A Economia Digital em Portugal 2017

  • Sucesso
  • Cliente
  • Processo
  • Clientes
  • Forma
  • Economia
  • Processos
  • Projeto
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2017 digital 1.2 Administração Pública 22 Um museu digital com todas as valências de um museu físico, o Museu Casa da Moeda é um projeto inclusivo e aberto a todas as faixas etárias, gratuito e acessível 24 horas por dia Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) Portal do Museu Casa da Moeda Digitalização e experiência dos utilizadores O “Museu Casa da Moeda” da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) foi lançado a 31 de dezembro de 2016, a partir do endereço museucasadamoeda.pt, e consiste num museu digital com todas as valências de um museu físico, onde se apresenta o vasto espólio da instituição, com uma coleção permanente, exposições temporárias, serviço educativo, loja, edições próprias e parcerias com outras instituições museológicas na criação de exposições. Embora se apresente como novo e de olhos postos no futuro, dado o seu formato digital, a coleção do atual museu começou a ser constituída em 1777, quando o então primeiro-ministro, o Marquês de Pombal, ordenou que se guardassem todo o tipo de moedas, medalhas e documentos. Hoje, este espólio pode ser consultado em www.museucasadamoeda.pt, fisicamente através das exposições temporárias que se realizam na Casa da Moeda, ou noutros locais e em museu parceiros, e ainda junto de investigadores (apenas por marcação). O Museu Casa da Moeda é por isso um projeto inclusivo e aberto a todas as faixas etárias, acessível, gratuitamente, 24 horas por dia, sete dias por semana, a partir de qualquer parte do mundo. Este portal inclui ainda a possibilidade de criação de uma área pessoal, onde se pode fazer uma “curadoria individual” das peças preferidas e posteriormente partilhar esta seleção com o mundo. A dinamização deste projeto, de carácter inovador em Portugal, inclui várias frentes de ação, para além da criação contínua de conteúdos no website e gestão de redes sociais próprias, das quais se destacam: as ações de serviço educativo, quer nas exposições temporárias, quer junto das escolas; a programação regular; o reforço das parcerias com as outras instituições museológicas e culturais; e o estabelecimento de relações com outros agentes individuais ou coletivos na área da numismática e medalhística, por forma a partilharem conhecimentos, iniciativas e, até, seguidores. Objetivos O Museu Casa da Moeda pretende preservar o valioso património da coleção de moedas e medalhas da INCM, facilitar a investigação académica, prestar apoio aos colecionadores e apreciadores do universo numismático e divulgar ao público em geral a moeda enquanto objeto que marca a nossa história, cultura e civilizações. Conquistar novos públicos e trazer visitantes ao museu (acessos ao site). Resultados Nos primeiros três meses de 2017, o portal ultrapassou os 10.000 visitantes e atingiu as 60.000 pageviews, sendo 88% destes acessos feitos em Portugal. No mesmo período a página de Facebook dedicada ao museu obteve mais de 3.000 likes.

23 a economia digital Métricas A INCM detém uma coleção constituída por mais de 35 mil moedas, 9 mil medalhas, além de diverso material bibliográfico e documental, sendo que atualmente já estão online 10.924 peças. Ensinamentos e Fatores Críticos de Sucesso Gestão in-house da página web e redes sociais associadas, o que garante um tempo de resposta célere. Alimentação contínua e regular do website com notícias, perguntas, links associados e jogos. Investimento em campanhas de comunicação em diferentes plataformas online e offline para divulgação do projeto. Coordenação: Joana Castro e Costa Mais informação: https://www.museucasadamoeda.pt https://www.incm.pt/portal/incm_inovacao.jsp https://vimeo.com/191038308 Ministério da Justiça – Instituto dos Registos e Notariado I.P. BUPi – Balcão Único do Prédio Digitalização e experiência do cliente Este projeto surge da necessidade de aumentar o conhecimento sobre quem são os proprietários de prédios, rústicos e mistos, bem como quais os limites efetivos das suas propriedades no território português. Esta informação tem impactos em vários domínios públicos, desde os registos de titularidade, passando pelas declarações para efeitos de finanças, até ao ordenamento do território, e assume particular importância na época de incêndios, em que não é possível identificar os proprietários que há muito abandonaram os seus terrenos, não cumprindo com as suas obrigações de limpeza ou, mesmo quando estamos perante herdeiros identificados, pouco ou nenhum interesse estes demonstram na sua manutenção. Torna-se assim essencial existir uma plataforma que harmonize a informação entre as várias entidades, que atraia mais prédios para o sistema registal (o registo apenas é obrigatório desde o começo do presente século) e que facilite a identificação dos limites das propriedades. Trata-se de um projeto de enorme dimensão, envolvendo seis ministérios e as autarquias locais. Com fatores de risco, conhecidos e assumidos, já que todos temos consciência que trabalhando de forma colaborativa, sistematizada e modernizando estruturas e sistemas de informação poderemos, num espaço de tempo bastante curto e com custos controlados, alcançar o conhecimento georreferenciado de todo o território nacional, numa primeira fase rústico e misto. Do ponto de vista tecnológico, o Balcão Único do Prédio (BUPi) consubstancia- -se numa plataforma digital única para o relacionamento entre o proprietário e a Administração Pública, independentemente de os serviços continuarem a ser prestados também presencialmente – sejam os registos ou as inscrições matriciais nas finanças. Mas agora, para estes procedimentos relacionados com os prédios, passa a haver também um novo ponto de contacto, único e desmaterializado. Através dele, os proprietários podem registar e/ou atualizar informação dos seus prédios, tendo como inovação que vários procedimentos podem ser iniciados neste balcão e comunicados às várias entidades inter- O Balcão Único do Prédio (BUPi) é uma plataforma digital para o relacionamento entre proprietários e Administração Pública, modernizando e incentivando o registo de propriedades a nível nacional em portugal 2017 1.2 Administração Pública

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt