Views
1 year ago

36 - Digital Business Breakfast | The Future of Marketing

  • Text
  • Google
  • Grupo
  • Consumidores
  • Processo
  • Empresas
  • Consumidor
  • Cliente
  • Dados
  • Digital
  • Marketing
25 junho 2018 | Epic Sana Lisboa Amoreiras

DIGITAL BUSINESS

DIGITAL BUSINESS BREAKFAST Fuencisla Clemares Diretora-Geral, Google Espanha e Portugal “Depois do digital, a tecnologia móvel mudou as nossas vidas. Andamos em permanência com os nossos smartphones, que em pouco tempo impactaram a vida de todos, a indústria e praticamente tudo. Mas esta disrupção vai muito além do mobile” “As empresas que saibam adaptar-se para aproveitar as tecnologias de hoje, terão uma vantagem amanhã. Por isso, terão que tornar as suas marcas cada vez mais visíveis e relevantes para os consumidores. O marketing orientado pelos dados tornou-se chave” “O futuro do marketing assenta no engagement com os consumidores, num ambiente conectado com dados e tecnologia. É o data driven automated marketing baseado em plataformas” Leonor Dias Brand Director, Vodafone “No marketing, o desafio é fazer o one-toone e não já o one-to-many. O big data faz a ponte entre duas áreas que têm estado separadas e que agora têm que se fundir: a marca e comunicação mais tradicional e o CRM. Só assim se está no sítio, hora, local, contexto e oferta certas” “A aquisição e detenção do cliente são muito impactadas pelo big data. A questão é se estamos preparados para a transformação que isto está a provocar e que afeta todos. É uma espécie de dor de parto” “O consumidor está propenso a receber as novas tecnologias, graças ao machine learning e às soluções de IoT. Estamos apenas no início e essa é a parte divertida”

5 Os responsávels da Jerónimo Martins, Unilever, Vodafone e Grupo Pestana garantiram, no debate, que as suas empresas já estão a fazer diferente, embora a velocidades distintas. É que a mudança de hábitos do consumidor é transversal Marketing na Era Digital”, o moderador, Bernardo Correia, Country Manager da Google Portugal, destacou a importância do tema para o mercado nacional, onde existem dois problemas: a escala e a eficiência. Para este responsável, a “única maneira de os resolver é fazer diferente, utilizando tecnologias de nova geração - machine learning e inteligência artificial - de uma forma que seja neutra à escala do mercado”. Os responsáveis dos setores presentes – telecomunicações, retalho, turismo e indústria – mostraram que as suas empresas já estão a começar a fazer diferente, embora a velocidades distintas. É que a mudança de hábitos do consumidor é transversal a todas as áreas. Para Leonor Dias, Brand Director da Vodafone, cada vez mais é o cliente que faz o controlo do seu processo de decisão e de compra, com pesquisa exaustiva, comparações, rapidez e omnichannel. Querem mais qualidade e exigem honestidade das marcas na utilização dos seus dados. Além de serem completamente globais – é-lhes indiferente consultar um site no Reino Unido ou nos EUA. O que comparam são experiências, pois é isso que querem. No turismo, o cliente está mesmo a mudar mais depressa do que o setor previa, como destaca Luís Monteiro, Executive Board Member de

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt