Views
1 year ago

38 - 28º Digital Business Congress

  • Text
  • Tecnologias
  • Dados
  • Tudo
  • Grande
  • Ainda
  • Forma
  • Portugal
  • Empresas
  • Tecnologia
  • Digital

28º

28º Digital Business Congress 26 NOVEMBRO 2018 SESSÃO DE ABERTURA Rogério Carapuça Presidente APDC “Vivemos um momento ímpar na história do desenvolvimento humano, em que a internet é já uma infraestrutura universal indispensável, interligando pessoas, dispositivos e permitindo trocas de valor entre os seus utilizadores” “Seja na sua função de legislador, seja na de regulador ou, ainda, de early-adopter, o papel do Estado é central para que Portugal possa usufruir, em plenitude, dos benefícios das alterações tecnológicas em curso” “A agenda do setor faz parte da agenda do País, incluindo temas como o crescimento, a transformação digital dos negócios, a produtividade, promoção da educação, da saúde, da qualidade de vida” “Estou certo que de que o Congresso será um momento de reflexão importante para o País, perante a vertigem da mudança a que assistimos em tantas áreas da vida económica e social, em Portugal e no Mundo” “Nesta área da economia e da sociedade, nunca é demais traçar e repensar a estratégia, a visão, os objetivos decerto ambiciosos, para que o país seja mais competitivo e inovador, sem deixar de ser mais inclusivo” “A economia digital e a inovação só terão sucesso se o foco estiver em servir o cidadão, com a preocupação de capacitas, formas e incluir” Luís Ferreira Lopes Assessor para os Assuntos Económicos, Empresas e Inovação, em representação do Presidente da República Manuel Caldeira Cabral Ministro da Economia “A tecnologia e a globalização foram acompanhadas por tensões e o aumento da desigualdade, mas também por fortes reduções da pobreza. Não nos cabe dizer se gostamos ou não da tecnologia. A revolução está a acontecer e temos que olhar as oportunidades e desafios que se levantam, para fazer de Portugal um líder da 4ª revolução industrial” “Temos medidas em todas as áreas, incluindo a regulação, a que temos que estar atentos. Assim como às empresas tecnológicas e aos muitos empreendedores. Com uma política estruturada, incentivos fiscais e modelos de apoio e financiamento” “Portugal está no mapa, como o prova a Web Summit. Demos muita força às medidas para as startups, quando muitos não acreditavam. Estas empresas têm um papel estruturante na economia portuguesa”

11 INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL | MACHINE LEARNING | ROBÓTICA Arlindo Oliveira Presidente, IST “O desenvolvimento da tecnologia é exponencial. Estamos sempre no momento da explosão. Olhando para o futuro, esta até será uma década relativamente pacífica” “Há uma mudança no paradigma, com a aprendizagem automática. É onde está todo o potencial da inteligência artificial, que tem aplicação em múltiplas áreas e terá um grande impacto” “No machine learning, os resultados que se obtêm são bastante impressionantes. Está demonstrado que é possível aprender tarefas muito complexas com máquinas, em alguns casos sem recorrer à experiência dos seres humanos” João Nuno Bento CEO, Novabase “Devemos estar otimistas em relação à IA. Não estou preocupado com os meus filhos, mas com as pessoas em empregos que vão ser destruídos. Nós, como sociedade, teremos que encontrar soluções pra isso” “Já não estamos no plano da ficção científica. Estas tecnologias ainda não atingiram a maturidade necessária, mas vamos chegar lá. Há compromissos onde o tema da IA está a tentar evoluir, como entre autonomia e controlo. Mas as soluções existem para ajudar o humano” “Lanço o desafio a fazerem-se parcerias nas universidades. Há muito conhecimento que pode ser aproveitado pelas empresas e as universidades precisam dessas parcerias e têm o talento. Há uma sinergia fantástica” José Gonçalves Presidente, Accenture “Antevemos uma grande disrupção no mercado de trabalho. Há empregos que vão desaparecer, outros que vão mudar e haverá novos trabalhos. Temos que garantir que as máquinas se desenvolvem, mas de uma forma ética. Se o saldo será positivo ou negativo, é uma dúvida” “Temos características intrínsecas como humanos que as máquinas não vão conseguir fazer. Mais do que uma dicotomia, diria que haverá uma complementaridade: tirar o melhor dos humanos e das suas características e do potencial das máquinas” “Isto das soluções de IA está muito além de ser apenas uma moda e tem um potencial brutal de valor em todos os setores, mesmo os mais tradicionais. Vivemos num mundo da experiência efetiva e altamente personalizada”

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt