement time reduction DLT disintermediates third parties that support transaction verification I validation and accelerates settlement 5. A Liquidity and capital Improvement DLT reduces locked-in capital and provides transparency into sourcing liquidity for assets 6. Fraud minimization DLT enables asset provenance and full transaction history to be established within a single source of truth Fonte: http://www3.weforum.org/docs/WEF_The_future_of_financial_infrastructure.pdf, páginas 18 e 19 Mercado DA EnergIA Solar e Gestão DA REDE Elétrica Devido à novidade e ao potencial da blockchain, há muito interesse em usá-la para explorar novas oportunidades de mercado ou capitalizar as existentes. Um exemplo disso é a criptomoeda SolarCoin 7 , criada para incentivar a geração de eletricidade a partir da energia solar. Um caso de uso interessante para o blockchain é a implementação de uma rede peer-to-peer descentralizada para transações de energia solar. Nesta rede, cada par equipado com um painel solar pode transacionar a energia solar elétrica que gera diretamente com ou- Há interesse em usar o blockchain para explorar novas oportunidades. Um exemplo é a criptomoeda SolarCoin, criada para incentivar a geração de eletricidade a partir da energia solar em portugal 2018 1.2 Blockchain | Crypto Currency

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt