51 - Ciclo Covid-19 Digital Reply | Back2Business

  • Empresa
  • Ciclo
  • Todas
  • Medidas
  • Digital
  • Tecnologia
  • Empresas
  • Teletrabalho
  • Regresso
  • Forma
junho / julho 2020

Ciclo

Ciclo COVID-19 Digital ReplyBack2Business casa. O foco tem sido o de manter a comunicação com a força de trabalho, para saber em cada momento como estão as pessoas. E esta fase não foi complicada, a avaliar pelo survey realizado no final de maio, como avança João Fino, Helping clients to operate, collaborate and communicate more efficiently, da Xerox. Cerca de 88% disseram que gostam do trabalho a partir de casa, 89% que conseguiram gerir o trabalho com a componente pessoal e 66% que gostariam de trabalhar num sistema híbrido no futuro. Esse é, aliás, na sua opinião, o caminho para o mercado de trabalho, com as empresas a optarem por modelos de gestão das suas pessoas cada vez mais flexíveis. No caso da empresa, e tendo em conta que já existia essa flexibilidade, não será difícil de introduzir. AUTONOMIA CRIA MOTIVAÇÃO Na tecnológica portuguesa Altitude Software, depois da apreensão inicial em torno do trabalho remoto, por ser uma novidade, o reajustamento foi simples, até porque o negócio foi facilmente adaptável às novas condições, mantendo-se o desenvolvimento das suas plataformas e o apoio aos clientes. Tiago Ribeiro, Talent & Admin Coordinator (HR), refere que se garantiram os elos de comunicação e a motivação das equipas de uma forma eficiente. Aliás, cita o exemplo do cliente Saúde 24, onde tiveram de aumentar em 48 horas a capacidade da plataforma, dado o elevado número de chamadas, de forma remota,

9 tudo decorrendo sem problemas. Na fase atual, pouco mais de uma dezena de pessoas já regressaram aos escritórios, que são agora novos, já que houve mudança de sede que ocorreu durante o confinamento sem sobressaltos, permitindo até um A adoção de um novo modelo de trabalho híbrido é vista como a grande opção de futuro nas empresas. Até porque há muitas funções que podem ser realizadas remotamente, garantindo-se que as equipas trabalhem de forma colaborativa reajustamento dos espaços a tudo o que foi necessário para garantir a segurança e higiene no trabalho. A empresa está agora a avaliar como será feito o regresso do resto da equipa, de cerca de 150 pessoas, o que é feito mensalmente, de acordo com a avaliação da situação. Na Konica Minolta, o processo também não foi diferente. Tendo como prioridades salvaguardar a segurança e a saúde dos seus profissionais e garantir a continuidade das operações, a empresa não teve problemas em colocar rapidamente as pessoas em trabalho remoto, mantendose apenas as da linha da frente no terreno. E, tendo em conta um survey realizado depois dos cerca de três meses de teletrabalho, percebeu-se que os resultados foram positivos. Com a passagem para Estado de Calamidade, as equipas começaram a regressar de forma faseada aos escritórios, depois de garantidas todas as recomendações da DGS. Metade da equipa já regressou e outra metade mantém-se em trabalho à distância, tendo-se criado um plano detalhado de segurança e acompanhando-se todas as evoluções, refere Patrícia Pereira, Human Resources Director da Konica Minolta. Utilização de máscara no local de trabalho, leitores de temperatura, medidas de distanciamento, higienização reforçada, entrega de kits de proteção individual, planos de contingência, regras de boas práticas, clean desk policy, disponibilização gratuita de testes, campanhas de sensibilização. São exemplos das apostas que, em maior ou menos amplitude, estas empresas referiram que estão a fazer nesta fase. Por exemplo, na Galp, depois da realização de testes às pessoas de maior risco, estão agora a ser feitos a todos os colaboradores. Já na Xerox, o escritório está preparado para o regresso, mas há ainda que definir de que forma. O objetivo é que as equipas trabalhem de forma colaborativa e isso está a ser conseguido através da sua VPN e das plataformas de comunicação. “Não há nenhuma função que não possa ser feita remotamente. Mas haverá outras preocupações, como o trabalho em equipa e as sinergias. No futuro, o modelo híbrido é o que fará mais sentido. As pessoas serão motivadas de lhe for dada autonomia”, assegura João Fino.•

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt