A Economia Digital em Portugal 2017

  • Sucesso
  • Cliente
  • Processo
  • Clientes
  • Forma
  • Economia
  • Processos
  • Projeto
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2017 digital 1.12 Mar e Agricultura 112 O conjunto de funcionalidades do Prodfarmer facilita a gestão agrícola, bem como a chegada dos produtos ao consumidor final, através da compra online Disponibilização de uma montra gratuita para o produtor; Tornou-se possível comprar produtos de grande valor (qualidade e emocional) em qualquer lugar, a qualquer hora e receber em casa; Facilitação da gestão e operação agrícola para o produtor. Métricas Registos: 1000. Anúncios ativos: 400. Pedidos de certificação – Produto Regional de Abrantes: 130. Abrantes foi o município pioneiro, com dois níveis de certificação para os seus produtos regionais (Silver e Premium). Natália Margarido – Margaridos – Produtor com Selo Regional de Abrantes (Silver): "Com a ProdFarmer será possível a ligação com as gerações mais antigas e mais novas. Levar os nossos produtos a mais locais". Para Natália Margarido, a vantagem de vender online significa: "Poder levar às pessoas que são aqui da região e que vivem quer seja em Portugal, quer nas ilhas ou mesmo fora, produtos que tenham aquele sabor tradicional a que estavam habituados quando eram crianças. Levamos um bocadinho da saudade, da memória de infância para casa dos nossos clientes". Ensinamentos e Fatores Críticos de Sucesso A Prodfarmer permite resolver os problemas das cadeias longas desde a produção até à entrega no consumidor, numa só plataforma. O conjunto de funcionalidades desenvolvidas facilita a gestão agrícola para o produtor antes e após a venda, bem como a chegada destes produtos ao consumidor final, através da compra automática online. Ao associar-se a entidades locais, como a Tagus-RI, o município garante um maior acompanhamento dos seus produtos desde o processo produtivo à certificação e venda dos produtos na plataforma. Além disso, todos os produtores do município passam a ter acesso a um leque alargado de serviços como: o transporte, a logística, a certificação alimentar, os pagamentos e a faturação. Para garantir a disponibilização de um leque alargado de funcionalidades e serviços necessários a ProdFarmer associou-se às seguintes entidades: Transportes – Chronopost; CTT; Integra2: Um dos maiores e mais reconhecidos problemas na distribuição alimentar é a logística do transporte. Para minimizar este problema a Prodfarmer associou-se à Chronopost; aos ctt – Correios de Portugal e à Integra2, que garantem o transporte dos produtos vendidos na plataforma. Qualidade e Certificação – SGS: Para garantir a confiança e qualidade alimentar dos produtos transacionados na plataforma, a Prodfarmer, em parceria com a SGS, desenvolveu um modelo de validação documental e certificação, para que todos os produtores tenham acesso à certificação dos seus produtos na plataforma. Pagamentos automáticos – Easypay: Todos os pagamentos através da Prodfarmer são automáticos. Este é um serviço prestado pela Easypay. Assim, com um simples pagamento de serviços por referência multibanco pode, de forma prática e segura, proceder-se a uma compra na plataforma. Faturação; Guias Transporte – Weoinvoice: De forma a disponibilizar todos os meios para cumprir os requisitos legais exigidos, foi disponibilizado um módulo com software de faturação certificado.

113 a economia digital Viveiros do Atlântico Aquatropolis Automatização O Aquatropolis alinha com os princípios advogados pelo advento da Indústria 4.0, englobando inovações tecnológicas dos campos de automação, controlo e tecnologia da informação, aplicadas aos processos de produção e manutenção de recursos marinhos em cativeiro. Estas inovações materializam-se numa framework tecnológica que consubstancia uma arquitetura composta por: sensores e biosensores para monitorização e controlo de condições ecossistémicas (qualidade da água e atmosfera) e consumos (água, eletricidade, oxigénio e nutrientes); câmaras subaquáticas para avaliação de níveis de stress e monitorização do desenvolvimento da biomassa; e uma unidade de processamento de informação potenciada por modelos de inteligência artificial que visam apoiar os produtores na tomada de decisão, implementação de modelos de negócio mais eficientes, autónomos e sustentáveis, evoluindo dos atuais paradigmas de produção de base empírica para uma base sistemática. Os Viveiros do Atlântico foram inaugurados na década de oitenta, por uma equipa com forte experiência na distribuição de mariscos por toda a Grande Lisboa. Nos seus viveiros próprios, de grande capacidade, mantêm-se vivas diversas espécies de mariscos oriundos de todo o mundo. Por cumprir com rigorosos padrões de qualidade e de maneio, é-lhes reconhecido o mérito como os mestres no saber e no sabor, estatuto que só é possível manter ao longo de três décadas, pelo investimento permanente na adaptação do negócio ao mercado e à inovação tecnológica. Objetivos Para os Viveiros do Atlântico a implementação desta tecnologia tem como principais objetivos: Otimizar o processo de manutenção em cativeiro de crustáceos vivos reduzindo perdas por mortalidade ou deformação, reduzindo os custos energéticos inerentes aos processos de arejamento, oxigenação, refrigeração, iluminação e recirculação da água; Incrementar as garantias de qualidade e segurança alimentar através de um controlo rigoroso e em tempo real dos parâmetros de qualidade de água e da atmosfera envolvente aos viveiros. resultados Numa primeira fase, o projeto incidiu em quatro focos de ação: Potenciar a interoperabilidade entre os diferentes subsistemas do viveiro; Instalar sensores para monitorização dos parâmetros de qualidade de água e atmosfera; Implementar modelos para otimização dos consumos de energia elétrica e oxigenação; Integrar um sistema de câmaras subaquáticas e modelos para otimização dos processos de alimentação. Para João Carlos Silva, administrador dos Viveiros do Atlântico, "a primeira fase do projeto permitiu-nos compreender melhor os impactos do processo de transformação digital relativamente aos objetivos propostos de forma a definirmos um plano de ação estruturado para gerir a mudança, quer ao nível da infraestrutura, quer ao nível dos recursos humanos". A segunda fase do projeto está, ainda, em processo de implementação e refere-se à construção de modelos econométricos e protocolos de produção que permitem a calibração do processo produtivo em função do comportamento O Aquatrópolis engloba inovações tecnológicas dos campos da automação, controlo e tecnologia da informação aplicadas aos processos de produção e manutenção dos recursos marinhos em cativeiro em portugal 2017 1.12 Mar e Agricultura

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt