28 - 27º Digital Business Congress | Economia e Cidadania Digitais

  • Mercado
  • Mundo
  • Novos
  • Ainda
  • Portugal
  • Tecnologia
  • Grande
  • Forma
  • Empresas
  • Digital
Casos de Transformação Digital Set 2017

27º

27º Digital Business Congress SESSÃO “A Transformação Digital na Organização” Remco Brouwer Senior VP Digital Transformation, Randstad Holding Francisca Matos VP People & Culture, Uniplaces “O digital é o novo normal. Estamos numa era pautada por constantes mudanças tecnológicas e de novos concorrentes e modelos de negócio. As ameaças podem vir de empresas mais pequenas, que são disruptivas” “Temos que nos mover ao ritmo de uma startup, enquanto gerimos uma multinacional. De garantir escala nas nossas soluções digitais, com um modelo de negócio desenhado para um mercado local, estabelecendo parcerias e iniciativas de colaboração para podermos crescer” “As soluções têm que ser úteis e boas. Se forem más, simplesmente não vingam. Ter transparência e fomentar uma cultura de compra e não de construção também é vital. Só vale a pena construirmos onde tivermos vantagens competitivas” “A digitalização das empresas cria inovação e cada uma está a fazer as coisas de forma diferente. Mas a grande aposta deve estar sempre nas pessoas. A parte de capacitação e gestão de pessoas é tão importante como o marketing ou a área financeira” “Existem muitas funções dentro das empresas que há pouco tempo não existiam. Toda esta geração que está agora na faculdade está a tirar cursos que terão que ser reajustados para as funções que existirão nas empresas. O nosso core está centrado no talento, onde está o grande investimento e custo” “Muitas tecnológicas procuram e privilegiam o perfil das pessoas. Mas estas têm que ser proactivas e acrescentar valor, não podem estar à espera de ordens” Gonçalo Gaiolas VP of Digital, Outsystems “O digital é a vida. Não há uma característica intrínseca da nova economia que não possa ser replicada nas empresas tradicionais, onde o processo de transformação permite alavancar conhecimentos, redes de distribuição e pessoas com talento. O eixo das transformações é um Yin Yang entre pessoas e tecnologia.” ”A tecnologia serve como bicicleta para a mente das pessoas que estão a mudar o mundo. É um brutal acelerador daquilo que as empresas conseguem fazer com as plataformas” “O processo de digitalização anda muito à volta da forma como as pessoas se organizam. Não já em áreas funcionais, mas em torno de problemas estratégicos. Isto só se consegue com muita gestão da mudança, das pessoas redesenharem a sua identidade e a forma como olham para o mundo” José Miguel Leonardo CEO, Randstad Portugal “Não há um modelo ideal de transformação e o caminho não é definitivo nem está traçado. Há apenas um destino e uma missão grande” “Já estamos na era pós-digital. Se a tecnologia se adquire e constrói, as pessoas é que são o verdadeiro agente desta transformação. Toda a tecnologia que temos hoje disponível tem sempre pessoas nas extremidades. “É nas pessoas que as organizações têm que estar focadas. Cativá-las e ajudá-las a desenvolver o seu verdadeiro potencial. As empresas têm que pensar qual a proposta de valor que colocam em cima da mesa para atrair pessoas para a organização. Temos que fazer as coisas de forma inteligente e a tecnologia ajuda”

21 José Morgado Presidente, Caixa Económica Montepio Geral “A banca tem demonstrado uma grande capacidade de reinvenção e de ajustamento do seu modelo de negócio. Enquanto motor da economia, ajusta-se rapidamente às transformações do mercado e tem agora que ser agora mais flexível para responder às necessidades dos clientes” “A tecnologia coloca à disposição uma plataforma omnicanal, onde o cliente pode gerir e satisfazer as suas necessidades. Mas não acreditamos que os balcões tenham os dias contados, até porque disponibilizam muita tecnologia para garantirem uma experiência positiva” “Não acredito em projetos pessoais. Temos que ter uma boa equipa com boas competências. O líder tem que definir uma visão e iniciar a mudança, tendo o papel de manter a equipa na direção certa e de a unir. Sem uma boa gestão de talento a empresa não vai a lado nenhum” Sessão “A Nova Geração do Outsourcing: Digital Labor – O Papel dos Robots e das Pessoas” Paulo Ferreira Secretário de Estado Adjunto e do Comércio “Portugal tem consciência crescente e coletiva sobre as oportunidades e desafios da economia digital. É importante pensá-la e criar competências nesta área. Sendo uma disrupção e uma mudança, de difícil antecipação, os caminhos que vierem a ser trilhados têm que ser flexíveis, para acomodar os novos desenvolvimentos” “O momento que estamos a viver é crítico para a definição do enquadramento que nos vai guiar nos próximos anos. É preciso ter um quadro estável e flexível para se saber o que fazer e quais os caminhos a trilhar” “O outsourcing beneficia desta mudança para o digital, usando a tecnologia para novas ofertas. Em termos de estrutura deste mercado, não sei o que se vai passar. Podemos imaginar alguns cenários, mas sendo muito utilizador de recursos humanos, a robotização trará uma mudança de paradigma” Ana Maria Evans Investigadora, FCT – NOVA IMS “O modelo de negócio na Administração Pública e as suas condições são diferentes das empresas. Porque não há escolha do cliente, que é o cidadão. E está sujeita a uma ausência de liberdade de movimentos e restrições financeiras e de recursos humanos que as empresas não têm. São contextos muito diferentes” “Há enormes saltos na forma como a AP se relaciona com o seu cliente, que podem causar grandes formas de exclusão social. Há exemplos que vêm das empresas privadas em termos de informatização e automatização que ainda não conseguiu implementar, enquanto vendedora de serviços. Não há alinhamento” “Há um gap enorme entre o avanço tecnológico e a realidade dos serviços da AP, que precisa urgentemente de incluir cidadãos nos seus processos de transformação. De incluir as empresas que estão mais à frente no processo para entender como mudar. Mas isto implica recursos e formação contínua, o que é um problema”

REVISTA COMUNICAÇÕES

UPDATE

© APDC. Todos os direitos reservados. Contactos - Tel: 213 129 670 | Email: geral@apdc.pt