Views
1 year ago

38 - 28º Digital Business Congress

  • Text
  • Tecnologias
  • Dados
  • Tudo
  • Grande
  • Ainda
  • Forma
  • Portugal
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Digital

28º

28º Digital Business Congress Pedro Tavares Diretor de Comunicação, Ministério da Justiça “Há muito que existe inovação na AP, tem sido contínua. Mas há que ter capacidade de dar continuidade aos projetos digitais e o setor público está envelhecido, numa altura em que a renovação é importantíssima e as competências essenciais” “Temos que criar uma estratégia coerente, que envolva as pessoas, que traga competências e que permita que a inovação se espalhe de forma transversal a todos os organismos do Estado. Mas como fazer isto se as pessoas não partilham o conhecimento?” “Há que pensar porque é que fazemos inovação na AP. Se queremos melhorar a vida dos cidadãos, que eles tenham mais confiança e que estejam mais próximos, temos que trabalhar mais perto das pessoas” Sara Carrasqueiro Membro da Direção, AMA “Não podemos cair na tentação de adivinhar. Temos que promover a participação dos cidadãos e das empresas para garantirmos que as iniciativas da AP estão alinhadas com as expectativas e com as necessidades reais” “O programa Simplex é o melhor exemplo da forma como a inovação deve começar: pela consulta pública. Depois, temos que transformar e construir soluções que se adaptam às necessidades. A AP tem procurado garantir um alinhamento entre o seu trabalho e as expectativas da população” “Há inúmeros exemplos de sucesso de como a AP é inovadora. Queremos realmente incentivar a existência de um ecossistema da inovação. Mas, para ser mais abrangente, terá que haver liderança que perceba importância da inovação e das skills. A inovação não se decreta, tem que ser incutida, incentivada e capacitada” BLOCKCHAIN | CRYPTOCURRENCY Paulo Rodrigues CEO, IntellectEU “Os próximos anos vão ajudar a separar o trigo do joio em matéria de blockchain e a sua relevância noutras áreas, como a IA. Há já países interessados em regular a tecnologia, porque percebem as suas vantagens. Prevê-se que 2019 seja o ano do blockchain para enterprises, depois de dois anos de teste” “Temos as criptomoedas e uma década de aperfeiçoamento da tecnologia blockchain. É um desafio impressionante para os reguladores regular a criptomoeda e conseguir garantir a paz entre nações, quando a tecnologia está a avançar de forma estonteante” “O tema das bitcoins tem que ser encarado como um ponto de partida e não de chegada. É um mundo gerido hoje por meia dúzia de players, são eles que fazem com que este mercado esteja assim e ganham dinheiro com isso. Foi um exercício académico interessante, mas falta-lhe tração à realidade”

31 Célia Reis Diretora Geral, Altran Portugal “No ecossistema industrial, o princípio do blockchain aplica-se e introduz eficiência nos processos, na rastreabilidade e visão sincronizada da certificação ao longo da cadeia de valor. Estamos na fase de introduzir esta tecnologia na indústria pesada” “Os primeiros pilotos que fizemos com blockchain mostram ganhos claros, entre 20% a 30%, na cadeia de software. A tecnologia pode impactar a forma como lidamos com os nossos clientes e internamente, na indústria de software” “Não acredito que tema do blockchain seja de nicho. Trata-se de ter mais eficiência do processo, de fazer mais rápido, com menor custo e maior fiabilidade. Temos o desafio de criar as competências para endereçar tudo isto” Luís Urmal Carrasqueira Diretor Geral, SAP Portugal “A vantagem do blockchain é ser uma tecnologia provada. Olhamos com atenção para os seus benefícios, como a escalabilidade, associando-a a processos produtivos altamente sofisticados que precisam de débito de informação sem falhas” “Têm que que se criar comunidades que inspirem confiança. Daí que o movimento tem sido de criação de consórcios, que englobam entidades que têm o mesmo fim. Há duas áreas que poderão ajudar à massificação da tecnologia: como meio de pagamento seguro e a sua inclusão dentro de soluções tecnológicas” “Quanto mais o blockchain for disponibilizado de raiz, maior será a sua adoção. Assim haja regulamentação e incorporação viável em termos financeiros da tecnologia nos modelos de negócio” Carlos Moura Diretor Adjunto do Dep. de Sistemas e Tecnologias de Informação, Banco de Portugal “A tecnologia e o conceito estão provados no blockchain. Endereça temas como a escalabilidade das soluções, privacidade e segurança. Mas o uso tem que estar muito mais amadurecido para ser de aplicação mais alargada” “As moedas virtuais e o blockchain têm sido claramente uma preocupação de vários bancos centrais europeus. Porque são áreas que não estão reguladas e não há mecanismos de proteção do investidor” “A inovação andará sempre na frente e a regulação estará sempre um pouco atrás. Como conseguir reduzir este gap? Com plataformas de comunicação, para se perceberem quais são as regras de utilização e colocando os inovadores mais próximos dos reguladores”

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt