Views
1 year ago

38 - 28º Digital Business Congress

  • Text
  • Tecnologias
  • Dados
  • Tudo
  • Grande
  • Ainda
  • Forma
  • Portugal
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Digital

28º

28º Digital Business Congress Cristina Máximo dos Santos Data Protection Officer, CGD “O consumidor mais digital coloca várias camadas de dificuldades à atividade bancária, que já enfrenta uma série de dificuldades, como a regulação. Traz desafios novos e é quase um quebra-cabeças compatibilizar as todas as exigências de ambas” “A banca tem que olhar para toda esta regulamentação e encontrar as melhores soluções para criar produtos atrativos para um cliente cada vez mais exigente. Temos que conviver e conciliar respostas a todas as mudanças que estão a afetar o setor, a sociedade e a própria evolução tecnológica, que tem um ritmo enorme” “Hoje estamos melhor posicionados e queremos rever anualmente toda a política de privacidade de dados e as regras envolvidas, para garantirmos a total conformidade. É um trabalho complexo, mas o valor gerado é importante. Aqui ninguém pode falhar” Isabel Escarigo Managing Director, Human Talent “O RGPD traz um conjunto de desafios, do ponto de vista dos recursos e dos processos, que exige um trabalho muito relevante. Sendo uma empresa jovem, optámos por trabalhar a questão da privacidade desde cedo, no nosso DNA, pelo facto de gerirmos dados sensíveis. Ainda assim, não foi fácil” “O regulamento deixa-nos uma responsabilidade, que passa por cada empresa ter que ter a capacidade de se proteger. Mas também vem criar mais espaço para estabelecer uma relação de confiança, mais próxima e mais duradoura, com o cliente” “A integração das novas regras de proteção de dados foi um desafio bastante mais sofrido para as PME, porque não têm departamentos especializados para gerirem esta integração” João Machado Executive Committee Member, Grupo Pestana “Sensibilizar as pessoas dentro do grupo para a proteção de dados não foi fácil. Temos 7 mil colaboradores e tivemos que os alertar para o tema e para todos os procedimentos. Outro desafio foi o de saber como contactar os clientes” “A escala conta muito num projeto desta natureza. É mais fácil para uma grande empresa integrar o RGPD do que para uma média empresa. Há muitos processos envolvidos que exigem tempo e conhecimentos específicos” “Com o regulamento, o consumidor tem mais poder do que tinha. Está tudo mais segmentado e mais controlado. Só pedimos informação estritamente necessária e garantimos que todos os dados são tratados em conformidade”

17 Pedro Miguel Machado Data Protection Officer, AGEAS “Somos um setor crítico para as pessoas. O nosso negócio é gerir o risco. A fidelização do cliente depende da confiança que ele tem na empresa, pelo que o regulamento não é o bicho papão. Mas as empresas que têm de repensar o negócio e reduzir custos” “Há muita gente que está a olhar para o regulamento como um projeto, mas ele não terminou. Se as pequenas empresas não conseguem mobilizar tantos recursos humanos para todas as áreas envolvidas na implementação do RGPD, as grandes empresas têm mais dificuldade na adaptação à mudança. São menos ágeis” “É relevante que as associações setoriais criem diálogos que beneficiem a sociedade e que protejam os associados. Podem existir erros de interpretação que podiam ser resolvidos numa discussão setorial. Um código de conduta é algo de muito importante” Internet of Things Miguel Fernandes Partner, PWC “O mundo está em beta, num momento de experimentação, com as novas tecnologias digitais. A IoT está ligada com todas as demais tendências, está no mindset de todos os decisores e é uma prioridade para todos” “A IoT tem um mundo de oportunidades que importa compreender para aproveitar. Já está a disrromper e vai continuar a fazê-lo, porque é muito mais do que internet: permite uma analítica em real time e uma nova capacidade de produtos e serviços com valor acrescentado” “A IoT surge como confluência de vários fatores que condicionam e potenciam crescimento nas empresas e em todos os setores de atividade. Vai mudar tudo, porque traz flexibilidade e facilidade. Não é apenas a mudança da organização, mas de toda a cadeia de valor” Carlos Barros Managing Director, Fujitsu “As máquinas podem tomar decisões por elas, de forma automatizada, mas sempre com um limite definido pela empresa. Há vários exemplos desta realidade que já estão a ser implementados” “Não estou ainda a ver a máquina a criar o homem. Vamos ter que ir construindo máquinas cada vez mais inteligentes e ir incluindo alguma ética. O problema é saber qual. Mas vamos sempre controlar a máquina em comportamento padrão” “A IoT, por si só, não é mais do que recolher informação. Mas se tivermos a perspetiva de investimento de forma mais lata, teremos que apostar no tratamento da informação para tomar mais decisões mais sustentadas. A aposta será sempre a de tornar a vida dos clientes mais fácil”

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt