A Economia Digital em Portugal 2017

  • Sucesso
  • Cliente
  • Processo
  • Clientes
  • Forma
  • Economia
  • Processos
  • Projeto
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2017 digital 1.11 Media 98 A longevidade e as fortes audiências do formato reality show só foram possíveis graças à constante inovação, nomeadamente o recurso a uma estratégia multiplataforma no semanário e formato digital. Também permitiu a criação de mais uma edição semanal do diário ao sábado, com as escolhas editoriais da semana (os artigos mais importantes da semana no diário), duas newsletters diárias. O sucesso deste modelo levou à sua replicação com a criação em janeiro de 2017 de uma edição semanal da Exame Informática apenas em formato digital. Métricas Aumento do número de leitores digitais do Expresso, de cerca de 8.500 em 2013 para 25.000 em 2016, sendo a publicação líder de audiências no digital pago em Portugal, apesar do aumento significativo do preço das assinaturas, resultante da oferta mais alargada (aumento do preço de uma assinatura anual de €69.90 em 2013 para €89.92 atualmente). Aumento das visitas ao site do Expresso em cerca de 20%. Ensinamentos e Fatores Críticos de Sucesso A transformação digital torna-se mais fácil quando se cria um objetivo exigente e partilhado por várias áreas da organização (comercial, editorial, digital, técnica). O trabalho conjunto diário de equipas transversais foi essencial quer para a qualidade do trabalho, quer para o cumprimento dos prazos de execução. Acompanhamento e sponsorização ao mais alto nível da organização por forma a ser possível a tomada de decisões rápidas e gestão dos prazos do projeto. Gestão de projeto (PMO) com forte capacidade de liderança e de antecipação e identificação de riscos e temas críticos. Coordenação: Pedro Soares, Impresa TVI Reality Shows Inovação A introdução de um novo formato televisivo em Portugal, o reality show, foi feita pela TVI no ano 2000 com a estreia do "Big Brother". À época muitos duvidavam do potencial aglutinador deste tipo de formato, mas o mesmo veio a provar-se um sucesso que ultrapassou o circunstancial e se estabeleceu no país, vai para 17 anos, atravessando gerações, regiões e classes sociais. Em 17 anos seria impossível manter tal longevidade simplesmente repetindo a receita do formato original. A sua longevidade e fortes audiências só foram possíveis pela constante inovação. Objetivos Captação de audiências transversais, alinhadas com o perfil de um canal FTA/ generalista; inovar no storytelling em TV e também multiplataforma; criar novas linhas de negócio bem como uma nova forma de produção. Resultados 2000/2001: disponibilização da emissão em streaming de algumas das câmaras da "Casa do Big Brother 1", apenas para clientes IOL. 2000/2003: criação do primeiro canal 24h na TV Cabo, canal 43 (disponível durante as três edições do "Big Brother"). 2010: primeira aplicação interativa nas boxs do MEO, com o "Secret Story 1", com mais de um milhão de vídeos vistos/mês. 2010: criação do canal TVI Direct, um canal sazonal, disponível 24h no cabo com a emissão ininterrupta do reality show "Secret Story 1" e formatos seguintes.

99 a economia digital 2012: "Secret Story 3" é o primeiro programa da TV portuguesa a permitir votos em direto pelo Facebook. 2014: o canal TVI Direct durante o "SS: Desafio Final 2” foi emitido em exclusivo na web e em modelo de subscrição paga. 2014: criação da Sala Interativa NOS e Aplicação Interativa by NOS: pela primeira vez os espectadores em casa puderam comandar e decidir durante a semana sobre missões, punições e prémios aos concorrentes; 2015: estreia do canal TVI Reality, 24h/dia e 365 dias/ano, totalmente dedicado à temática dos realities e com formatos pensados para o canal, um exclusivo NOS. 2016: criação do primeiro formato original de reality, pela TVI & Endemol - “Love on Top”. 2016: pela 1.ª vez em Portugal uma app mobile integra seis formas de pagamento: in-app purchase (iOS e Android), Multibanco, Cartão de Crédito, PayPal, Carrier Billing e Premium SMS. Métricas 73,8% share – a maior audiência de sempre foi na primeira final do “Big Brother 1”, a 31 de dezembro de 2000: ou seja, do total de pessoas a ver TV nessa hora quase 74% estavam na TVI. 31 – Número de reality shows já emitidos em 17 anos, na TVI. +20 Milhões – Audiência do site, em páginas vistas, num mês normal de reality. 120.000 – No "Big Brother 1" inscreveram-se 4000 pessoas; para o "Big Brother 2" o aumento foi de 3000%, com 120.000 pessoas a quererem participar. A, B, C, D, E ; -75 Anos – O habitual em qualquer reality na TVI é liderar de forma inequívoca em todas as classes sociais, dos A e B’s aos E’s com margens sempre superiores a 35% face à concorrência, bem como em todas as idades, com exceção apenas nos indivíduos com mais de 75 anos, onde ganha a RTP (dados GFK, ex. “A Quinta”). Ensinamentos e Fatores Críticos de Sucesso Em 17 anos de reality shows em Portugal e 31 edições depois, muito foi aprendido. Em primeiro, ter um canal em direto 24h/dia e com a emergência da web e das redes sociais permitiu que também o público pudesse fazer parte da produção, que lê e acompanha todos os comentários e descobriu mesmo pelo Twitter que um dos concorrentes tinha conseguido entrar com relógio na casa. Por outro lado, a interatividade e novas formas de visionamento e participação são fatores críticos para manter a juventude do formato e o espaço de laboratório ideal, onde testar e depois poder alargar a outros formatos. Em terceiro, em Portugal ainda há marcas que resistem a ter presença no programa, contrariando a aposta forte e aguerrida, como acontece com as top brands na maioria dos restantes países europeus, como Reino Unido, França ou Espanha. O reality tornou-se também num gerador de conteúdos permanente durante 24 horas que vai para além do formato, e que alimenta não só o canal mas também muitos programas da grelha da TV generalista. Nesses programas, como o "Você na TV" ou "A tarde É Sua" a introdução de conteúdos do reality alimenta sempre o alinhamento dos formatos e aumenta o engagement, provocando uma verdadeira “retro-alimentação” permanente entre vários públicos. Percebemos ao longo dos anos que o público do reality é muito fiel, participativo, exigente e interveniente, sobretudo após o advento das redes sociais. O feedback qualitativo aumentou significativamente nos últimos tempos por A interatividade e novas formas de visionamento e participação são críticos para manter a juventude do formato e o espaço de laboratório ideal, onde testar e depois poder alargar a outros formatos em portugal 2017 1.11 Media

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt