Views
1 year ago

52 - Ciclo de Conversas Digitais: Como Reinventar o Negócio no Contexto Digital?

  • Text
  • Portugal
  • Capacidade
  • Pandemia
  • Digital
  • Contexto
  • Ainda
  • Mercado
  • Veio
  • Empresas
  • Digitais
O Futuro das Qualificações Digitais julho 2020

CICLO DE CONVERSAS

CICLO DE CONVERSAS DIGITAIS - COMO REINVENTAR O NEGÓCIO NO CONTEXTO DIGITAL? “O Futuro das Qualificações Digitais” Cooperar para fazer acontecer Preparar o país para o futuro pós-COVID e para o embate de potenciais novas crises que possam vir a ocorrer terá de passar, obrigatoriamente, por uma forte aposta nas qualificações. Há vontade de trabalhar, muito a fazer e um sentido de urgência generalizado que tem agora de ser traduzido em medidas concretas e eficazes. As competências terão de ser centrais na estratégia nacional para a transformação digital da economia e da sociedade e a pandemia veio exatamente comprovar a necessidade premente dessa aposta. Sob pena do nosso país não conseguir acompanhar o ritmo da mudança rumo a um mundo cada vez mais digital. No mercado, há uma grande capacidade de cooperação e cocriação entre entidades, já comprovada, sendo uma realidade olhada como um trunfo essencial para garantir o sucesso e poder diferenciar Portugal no contexto europeu. Temos muitas oportunidades e temos capacidade para acelerar. É preciso é fazer acontecer, garantem os oradores do WebMorning APDC sobre “O Futuro das Qualificações Digitais”, realizado a 16 de julho, em parceria com a Microsoft Portugal. “As TIC foram essenciais, no cenário de pandemia, para a continuidade dos negócios e para a vida das pessoas. E com a urgência cada vez maior da digitalização, tudo está a ser transformado de forma radical. O que significa que, cada vez mais, vamos precisar de pessoas com qualificações digitais”, alertou no início do encontro o presidente da APDC, para quem “todos vamos precisar de maiores qualificações, para podermos aceder às várias formas de interação no digital”. O grande tema do país é, para Rogério Carapuça, conseguir definir uma estratégia que permita que essas qualificações cheguem a toda a população de uma forma massiva. Este é exatamente um dos objetivos da Comissão Europeia (CE), que anunciou a 1 de julho

3 um pacote de propostas legislativas que endereçam as necessidades dos jovens e da qualificação ao longo da vida, com “enfâse em assegurar que os adultos tenham acesso a formas de requalificação muito mais eficazes”, como destacou João Santos, sénior expert da CE. O pacote teve em conta a realidade europeia e as aprendizagens retiradas da pandemia, assim como os desafios da economia verde e da transição digital para o futuro da União Europeia. No total, a agenda para as competências definida por Bruxelas apresenta 12 medidas. Nestas, o responsável comunitário destaca o ‘Pact for Skills’, a lançar em novembro, com o qual se pretende envolver todos os stakeholders, públicos e privados, nos desafios da requalificação; e as ‘individual learning accounts’, que vão permitir que cada pessoa passe a ter uma espécie de conta corrente para usar na sua aprendizagem ao longo da vida. A CE tem como metas, neste âmbito, ter até 2025 pelo menos 50% dos europeus em idade ativa a participar em ações de formação ao longo da vida, 30% dos adultos com baixas qualificações a participar na aprendizagem, 20% dos desempregados com competências digitais sustentáveis e 75% dos adultos com competências digitais básicas. Mas se a abordagem política europeia está definida, faltará agora aprovar o financiamento, através do já proposto Quadro Financeiro Plurianual europeu até 2027 e do Plano de Recuperação, agora em negociação. Com eles, a Comissão Europeia pretende não só resolver

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt