60 - O Futuro dos Negócios - Novos modelos de Consumo de TI

  • Wwwapdcpt
  • Modelo
  • Clientes
  • Digital
  • Pandemia
  • Novos
  • Futuro
  • Flexibilidade
  • Necessidades
  • Consumo
  • Modelos

O FUTURO DOS NEGÓCIOS

O FUTURO DOS NEGÓCIOS – NOVOS MODELOS DE CONSUMO DE TI Joaquim Freire Cloud Sales Director, SAP “Temos sentido a procura do mercado nas ofertas cloud e as a service. As empresas têm de dar resposta a situações resultantes da pandemia, como a alteração das cadeias de abastecimento e de vendas, adaptando-se a uma nova realidade. Há um grande investimento esta área” “Outra preocupação das empresas tem a ver com as pessoas, tanto colaboradores como clientes. Todas as formas de chegar a eles têm disparado este ano, atravessando todos os setores. Há que saber não só dar resposta ao mercado como aos desafios internos” “Os modelos SaaS trazem flexibilidade para dar resposta aos requisitos de cada entidade, com uma preocupação grande no custo/benefício. Assistimos cada vez à adoção da componente do SaaS, mas também do PaaS para os requisitos dos clientes. A conjugação entre os dois modelos é que é o grande desafio” Nuno Pedras Corporate CIDO, Galp “A estratégia da Galp na aposta as a service, nos seus três diferentes modelos de consumo, foi a de obter a máxima flexibilidade, num grupo com um landscape de sistemas muito complexo e que se está num ambicioso processo de transformação digital, onde se pretende que a agilidade e a entrega rápida sejam vitais e o fio condutor” “Esta é uma estratégia assente na cloud, que usa os modelos IaaS e PaaS, mas não exclui outros modelos. Tudo depende das necessidades de negócio e dos custos associados, num modelo híbrido que permite ter soluções à medida. Tem tudo a ver com os custos, porque desta forma só se paga o que se consome e resolvem-se os problemas de forma rápida” “O contexto atual de pandemia e de teletrabalho condiciona tudo. Todos os fornecedores mantiveram as suas ofertas, mas, em termos de adoção, apresenta desafios, porque a implementação das várias soluções está a ser feita de uima forma não física, o que traz maior complexidade

9 liar em permanência o consumo que está a ter, fazer analítica para o futuro e controlar o valor da fatura, com um consumo real e efetivo. Permite ainda escalar a capacidade para que acompanhe as reais necessidades do cliente em cada momento. Questionado sobre o impacto da pandemia na procura destas soluções, Dennis Teixeira refere que já se detetava um aumento da procura anteriormente, mas desde março que se regista uma aceleração muito grande no mercado nacional. É que o as a service traz todos os benefícios imediatos, com flexibilidade, disponibilidade e escalabilidade imediatas e sem custos à cabeça. “Estes modelos não são um travão à inovação digital e aos projetos de transformação, porque não necessitam de investimento inicial”, diz, destacando que é neste momento a categoria de maior crescimento na HPE. Na Cilnet também se notou claramente a aceleração da procura. Luís Lança alerta, no entanto, que é preciso perceber bem o que é crítico na adoção de soluções e qual a necessidade de centralização em cada organização, porque há um legacy que não pode ser esquecido. Mas há uma mudança de mindset dos empresários, que olham para estes modelos de consumo de IT e sabem que permitem o crescimento e a internacionalização das empresas. Já o Cloud Sales Director da SAP refere que o crescimento tem sido sobretudo nas ofertas cloud e as a service. Por exemplo as empresas tiveram de saber dar resposta às enormes alterações nas cadeias de abastecimento, adaptandose à realidade. Ou o aumento da preocupação com o contacto com as pessoas, tanto colaboradores como clientes, registando-se uma forte procura de novas formas de chegar a eles. Joaquim Freire destaca que estas tendências atravessaram todos os setores e todos estão a fazer investimentos nestas áreas. E o que falta neste momento às ofertas disponíveis no mercado, na perspetiva dos clientes? Para Tiago Leitão, “eventualmente alguma flexibilidade na adaptação das soluções aos requisitos específicos de cada organização, para que possa ser diferenciadora”, embora destaque que “é difícil pensar numa solução em que não haja já uma oferta disponível”. A dificuldade na capacidade de adaptação das soluções, em alguns casos, é também referida por Nuno Pedras. Já Nélio Marques salienta que nas empresas legacy o processo de introdução do as a service é um caminho mais longo a ser feito, no sentido de conseguir ter tudo em SaaS. •

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt