A Economia Digital em Portugal 2017

  • Sucesso
  • Cliente
  • Processo
  • Clientes
  • Forma
  • Economia
  • Processos
  • Projeto
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2017 digital 1.9 Turismo 82 dos clientes. Para estes clientes – que andam sempre de gadget na mão – o online e as redes sociais são parte integrante do modo de vida e por isso mais informados e exigentes. O projeto passou em primeiro lugar por uma automatização de processos: Check-in | check-out através da utilização de terminais instalados no lobby da unidade; Controlo da domótica e climatização do quarto através de uma app – disponível para Android, IOS e sistema de IPTV. Mas como funciona este self check-in? O cliente faz a identificação de reserva através do sistema de reconhecimento ótico de caracteres (OCR), o cliente finaliza o processo de compra com pagamento automático e é-lhe dispensada uma chave de RFID que permite a abertura do seu quarto. E em que se concretiza a domótica do quarto? O cliente pode criar cenários de iluminação; de alteração da temperatura ambiente; e de manipulação dos estores e cortinas do quarto através das opções que estão disponíveis na TV e na App Evolution (disponível para IOS e Android). Apesar desta tecnologia estar implementada existem betoneiras na parede que permitem o controlo de forma tradicional. No setor hoteleiro em Portugal, estas são soluções claramente inovadoras e o hotel Evolution foi o primeiro hotel high tech em território nacional. Esta criação de equipamentos self check-in foi desenvolvida para criar autonomia para os hóspedes e a integração da domótica do quarto com o smartphone ou tablet do cliente é feita através da app Evolution e/ ou através da TV. Todas estas funcionalidades são facilidades que têm por objetivo desenvolver um produto e experiência diferenciadores, acompanhando uma tendência do mercado hoteleiro internacional. Estas transformações vêm corresponder essencialmente às expectativas do turista da geração millennial mas cujas características se têm vindo a tornar, ao longo do tempo, transversais às várias faixas etárias. Objetivos Permitir aos hóspedes ter maior autonomia, facilidade, rapidez no serviço, inovação e liberdade durante a sua estadia. Incrementar o conforto dentro da unidade. recorrendo a soluções que acompanham as novas tendências tecnológicas. Assegurar que o cliente pode interagir, se precisar, com o staff do hotel. Dinamizar a autonomia do cliente no momento do check-in e check-out e no controlo do quarto. Obter mais disponibilidade do staff do hotel para um atendimento mais personalizado e mais próximo do cliente em vez de estar preocupado com os processos administrativos. Desta forma o cliente sente-se satisfeito porque contacta com um sistema e um hotel claramente inovador que lhe permite ter uma experiência diferenciadora. Além das facilidades do controlo da estadia, a app Evolution também disponibiliza informação sobre o hotel e a cidade, o que é também uma mais-valia para um cliente que gosta de estar informado e viver todas as experiências que estão ao seu alcance. Resultados Foi alcançada uma otimização dos recursos humanos da unidade e redução dos processos administrativos inerentes ao funcionamento de um hotel. Se por um lado o investimento tecnológico foi elevado, por outro lado, esse mesmo investimento permitiu por exemplo que todas as informações para os hóspedes sejam dadas em formato digital permitindo ter comportamentos mais sustentáveis e uma redução de custos, nomeadamente uma poupança em processos administrativos inerentes a um hotel. A nível operacional, também facilita os processos internos do hotel. Finalmente, para a empresa, o Evolution ajuda a posicionar o grupo Sana como um grupo hoteleiro que apresenta uma oferta diversificada e inovadora. Ensinamentos e Fatores Críticos de Sucesso As diferentes gerações encontram-se disponíveis para interagir e ajudar a integrar de forma positiva as novas tecnologias ao setor em questão. Há uma sensibilização e formação das equipas para lidar com as novas tecnologias e servir como ponte para os mais céticos. Esta sensibilização e formação foi inicialmente realizada em sala antes do hotel abrir com a equipa de formação interna do Sana Hotels e com a intervenção de alguns fornecedores. Atualmente, a formação é feita on job, numa base diária, criando um espirito de partilha de informação e proximidade entre as equipas. Coordenação: Paula Roque Esteves, NOS

1.10 saúde Plataformas que permitem articular diversas entidades na gestão da informação estão a produzir efeitos muito positivos num setor tão sensível como o da saúde, com impactos particularmente relevantes ao nível da saúde pública. O desenvolvimento da telemedicina está, em paralelo, a revelar todo o seu potencial, apontando caminhos que prometem alterar, a curto prazo, o paradigma da assistência à saúde em Portugal. Direção-Geral de Saúde (DGS) Sistema de Informação de Mortalidade Informatização do Sistema de Informação de Mortalidade Os sistemas de informação de mortalidade fiáveis são essenciais para o funcionamento eficaz do sistema da saúde e para a avaliação do estado de saúde da população. De facto, os indicadores de mortalidade e causas de morte constituem os elementos essenciais no diagnóstico da situação de saúde numa população, base para o planeamento e política de saúde. O Sistema de Informação dos Certificados de Óbito (SICO) veio permitir a articulação das entidades envolvidas no processo de certificação de óbitos, com vista a promover uma adequada utilização dos recursos, a melhoria da qualidade e do rigor da informação e a rapidez de acesso aos dados em condições de segurança e no respeito pela privacidade dos cidadãos. A Direção-Geral da Saúde (DGS) é a entidade responsável pelo tratamento da base de dados e garante a vigilância epidemiológica da mortalidade, identificando situações de risco para a saúde pública e a

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt