Views
1 year ago

A Economia Digital em Portugal 2016

  • Text
  • Crescimento
  • Maior
  • Digitais
  • Forma
  • Setor
  • Dados
  • Economia
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2016 digital 4.1 Indústria 42 Dependendo da localização específica de cada ferramenta, o programa apropriado para a tarefa é automaticamente implantado na ferramenta. Riveting Ferramentas enviam informações sobre a sua posição, bem como as suas medidas e outros dados para um banco de dados central. O software é então usado para analisar esses dados. Essa análise ajuda a garantir qualidade de fabrico e produção. Internet das Coisas Measurement Tightening Fonte: Bosch Conectar máquinas, por meio de sensores e dispositivos, a uma rede de computadores, possibilitando análise, centralização e automação do controlo da produção. Os diferentes fabricantes de dispositivos de produção têm vindo a produzir novos equipamentos produtivos (máquinas, ferramentas e robôs) com elementos de conectividade inteligente que permite em tempo-real monitorizar a sua localização, grau de utilização e estado de saúde. Esta informação disponibilizada através de diferentes modos de comunicação com e sem fios (redes industriais, wifi, M2M, etc…) permite integrar a mesma nos diferentes sistemas de gestão da produção e desta forma permitir a melhoria contínua da qualidade dos produtos e processos, redução dos tempos de paragem, maior controlo dos ativos e a melhoria de eficiência de utilização de recursos. Também no controlo da cadeia logística a Internet das Coisas está a acrescentar valor, permitindo também aqui um acompanhamento em tempo real da qualidade das matérias-primas e dos materiais na cadeia de fornecimento, na gestão dos recursos bem como no acompanhamento dos bens produzidos na cadeia de distribuição. A Airbus, fabricante aeronáutico internacional, em consócio com outros elementos do Industrial Internet Consortium, realizou já projetos-piloto de instrumentação das suas ferramentas, que estando conectadas são capazes de comunicar com os sistemas de gestão da fábrica, mas também com as aplicações móveis dos operadores. Deste modo é possível ao operador saber em cada momento onde está cada uma das ferramentas de que necessita para a sua próxima tarefa, alertá-lo para a movimentação da ferramenta para uma zona fora da área permitida e, através da integração com sistemas de realidade aumentada informá-lo de incorreções na execução das sequências de tarefas. Realidade Aumentada A conjunção do mundo físico com o mundo virtual, através de mecanismos de realidade aumentada, abre um espaço a novas possibilidades para a conceção, planeamento, treino e execuções de operações em contexto fabril. Na conceção de linha e processos de produção esta nova tendência vem permitir avaliar, através de modelos imersivos de 4D, quais os constrangimentos, obstruções e interferências muito antes da construção ou modificação das linhas. Permite também que esta avaliação possa ser feita a milhares de quilómetros de distância, reduzindo substancialmente os custos com deslocações. No planeamento e controlo de produção a simulação de diferentes configurações e processos permite avaliar os ganhos e perdas introduzidos sem interferência com o processo real. A utilização de modelos de realidade aumentada para o treino dos operadores vem trazer ganhos de eficiência, pois permite que este não interfira com o processo produtivo ao mesmo tempo que aumenta a segurança do período de treino. Nas indústrias de laboração contínua,

43 a economia digital estes benefícios ainda são mais evidentes, pois existem muitas tarefas que apenas devem ser desempenhadas em caso de falha, tornando-se fundamental ter simuladores para poder treinar essas operações. Também na execução de tarefas a utilização de dispositivos de realidade aumentada vem trazer vantagens muito consideráveis. A sobreposição do meio físico com elementos de realidade virtual, utilizando dispositivos híbridos visuais tais como os óculos de realidade aumentada (ex. google glass), permite o fornecimento de instruções passo-a-passo no desempenho das tarefas. Impressão 3D A chamada "manufatura aditiva" oferece uma nova abordagem à produção. A produção de peças, em vez de ser conseguida por processos de remoção de partes de um bloco de material é conseguida através da sobreposição de camadas. Este processo repetido de sobreposição permite a criação de objetos sólidos no material desejado (compósitos, metal, vidro, etc…) de acordo com um desenho digital. Este processo aditivo, de produção de dentro para fora, permite assim obter formas complexas, algumas impossíveis de obter por processos de desgaste ou enchimento. Para além da utilização na produção de protótipos de forma mais acelerada, a impressão aditiva traz à linha de produção a capacidade de rapidamente produzir ferramentas e peças de substituição. Mas a principal disrupção potenciada pela manufatura aditiva é a produção distribuída versus a atual produção centralizada. A capacidade de passar a produzir partes ou produtos completos, customizados ao utilizador final e junto ao consumidor final anuncia mudanças radicais na cadeia de valor. A indústria do calçado desportivo é um exemplo onde estas mudanças se anunciam para um futuro próximo. As principais marcas apresentaram já produtos BENEFICÍOS Manufacturing Automation Tecnologia Integração Shopfloor-Topfloor Manufacturing Integration Manufacturing onde partes da sola são produzidas de forma aditiva e o seu objetivo é conseguir fazê-lo na loja, customizando o produto ao pé e compleição física do consumidor. Inteligência Cognitiva Cada vez mais as companhias recorrem aos algoritmos e mecanismos de inteligência artificial para aperfeiçoarem os seus processos e serviços. A tendência de que novas aplicações surjam com o avanço da tecnologia e a criatividade humana, ajudará a criar inovações baseadas nessa tecnologia emergente. Podemos olhar para vários exemplos nos setores de saúde, educação e serviços financeiros, que serão influenciados por essas tecnologias. Analítica O desenvolvimento de produtos e serviços necessita de uma análise analítica da informação (Big Data) para otimizar a qualidade da produção, economizar e tornar mais eficiente a utilização de recursos. Quanto mais forte e sólida for essa análise, maior será a qualidade do produto final e a eficiência das operações de negócios. Os avanços verificados nos sistemas MES (Manufacturing Executing Systems) têm sido fortemente marcados pela evolução na capacidade e complexidade analítica utilizada. A analítica avançada, alavancada em grandes volumes de dados, é fundamental para a integração dos dados recolhidos pela rede de dispositivos e máquinas conectados na fábrica. Esta ferramenta permite integrá-los de forma a poder suportar Smart Manufacturing ANALYTICS Advanced Manufacturing DRIVERS Negócio Knowledge Enabled Knowledge Enabled Industrial Industrial Closed-Loop (BIG) DATA MATURITY A analítica avançada, alavancada em grandes volumes de dados, é fundamental para a integração dos dados recolhidos pela rede de dispositivos e máquinas conectadas numa fábrica em portugal 2016 4.1 Indústria

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt