A Economia Digital em Portugal 2017

  • Sucesso
  • Cliente
  • Processo
  • Clientes
  • Forma
  • Economia
  • Processos
  • Projeto
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2017 digital Estratégia Digital 10 flexíveis (ex: aquisição de competências através da atração de recursos internacionais). Fomentar a reconversão de perfis para o digital (ex: criação de programas universitários específicos para pessoas com experiência). A proporção do investimento anual das organizações em analytics e em soluções de cloud deve aumentar 35% e 250% respetivamente Com um investimento de cerca de 40 milhões de euros em analytics (2016) Portugal utiliza apenas 0,6% do orçamento de software das empresas nesta tecnologia. Tratando-se de uma tecnologia própria de uma economia digital, é necessário intensificar os esforços do seu desenvolvimento. É preciso capitalizar as tecnologias de analytics para: Obter um maior conhecimento do cliente para providenciar serviços mais personalizados e simplicados; Utilizar informação do comportamento das operações para ganhar eficiência. Em termos de cloud computing (ex: virtualização de servidores e bases de dados), menos de 20% das organizações portuguesas utilizam este serviço, face a mais de 30% nos países de referência. Sendo um fator de inibição a falta de sensibilização dos órgãos de decisão das empresas – apenas 17% das organizações incorporam cloud computing na estratégia do negócio. Para isso, destacamos as principais alavancas de valor da adoção de cloud para o negócio: Sensibilização para a eficiência de custos gerada por estes serviços; Atração de empresas internacionais para aumentarem investimento na criação de hubs em Portugal. Apesar de 71% dos executivos acharem ter uma estratégia digital bem definida, mais de 80% não tem a tecnologia nem as operações adequadas para a executar, pois o avanço digital necessário está em soluções que ainda não são compreendidas e dominadas pelas organizações. Aceleradores O Estado tem um papel fulcral na potenciação de políticas e iniciativas que impulsionem as empresas e cidadãos na adopção do digital. Numa primeira instância a promoção da literacia digital dos cidadãos está no caminho crítico para o desenvolvimento de uma Economia Digital. Em Portugal, 26% dos indivíduos nunca usaram a internet, comparado com 14% na UE28. Assim, deve ser incentivada a formação dos cidadãos no digital. Adicionalmente, estando ultrapassado o período de constrangimentos financeiros do País que levou ao congelamento de várias iniciativas de digitalização, é agora altura de se voltarem a promover iniciativas que garantam a desmaterialização continuada dos serviços da Administração Pública. A procura por capital e novos investimentos em Portugal que ajudem a uma revitalização mais rápida da economia, pode ser acelerada através da captação de investimento estrangeiro. Nesse sentido, devem ser estimuladas a adoção de políticas que promovam este movimento, com foco no desenvolvimento de programas digitais. Veja-se o caso da Irlanda, através do impulso do Estado e de uma agência dedicada à atração de investimento estrangeiro (ida), que tem transformado o seu ecossistema de negócios tornando-o atrativo para as empresas/startups tecnológicas (ex: iniciativa Tech/ Life Ireland, lançada em 2016, que pretende atrair 3.000 profissionais de tecnologia por ano). O foco no ecossistema digital permitiu atrair investimentos de grandes empresas tenológicas como a Apple (850 milhões de euros em 2015) e a Google (135 milhões de euros em 2016), mas também de dezenas de startups tecnológicas que receberam em 2016 mais de mil milhões de euros de financiamento de venture capitals. Este movimento trouxe a taxa de desemprego mais baixa desde 2008 e um aumento do consumo privado de 4% ao ano desde 2014. A solução nacional está na proatividade em inovar e evoluir a um ritmo superior, e na preparação das empresas para fazerem parte de um novo ecossistema: entre parceiros internacionais e de outras indústrias, startups e universidades. Deve ser feito uso da boa qualidade das universidades portuguesas e estimular a competitividade das cidades, posicionando-as como hubs de atração de talento e investimento.• Accenture Strategy

Arum et at que eariberum autem 1. amenda Idusa conseque reprore Casos aligent de qui ommolorpore, transformação serum earit quias restiis esequi quas adipsam quiscia digital setorial volupta volore quas alitis doluptaspero volorpo repratur. Hariam quo modi ium laccaborem earias sit odion ped magnates aut quate perum qui nimaio cus ea exercillorro dunto comnis ut faceperum, iusa dendici dusandita quo moluptibus ellorernam, utem reiunt doluptatur, te santiore, vendebis res andem nobis earcia parum

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt