Views
1 year ago

38 - 28º Digital Business Congress

  • Text
  • Tecnologias
  • Dados
  • Tudo
  • Grande
  • Ainda
  • Forma
  • Portugal
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Digital

28º

28º Digital Business Congress Carlos Leite Managing Director, HPE “Quando falamos de cloud e edge estamos a falar de necessidade de informação relevante cada vez mais rápida e da gestão em real time de um grande volume de dados. Há cada vez mais uma computação distribuída, para conseguir ter essa capacidade” “A relevância do edge surge porque temos que ter inteligência própria imediatas. Há inúmeros exemplos de utilização para tomar decisões rápidas, sem ter que esperar, mas a indústria tem que ter uma maior predisposição para tornar as suas linhas de produção mais operativas e produtivas. “Cada cliente tem necessidades distintas, pelo que a oferta de IT tem que ser diversificada e em ambiente híbrido. É neste modelo que tudo vai continuar a funcionar, com facilidade e simplicidade. Há muitas oportunidades. Julgo que estamos no caminho certo” Nuno Santos Managing Director, GFI “O desafio para as PME em torno da cloud/edge é mais difícil. Esta forma de disponibilizar uma infraestrutura tem permitido pensar na forma de disponibilizar serviços que há uns anos atrás não teríamos condições de pensar. Está mais fácil, mas tudo continua a ser uma temática de literacia” “Hoje, são muito poucos os desafios que se colocam às organizações que não trazem uma dimensão de tecnologia. A cloud trouxe a flexibilidade e o custo, o edge a rapidez e a eficiência” “A tecnologia deve servir para fazer diferente. É aqui que se coloca o desafio e a cloud/ edge obrigam a pensar como fazer diferente” Manuel Domingues Diretor TI e Infraestrutura, Novo Banco “No tema da transformação, fomos obrigados, fruto até da necessidade de otimização e eficiência interna, a ser capazes de fazer mais, com cada vez menos recursos e, simultaneamente, a não cortar a capacidade de crescimento e de inovação” “A única certeza é que temos que mudar todos os dias, usando a tecnologia em nosso benefício. Ter tecnologia sem pessoas e processos não serve para nada. Tem que ter valor e ser usada em benefício da organização e dos clientes” “Cada um de nós é edge de uma cloud, quaisquer que sejam as clouds. Porque cada um de nós traz no seu bolso ou na mão um dispositivo edge de uma cloud onde nós todos participamos. É aí que também a mudança ocorre, porque somos todos um fator de mudança e obrigamos as organizações a caminhar nesse sentido”

23 DE QUE FORMA A TECNOLOGIA PODE AJUDAR O MARKETING: VIRTUDES E LIMITES Bernardo Rodo Managing Director, OMD “A tecnologia não é toda igual. É toda boa, mas não é toda útil. Temos que perceber qual é a que é realmente útil e a que precisamos hoje” “A tecnologia, por definição, evolui mais depressa do que a nossa capacidade de a implementar. Já a temos, sabemos para que é que serve e até como podemos extrair todos os benefícios dela. Mas não conseguimos ainda explorá-la verdadeiramente” “A televisão é um meio de massas. Ainda tem em Portugal um poder muito grande de segurar audiências em larga escala. O digital consegue depois, em tudo que são métricas de performance e conversão, criar segmentações” Fernando Parreira Diretor Comercial, Sapo “O mercado já percebeu que há um caminho a fazer para responder às questões do onde, como e a quem, e de uma forma completamente eficiente. Só no ano passado se começou a falar de temas mais qualitativos e esta é uma evolução que ainda vai levar o seu tempo” “A tecnologia está longe de ser perfeita. Terá que haver um caminho em que o eixo não será a eficiência e o preço, mas sim o de saber colocar o portefólio tecnológico ao serviço dos anunciantes e das variáveis de qualidade e de criação de valor” “Nos media não tem havido grande desenvolvimento tecnológico. O grande desconforto que existe reside no tema da transparência” Francisco Teixeira Managing Director, Initiative “A questão da tecnologia não está nos seus limites ou virtudes. O principal ponto de discussão é como é que vamos aproveitar um mecanismo que arrancou e que está a evoluir aceleradamente” “A tecnologia veio democratizar a relação que existe entre as marcas e o consumidor e criar duas vias de comunicação, em vez do deployment de uma mensagem. Neste momento, conseguimos arrancar com as campanhas, perceber como está tudo a correr, quais os custos, perceber os consumidores, reagir em real time e alterar componentes criativas” “Os vencedores serão aqueles que, do ponto de vista tecnológico, conseguirem explorar e estabelecer a ligação entre uma base tecnológica fortíssima com todo o eixo criativo do marketing e construir campanhas criativas. Os custos tecnológicos alocados ao marketing não podem ser vistos como uma despesa, mas sim como algo que vai permitir a criação de valor”

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt