Views
1 year ago

A Economia Digital em Portugal 2016

  • Text
  • Crescimento
  • Maior
  • Digitais
  • Forma
  • Setor
  • Dados
  • Economia
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

4.6 retalho Osetor da

4.6 retalho Osetor da Distribuição Moderna, representado pelas suas 250 maiores empresas mundiais, terá crescido 4,3% em 2014, comparado com 4,1% no ano anterior. O estudo Global Powers of Retailing 1 , que a Deloitte publica anualmente 1 Deloitte – Global há 19 anos, estimava em 4,5 milhões de Powers of Retailig 2016 milhões de dólares as receitas das 250 – Navigating maiores empresas de retalho do mundo. the new digital divide De acordo com o mesmo estudo, os principais fatores que influenciam atualmente o setor são: Flutuações cambiais, em particular a valorização do dólar americano face a outras moedas, que se traduz num maior poder de compra para os consumidores americanos e no aumento nos preços de produtos importados para outros países, em particular nos mercados emergentes; Preço do petróleo, cuja queda abrupta criou uma pressão desinflacionária nos países importadores e um aumento do poder de compra dos respetivos consumidores; Inflação persistentemente baixa, apesar das políticas monetárias agressivas destinadas a impulsionar a inflação, que parece desencorajar o investimento. Em Portugal, a economia regista uma recuperação moderada mas consistente dos principais indicadores macroeconómicos, observando-se um dinamismo da procura externa e melhoria nas condições monetárias e financeiras, em parte impulsionadas por medidas adotadas pelo Banco Central Europeu. Segundo dados do Barómetro de Vendas 2 publicado pela Associação Por- 2 APED - Barómetro tuguesa de Empresas de Distribuição de Vendas - Janeiro – (APED), que analisa o 1º trimestre de Março 2016 2016 em termos homólogos, o retalho alimentar e não alimentar (exceto combustíveis) apresentou um crescimento de aproximadamente 2%. Esta variação surge associada ao crescimento do volume de vendas do

79 em portugal 2016 4.6 Retalho a economia digital retalho alimentar (FMCG e perecíveis) em 4,8%, sendo os supermercados e os discounters os formatos com maior influência. Pelo contrário, o retalho não alimentar (excluindo combustíveis) registou um decréscimo de 4,9% no volume de vendas, apesar de segmentos como a Linha Branca, os Pequenos Domésticos e a Fotografia terem apresentado variações positivas. Principais tendências do setor O perfil do consumidor está a mudar. O retalho online e a proliferação de canais de venda tornaram os consumidores mais exigentes, complexos e sofisticados. A estratégia de compra omnicanal tornou-se uma realidade generalizada, permitindo aos consumidores uma total integração das experiências digitais e em loja no seu processo de compra. O lema é "comprar em qualquer altura, em qualquer lugar, em qualquer dispositivo e sempre ao melhor preço”, deixando a loja física de ser o único canal de distribuição mas mantendo-se como o principal veículo de atração, engagement e fidelização do consumidor. O consumidor é quem dita o foco dos retalhistas, levando-os a adaptar estratégias aos seus gostos e expectativas. Neste sentido, destacamos as que consideramos serem as principais tendências do setor: Conhecer o consumidor A transformação digital da indústria do retalho cresce com um novo con- A principal oportunidade da transformação digital do retalho passa por ser capaz de lidar com o volume significativo de dados que é gerado diariamente pelo consumidor

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt