Views
1 year ago

A Economia Digital em Portugal 2016

  • Text
  • Crescimento
  • Maior
  • Digitais
  • Forma
  • Setor
  • Dados
  • Economia
  • Empresas
  • Portugal
  • Digital

a economia

a economia em portugal 2016 digital 7. Empreendedorismo Digital 134 THE PORTUGUESE SCALEUP ECOSYSTEM: AN INTERNATIONAL COMPARISON GDP (Nominal, 2014) ($B) Total Capital Raised ($B) Raised 0B 40 ###COLUMNCONTENT###.17B 9 Fonte: SEP Monitor - Nov 2015 45B 399 .1B 97 106 07B 47B 205 .6B 39 .1B 82 60B forte de business angels e seed funds que proporcionam às startups o capital necessário. É também de extrema importância a existência de capital intelectual necessário à inovação e aliado à capacidade de empreendedorismo. Enquanto o capital intelectual depende muito da formação académica e tecnológica, o espírito de empreendedorismo pode depender de fatores mais subjetivos e culturais. Nos países de maior sucesso, o espírito empreendedor, de inovação e tecnologia fazem parte da cultura e da economia. Um último fator a destacar é o apoio governamental ao desenvolvimento de hubs de empreendedorismo. É importante especialmente para as fases mais embrionárias dos projetos que existam condições especiais ao seu desenvolvimento. A criação de comunidades de empreendedorismo, espaços partilhados onde as empresas se possam sediar e desenvolver, e apoios à participação em eventos internacionais, são ações tipicamente promovidas pelos governos dos países com o intuito de facilitar o desenvolvimento das startups. Segundo o estudo do SEP “Startup Europe 208 .6B 126 48B 72 ###COLUMNCONTENT###.4B 30 Partnership”, publicado em Novembro de 2015, os dados demonstram que em termos de scaleups e nas exits (o ponto de chegada do processo de crescimento de uma startup), Portugal ainda fica aquém dos países com ecossistemas de startups mais dinâmicos, como o Reino Unido, Alemanha ou França. No entanto, para podermos efetuar uma análise correta destes dados, devemos ter em consideração que: A dimensão da economia portuguesa quando comparada com os outros países analisados (o PIB de Portugal é 0B, 16 vezes inferior ao da Alemanha, 12 vezes inferior ao do Reino Unido e França, nove vezes inferior ao de Itália e seis vezes inferior ao de Espanha): se tivermos em consideração o PIB como fator relativo, o número de scaleups em Portugal é notável. A história recente do ecossistema de startups em Portugal: a análise do estudo do SEP centrou-se nas scaleups (as startups mais maduras) e nas exits (o ponto de chegada do processo de crescimento de uma startup). O processo de desenvolvimento de uma startup leva tempo e o tempo para atingir a maturação é longo. Portanto, é de esperar que o dinamismo e vitalidade atualmente observados em Portugal, produzam mais e bons resultados. A comparação efetuada entre Portugal e outros cinco países analisados num estudo anterior do SEP Monitor “From Unicorn to Reality” (publicado em Julho de 2015), sugere que o ecossistema de scaleups português ainda não se pode comparar ao do Reino Unido, Alemanha e França. No entanto, ele demonstra algumas semelhanças e uma diferença menor para os outros dois países do Mediterrâneo analisados, Espanha e particularmente, Itália. O SEP Monitor identificou 40 scaleups em Portugal. O Reino Unido tem dez vezes mais, enquanto a Alemanha e a França têm cinco vezes mais. Conforme referido

135 a economia digital anteriormente, o número de scaleups em Portugal é atualmente metade do número de scaleups de Itália ou Espanha. No total, as 40 scaleups portuguesas conseguiram angariar cerca de 200 milhões de dólares desde a sua criação. Este número é 65 vezes menor do que o montante angariado no Reino Unido, 39 vezes inferior ao da Alemanha e 18 vezes inferior ao da França. A comparação com Espanha demonstra uma diferença significativa: Espanha conseguiu nove vezes e meia mais capital que Portugal. Na comparação com Itália, a diferença é menor. As scaleups italianas conseguiram apenas duas vezes e meia mais capital que as scaleups portuguesas. Os números atingidos pelas scaleups portuguesas podem parecer modestos, mas não deixam de ser promissores, tendo em conta o quão recente é o ecossistema de startups português: 75% das scaleups foram fundadas depois de 2010 (e 48% depois de 2012). Estes dados demonstram o quão forte é o crescimento do ecossistema de startups em Portugal. NUMBER OF PORTUGUESE SCALEUPS PER LAST FUNDING YEAR 2010 2011 2012 2013 2014 2015 3 3 3 5 Estratégia para o empreendedorismo em Portugal Somos um povo que gosta pouco de risco. Este ambiente não incentiva o empreendedor, no entanto, nos últimos dez anos assistimos a alguma alteração deste contexto cultural. As universidades, a emigração/imigração e o próprio ambiente 12 Fonte: SEP Monitor - Nov 2015 14 macroeconómico podem ter contribuído para que se inicie uma mudança cultural. O bom nível de preparação dos licenciados em Portugal, em especial em áreas mais tecnológicas, é outro importante fator que favorece o empreendedorismo. Também a crescente importância de incubadores de novos projetos e empresas, muitos deles associados às universidades, favorecem este ecossistema. Neste período a banca tem passado dificuldades e reduzido o volume de apoio às empresas. No entanto, nos últimos anos, apareceram a operar uma série de private equity, business angels, venture capitalists e investidores com capacidade de assumir risco e avaliar os negócios pelo seu potencial. Este ambiente tem criado condições ao aparecimento de negócios que, embora de pequena dimensão, têm ajudado a transformar o panorama do empreendedorismo em Portugal. Por fim, destaque-se o papel do Estado. Ao criar as suas próprias estruturas de apoio ao empreendedor (Portugal Ventures, Programa Start Up Portugal, etc.) e condições fiscais e processuais especiais, tem incentivado a criação de novas empresas. Tecnologias e direções futuras IoT e connected devices – Existem muitos empreendedores a investir em soluções que procuram inovar num espaço que mistura hardware e software. Aqui a inovação e o desafio estão completamente centrados na capacidade de conceber um produto, de conseguir criar algo que seja fácil de utilizar mas que esteja sempre ligado às novas plataformas cloud disponíveis. Esta inovação vai trazer novos cenários à indústria, saúde, cidades e consumo. Machine Learning – Neste momento, existe o poder computacional que permite extrair novo conhecimento a partir de toda a informação existente. Conversation as a Service – Mais recentemente e com a adoção massiva Os números atingidos pelas scaleups portuguesas podem parecer modestos, mas não deixam de ser promissores, tendo em conta o quão recente é o ecossistema de startups português em portugal 2016 7. Empreendedorismo Digital

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt